Me­lho­ria da edu­ca­ção re­quer pro­fes­sor qua­li­fi­ca­do

Correio da Bahia - - Mais - Ju­li­a­na Mo­nh­ta­nha ju­li­a­na.mon­ta­nha@re­de­bahia.com.br

Os re­sul­ta­dos do Exa­me Na­ci­o­nal do En­si­no Mé­dio (Enem 2015) in­di­cam que a Bahia não vai mui­to bem na edu­ca­ção. Das 250 es­co­las mais bem ava­li­a­das no ran­king na­ci­o­nal, ape­nas qua­tro são do es­ta­do – Co­lé­gio Helyos e Co­lé­gio Aces­so, em Fei­ra de San­ta­na, Co­lé­gio An­chi­e­ta e Co­lé­gio Mi­li­tar de Sal­va­dor, na ca­pi­tal. Os da­dos fo­ram di­vul­ga­dos nes­sa se­ma­na pe­lo Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­tu­dos e Pes­qui­sas Edu­ca­ci­o­nais Aní­sio Tei­xei­ra (Inep) e re­pre­sen­tam as me­lho­res mé­di­as de no­tas ob­ti­das pe­los alu­nos de cada ins­ti­tui­ção nas pro­vas ob­je­ti­vas apli­ca­das pe­lo ins­ti­tu­to.

Pa­ra al­can­çar me­lho­res re­sul­ta­dos, os edu­ca­do­res ou­vi­dos pe­lo COR­REIO apos­tam em me­di­das co­mo edu­ca­ção con­ti­nu­a­da, me­lhor for­ma­ção e qua­li­fi­ca­ção dos pro­fes­so­res, além da cri­a­ção de um am­bi­en­te fa­vo­rá­vel pa­ra o apren­di­za­do. Es­ses fa­to­res, se­gun­do eles, fa­zem to­da a di­fe­ren­ça pa­ra os es­tu­dan­tes.

FOR­MA­ÇÃO IN­TE­GRAL

Ter­cei­ro lu­gar na Bahia e 218º no ran­king na­ci­o­nal, o Co­lé­gio Mi­li­tar de Sal­va­dor (CMS) é a úni­ca ins­ti­tui­ção da re­de pú­bli­ca de en­si­no en­tre os me­lho­res co­lo­ca­dos. Com mé­dia de 642,95 no Enem, o CMS apos­ta na edu­ca­ção con­ti­nu­a­da e na for­ma­ção do alu­no en­quan­to ci­da­dão.

“Nos­so tra­ba­lho co­me­ça no sex­to ano do en­si­no fun­da­men­tal e se dá ao lon­go dos sete anos, até o fi­nal do ci­clo do en­si­no mé­dio”, diz o te­nen­te-co­ro­nel Mo­ra­es Ra­mos, che­fe da di­vi­são de en­si­no da es­co­la, que, em se­gui­da, com­ple­ta: “O nos­so di­fe­ren­ci­al é que es­ta­mos com­pro­me­ti­dos com a for­ma­ção in­te­gral dos ci­da­dãos, pas­san­do tam­bém os va­lo­res do exér­ci­to bra­si­lei­ro”.

Os es­tu­dan­tes do CMS con­tam tam­bém com tur­mas ex­tras, no úl­ti­mo ano, pa­ra aque­les que que­rem se pre­pa­rar ain­da mais pa­ra o Enem e se­le­ções das es­co­las mi­li­ta­res, sem­pre no tur­no opos­to às au­las. “Se­gui­mos a Lei de Di­re­tri­zes e Ba­ses e fi­ca­mos fe­li­zes com o re­sul­ta­do ob­ti­do”, diz.

Ran­king do Enem mos­tra de­fi­ci­ên­cia do sis­te­ma es­co­lar bai­a­no

IN­DI­CA­DO­RES

Pa­ra o edu­ca­dor e rei­tor da Uni­jor­ge, Gui­lher­me Mar­back Ne­to, os fa­to­res que in­flu­en­ci­am na qua­li­da­de do en­si­no são com­ple­xos e en­vol­vem des­de ques­tões fi­nan­cei­ras e de in­fra­es­tru­tu­ra aca­dê­mi­cas.

“O re­sul­ta­do do Enem é um si­nal de que as coi­sas não es­tão in­do bem. Te­mos vis­to is­so a partir de ou­tros in­di­ca­do­res tam­bém, co­mo o Ideb [Ín­di­ce de De­sen­vol­vi­men­to da Edu­ca­ção Bá­si­ca]”,cons­ta­ta. “Pa­ra me­lho­rar to­do o se­tor edu­ca­ci­o­nal da Bahia, se­ja pú­bli­co ou par­ti­cu­lar, é pre­ci­so tra­ba­lhar jun­to”, com­ple­ta.

Na opi­nião de Mar­back, a me­lho­ria da qua­li­da­de da edu­ca­ção pas­sa pe­la va­lo­ri­za­ção dos pro­fes­so­res e de sua for­ma­ção. “Sen­do uma pro­fis­são bem es­ti­ma­da, mais pes­so­as vão que­rer ser pro­fes­so­res e vão pen­sar me­lhor em co­mo aju­dar o alu­no a apren­der, uma vez que exis­tem di­fe­ren­tes re­a­li­da­des en­tre o es­tu­dan­te das es­co­las pú­bli­cas e pri­va­das”, ava­lia. FOR­MA­ÇÃO

As­sim co­mo ele, a co­or­de­na­do­ra do cur­so de Pe­da­go­gia da Fa­cul­da­de de Edu­ca­ção (Fa­ced) da Uf­ba, Ra­quel Nery, acre­di­ta que uma me­lhor for­ma­ção do pro­fes­sor in­flu­en­cia po­si­ti­va­men­te o ren­di­men­to dos es­tu­dan­tes e es­se é um dos in­di­ca­do­res le­va­dos em con­si­de­ra­ção pe­lo Inep. “Os cur­sos de for­ma­ções de pro­fes­so­res no es­ta­do es­tão mui­to li­ga­dos ao con­teú­do dis­ci­pli­nar e não se dá mui­ta aten­ção à di­men­são prá­ti­ca da pro­fis­são do­cen­te”, ob­ser­va.

De acor­do com a co­or­de­na­do­ra, es­sa fa­ce da for­ma­ção tem si­do ne­gli­gen­ci­a­da. “As li­cen­ci­a­tu­ras na Bahia têm fun­ci­o­na­do mais co­mo ba­cha­re­la­dos, e as dis­ci­pli­nas que são di­dá­ti­cas e me­to­do­ló­gi­cas aca­bam sen­do um apên­di­ce no fi­nal do cur­so”, diz.

Pa­ra ela, a qua­li­da­de da edu­ca­ção tam­bém pas­sa por fun­ci­o­ná­ri­os mais va­lo­ri­za­dos e com pla­nos de car­rei­ra, além de uma me­lhor in­fra­es­tru­tu­ra das es­co­las.

“Pro­fis­si­o­nais não con­se­guem se de­di­car in­te­gral­men­te quan­do tra­ba­lham em vá­ri­os lu­ga­res. Mes­mo as­sim, a qua­li­da­de do en­si­no não é de res­pon­sa­bi­li­da­de ape­nas do edu­ca­dor, pois exis­te to­do um con­tex­to”, ar­gu­men­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.