O pa­ra­do­xo de Te­mer

Correio da Bahia - - Economia -

O pre­si­den­te Mi­chel Te­mer es­tá pre­so a um pa­ra­do­xo. Ele só po­de­rá ser can­di­da­to em 2018 se o seu go­ver­no con­se­guir que o país vol­te ao am­bi­en­te po­si­ti­vo, mas is­so só tem chan­ce de acon­te­cer se ele não for can­di­da­to. O tra­ba­lho pa­ra equi­li­brar no­va­men­te a eco­no­mia é ár­duo e, pa­ra fa­zê-lo, Te­mer pre­ci­sa­rá man­ter a ba­se uni­da. Es­sa ta­re­fa exi­ge ab­di­ca­ção pré­via.

Te­mer sem­pre ne­ga que será can­di­da­to, mas a dú­vi­da per­ma­ne­ce. Se o país co­me­çar a me­lho­rar, a dú­vi­da au­men­ta­rá, por­que fi­ca­rá mais for­te a am­bi­ção dos que o cer­cam. No mo­men­to em que co­me­ça­rem os si­nais de al­gu­ma ex­pec­ta­ti­va de can­di­da­tu­ra, a sua ba­se vai se des­fa­zer pa­ra cor­rer cada gru­po atrás de seu pro­je­to. A Jus­ti­ça di­rá se Te­mer po­de­rá con­cor­rer, le­van­do-se em con­ta que por du­as elei­ções ele es­te­ve na cha­pa ven­ce­do­ra, ao la­do da pre­si­den­te Dil­ma. Po­de­ria, por­tan­to, es­tar ve­ta­do pa­ra uma ter­cei­ra elei­ção. Há tam­bém ou­tras ame­a­ças na Jus­ti­ça co­mo o pro­ces­so que cor­re no TSE con­tra a cha­pa que o re­e­le­geu a vi­ce-pre­si­den­te, ação iro­ni­ca­men­te ini­ci­a­da pe­lo PSDB. A eco­no­mia im­põe mui­tas dú­vi­das so­bre as pre­ten­sões do atu­al gru­po no po­der, mes­mo que o can­di­da­to se­ja ou­tro. Qual é a ca­pa­ci­da­de de a eco­no­mia bra­si­lei­ra se re­cu­pe­rar? Quan­do se olha pa­ra o ano que vem, é pos­sí­vel ver no­tí­ci­as bo­as: a in­fla­ção será me­nor, o PIB não será ne­ga­ti­vo e as ta­xas de ju­ros se­rão mais bai­xas. E há chan­ces de no­vas me­lho­ras em 2018.

Tu­do is­so é bom, mas não é su­fi­ci­en­te. O de­sem­pre­go per­ma­ne­ce­rá al­to e sua re­du­ção, quan­do ocor­rer, será len­ta. As con­tas pú­bli­cas fe­de­rais con­ti­nu­a­rão com um enor­me dé­fi­cit. Os es­ta­dos es­ta­rão ain­da no meio do des­con­tro­le en­tre re­cei­tas e des­pe­sas.

Pa­ra apro­var as re­for­mas será ne­ces­sá­rio man­ter a ba­se co­e­sa, mas é mui­to di­fí­cil um go­ver­no pre­ser­var o po­der de atra­ção so­bre a ba­se quan­do tem um pe­río­do cur­to pe­la fren­te e uma agen­da de re­for­mas im­po­pu­la­res.

O que o go­ver­no Te­mer es­tá se pro­pon­do é mui­to di­fí­cil de re­a­li­zar. O Bra­sil es­tá há 20 anos ten­tan­do re­for­mar a Pre­vi­dên­cia. Con­se­guiu mu­dan­ças pon­tu­ais nos go­ver­nos Fer­nan­do Hen­ri­que e Lu­la. FH foi der­ro­ta­do na ida­de mí­ni­ma, e Lu­la nem ten­tou por­que se con­cen­trou em mu­dan­ças de re­gras na Pre­vi­dên­cia do se­tor pú­bli­co.

Em um man­da­to tam­pão, o go­ver­no quer es­ta­be­le­cer a ida­de mí­ni­ma e fa­zer ou­tras mu­dan­ças pro­fun­das no sis­te­ma de apo­sen­ta­do­ri­as. Propôs tam­bém in­ver­ter a cur­va de gas­tos fe­de­rais, que vi­nha au­men­tan­do além da in­fla­ção, atra­vés de uma mu­dan­ça cons­ti­tu­ci­o­nal, a PEC do te­to de gas­tos, que tra­mi­ta na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos. Na­da dis­so é po­pu­lar, e es­se go­ver­no ain­da her­dou de­sor­dem fis­cal e in­fla­ci­o­ná­ria, de­sem­pre­go e re­ces­são. A ten­dên­cia é co­brar de quem es­tá no po­der, mes­mo que o pro­ble­ma te­nha si­do pro­vo­ca­do pe­la ad­mi­nis­tra­ção an­te­ri­or.

Os ce­ná­ri­os pa­ra 2018 in­di­cam que po­de ser uma elei­ção com mui­tos can­di­da­tos. O PSDB tem um di­le­ma en­tre os vá­ri­os qua­dros com am­bi­ções pre­si­den­ci­ais. Ele es­tá no go­ver­no, mas não ocu­pa ne­nhu­ma área es­tra­té­gi­ca, por­tan­to, não man­da, mas en­fren­ta o des­gas­te de ser par­te do gru­po no po­der. Se ele fi­car, po­de se en­fra­que­cer, se sair po­de­rá fra­gi­li­zar o go­ver­no com o qual já es­tá iden­ti­fi­ca­do.

O PT vi­ve seu pi­or mo­men­to em mui­tos anos e is­so fi­cou mais cla­ro de­pois das elei­ções do úl­ti­mo do­min­go, em que o par­ti­do foi o mai­or der­ro­ta­do. O ex-pre­si­den­te Lu­la es­tá cada vez mais cer­ca­do de pro­ces­sos, in­di­ci­a­men­tos, in­ves­ti­ga­ções que po­dem ina­bi­li­tá-lo pa­ra con­cor­rer à Pre­si­dên­cia. Se con­se­guir ser can­di­da­to, na­da ga­ran­te que ele te­nha o su­ces­so dos úl­ti­mos anos, po­de ter vol­ta­do à vo­ca­ção das der­ro­tas que te­ve no iní­cio da sua car­rei­ra po­lí­ti­ca. A ex-se­na­do­ra Marina Sil­va viu seu par­ti­do, a Re­de, ter um desempenho pí­fio nas elei­ções, seus par­la­men­ta­res se­gui­rem o PT na bri­ga do im­pe­a­ch­ment e ain­da en­fren­ta bri­gas in­ter­nas.

Os pos­sí­veis can­di­da­tos de 2018 en­fren­tam pa­ra­do­xos, di­le­mas, li­mi­tes e in­ves­ti­ga­ções. A La­va Ja­to não ame­a­ça ape­nas o PT, há ris­cos pa­ra vá­ri­os par­ti­dos. Tu­do is­so faz com que, pa­ra a po­lí­ti­ca, os dois anos até as pró­xi­mas elei­ções pre­si­den­ci­ais se­jam lon­go pra­zo.

mi­ri­am­lei­tao@oglo­bo.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.