Te­mer não é ile­gí­ti­mo, é caó­ti­co

Correio da Bahia - - Mais -

Em agos­to do ano pas­sa­do, o en­tão vi­ce-pre­si­den­te Mi­chel Te­mer apre­sen­tou-se co­mo can­di­da­to ao lu­gar de Dil­ma Rous­seff di­zen­do que “a gran­de mis­são, a partir des­te mo­men­to, é a da pa­ci­fi­ca­ção do país, da reu­ni­fi­ca­ção do país”. Em maio, já pin­ta­do pa­ra a guer­ra, di­zia que “é pre­ci­so al­guém que te­nha a ca­pa­ci­da­de de reu­ni­fi­car a to­dos”. Na Pre­si­dên­cia, o dou­tor e sua ca­ra­va­na de sá­bi­os de­ci­di­ram tor­rar di­nhei­ro da Viú­va com uma cam­pa­nha pu­bli­ci­tá­ria es­sen­ci­al­men­te po­lí­ti­ca, fa­lan­do bem de si e mal do go­ver­no de sua an­te­ces­so­ra e com­pa­nhei­ra de cha­pa. Nes­sa gas­tan­ça, pro­me­teu: “Va­mos ti­rar o Bra­sil do ver­me­lho pa­ra vol­tar a cres­cer”.

Ao pi­sar no Pla­nal­to, Te­mer de­mi­tiu um gar­çom e ago­ra van­glo­ri­ou-se de ter ex­tin­gui­do “4,2 mil car­gos de con­fi­an­ça”. Na re­a­li­da­de, em ju­nho ele pro­me­teu cor­tar os car­gos co­mis­si­o­na­dos, mas en­tre ju­nho e ju­lho de­mi­tiu 5,5 mil ser­vi­do­res e con­tra­tou 7,2 mil.

Ati­tu­des des­se ti­po na­da têm a ver com pa­ci­fi­ca­ção ou reu­ni­fi­ca­ção. Ser­vem ape­nas pa­ra es­ti­mu­lar o cli­ma de ga­fi­ei­ra que Te­mer her­dou do pe­tis­mo. A ca­ra­va­na do Pla­nal­to não es­tá pa­ci­fi­can­do coi­sa al­gu­ma. De­di­cou-se a fler­tar com o mer- ca­do, ame­a­çan­do a so­ci­e­da­de com au­men­to de im­pos­tos. Anun­ci­ou uma re­for­ma da Pre­vi­dên­cia sem de­ta­lhá-la, trans­for­man­do em cam­po de ba­ta­lha o te­ma qua­se con­sen­su­al da ne­ces­si­da­de da ele­va­ção da ida­de mí­ni­ma pa­ra a apo­sen­ta­do­ria.

A fá­bri­ca de fan­tas­mas do Pla­nal­to sol­tou a al­ma pe­na­da de uma re­for­ma tra­ba­lhis­ta, sem­pre em ter­mos ge­né­ri­cos, e lo­go de­pois re­cu­ou. Con­se­guiu ar­ru­mar con­fu­são até mes­mo num ser­vi­ço ba­nal co­mo a es­co­lha do fil­me que re­pre­sen­ta­rá o Bra­sil na dis­pu­ta pe­lo Os­car. Te­mer e Hen­ri­que Mei­rel­les apre­sen­tam-se co­mo cam­peões da aus­te­ri­da­de por­que pa­tro­ci­nam uma emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal que li­mi­ta­rá os gas­tos pú­bli­cos. Por en­quan­to, is­so é pu­ra pa­ro­la­gem. O que con­tém gas­tos é a de­ci­são de não gas­tar. Se lei equi­li­bras­se or­ça­men­to, a da res­pon­sa­bi­li­da­de fis­cal te­ria im­pe­di­do as pe­da­la­das pe­tis­tas, e a re­ne­go­ci­a­ção das dí­vi­das dos es­ta­dos, ocor­ri­da du­ran­te o tu­ca­na­to, te­ria im­pe­di­do a si­tu­a­ção de fa­lên­cia em que es­tão ho­je es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os, to­dos ali­vi­a­dos por Te­mer.

O go­ver­no de Mi­chel Te­mer não é ile­gí­ti­mo, é caó­ti­co. In­ven­ta en­cren­cas, de­for­ma te­mas e pro­duz fan­tas­mas. Na hora de a on­ça be­ber água, acha que seu pro­ble­ma é de co­mu­ni­ca­ção e de­ci­de fa­zer uma cam­pa­nha pu­bli­ci­tá­ria pa­ra que o po­vo, es­se eter­no bo­ba­lhão, apren­da o que é me­lhor pa­ra ele.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.