Po­lí­cia apu­ra re­la­ção en­tre dois tri­plos ho­mi­cí­di­os

Correio da Bahia - - Brasil - Bru­no Wen­del, Gil San­tos e Tai­la­ne Mu­niz mais@cor­rei­o24ho­ras.com.br

Dois cri­mes em lo­cais a 5 km de dis­tân­cia um do ou­tro, co­me­ti­dos em um es­pa­ço de me­nos de meia ho­ra, en­vol­ven­do ar­mas de gros­so ca­li­bre, ti­ros na ca­be­ça, ir­mãos mor­tos e sem sus­pei­tos iden­ti­fi­ca­dos, fo­ram re­gis­tra­dos on­tem, en­tre 8h40 e 9h. A Po­lí­cia Ci­vil in­ves­ti­ga se os tri­plos ho­mi­cí­di­os dos ir­mãos Tiago Pe­rei­ra Reis, 24 anos, Hen­ri­que de Sou­za Reis Jú­ni­or, 30, Pa­trí­cia Reis Pe­rei­ra, 27, ca­da um com um ti­ro na ca­be­ça, den­tro do apar­ta­men­to on­de mo­ra­vam no bair­ro do Tro­bogy, e, 20 mi­nu­tos de­pois, o as­sas­si­na­to dos ir­mãos Jos­si­val da Sil­va Pai­xão, 26, Ne­ci­val da Sil­va Pai­xão, 30, além de um ami­go de­les, Eli­ab Ba­tis­ta dos San­tos, 36, na Via Re­gi­o­nal, com ti­ros na ca­be­ça e no tó­rax, têm al­gum ti­po de re­la­ção. A au­to­ria e a mo­ti­va­ção dos cri­mes ainda são in­ves­ti­ga­das.

TRO­BOGY

Eram por vol­ta das 5h qu­an­do Hen­ri­que Reis saiu de casa com um dos fi­lhos e dei­xou os ou­tros três no apar­ta­men­to, no re­si­den­ci­al Vi­la Ri­ta, no Tro­bogy. Pai das ví­ti­mas, ele não sa­bia que nun­ca mais as ve­ria vi­vas. Às 8h40, homens ar­ma­dos en­tra­ram no condomínio por um ma­ta­gal e in­va­di­ram o imó­vel. A por­ta foi ar­rom­ba­da e Tiago, Hen­ri­que e Pa­tri­cía fo­ram pe­gos de sur­pre­sa.

Eles fo­ram mor­tos com ti­ros de es­co­pe­ta. O cor­po de Pa­trí­cia foi en­con­tra­do no so­fá e os dos ou­tros dois es­ta­vam no chão da sala do imó­vel, que pos­sui dois quar­tos. “Ca­da ví­ti­ma es­ta­va com um ti­ro na ca­be­ça. Na cena do cri­me, en­con­tra­mos pe­da­ços de chum­bo de es­co­pe­ta ca­li­bre 12”, apon­tou o pe­ri­to cri­mi­nal Fá­bio An­dré, que ana­li­sou a cena do cri­me.

Ainda se­gun­do ele, o imó­vel es­ta­va re­vi­ra­do e Tiago ti­nha le­sões nas mãos, “co­mo se es­ti­ves­se co­lo­ca­do as mãos na nu­ca”, dis­se. Um vi­zi­nho que es­te­ve no apar­ta­men­to após o cri­me con­tou que fi­cou im­pres­si­o­na­do com o ce­ná­rio: “Foi mui­to feio: a sala re­ple­ta de san­gue”.

Se­gun­do a po­lí­cia, os ban­di­dos fu­gi­ram pelo mes­mo lo­cal por on­de en­tra­ram. In­ves­ti­ga­do­res es­tão ten­tan­do le­van­tar ima­gens de câ­me­ras de se­gu­ran­ça da re­gião que te­nham re­gis­tra­do a mo­vi­men­ta­ção dos cri­mi­no­sos.

Exe­cu­ções fo­ram em lo­cais pró­xi­mos em um es­pa­ço de ape­nas 30 mi­nu­tos

NO LU­GAR ER­RA­DO

On­tem, o co­or­de­na­dor da 2ª De­le­ga­cia de Ho­mi­cí­di­os, de­le­ga­do Mar­ce­lo San­são, reu­niu a im­pren­sa pa­ra pres­tar es­cla­re­ci­men­tos so­bre o ca­so. Ele con­tou que a li­nha de in­ves­ti­ga­ção ainda não es­tá de­fi­ni­da, mas con­fir­mou que o ir­mão ca­çu­la, Tiago, se­ria o al­vo dos ban­di­dos. Ele era o úni­co en­tre as ví­ti­mas com pas­sa­gem po­li­ci­al – foi pre­so du­as ve­zes por en­vol­vi­men­to com o trá­fi­co de dro­gas. Os ir­mãos não ti­nham pas­sa­gem po­li­ci­al e te­ri­am si­do mor­tos por te­rem pre­sen­ci­a­do o cri­me (ver pá­gi­na ao la­do).

A fa­mí­lia vi­ve no apar­ta­men­to há oi­to anos e a mãe dos jo­vens não es­ta­va em casa qu­an­do o cri­me acon­te­ceu. O condomínio fi­ca Rua do Mo­cam­bo e pos­sui dez pré­di­os de três an­da­res, com qua­tro uni­da­des por an­dar. Vi­zi­nhos afir­ma­ram que os ban­di­dos não pas­sa­ram pe­la por­ta­ria e dis­se­ram que, ape­sar do tri­plo ho­mi­cí­dio, o lo­cal é tran­qui­lo. Se­gun­do os mo­ra­do­res, Pa­trí­cia e Hen­ri­que eram pes­so­as de bem e tra­ba­lha­vam em shop­ping. “Eles pa­re­ci­am bem tran­qui­los, tra­ba­lha­vam, mas a gen­te nun­ca sa­be o que acon­te­ce na vi­da das pes­so­as”, afir­mou um mo­ra­dor, sob ano­ni­ma­to. Ou­tro vi­zi­nho, que mo­ra no condomínio há 13 anos e dis­se ser ami­go da fa­mí­lia, con­tou que es­ta­va con­ver­san­do com uma das ví­ti­mas pelo WhatsApp

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.