Bahia: fu­te­bol e de­mo­cra­cia

Correio da Bahia - - Front Page -

No úl­ti­mo mês, o Es­por­te Clu­be Bahia com­ple­tou três anos de uma no­va era: a im­ple­men­ta­ção da de­mo­cra­cia no Tri­co­lor. Ao lon­go des­te pe­río­do, ti­ve a hon­ra de po­der acom­pa­nhar as di­ver­sas mu­dan­ças que ocor­re­ram na ins­ti­tui­ção.

Em 9 de se­tem­bro de 2013, quan­do Fer­nan­do Sch­midt – o pri­mei­ro pre­si­den­te elei­to de ma­nei­ra di­re­ta na his­tó­ria do clu­be – to­mou pos­se, o ce­ná­rio era de­so­la­dor: re­cei­tas di­ver­sas an­te­ci­pa­das que com­pro­me­ti­am sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te o caixa do Bahia, dí­vi­das com for­ne­ce­do­res de pro­du­tos e ser­vi­ços bá­si­cos pa­ra o dia-a-dia, atra­so nos sa­lá­ri­os de fun­ci­o­ná­ri­os e atle­tas, pas­si­vos tra­ba­lhis­ta e fis­cal mi­li­o­ná­ri­os, to­tal des­cré­di­to jun­to a ban­cos e ao mer­ca­do do fu­te­bol e es­tru­tu­ra de tra­ba­lho pre­cá­ria, den­tre mui­tas ou­tras coi­sas que de­man­da­ri­am um es­pa­ço mui­to mai­or pa­ra se­rem lis­ta­das.

Se, por um la­do, a di­fi­cul­da­de de “so­bre­vi­vên­cia” a cur­to pra­zo era al­go bas­tan­te pre­o­cu­pan­te, por ou­tro, uma cer­te­za per­me­a­va a men­te e os co­ra­ções de to­dos aque­les que se em­pe­nha­ram em aju­dar o glo­ri­o­so Es­qua­drão a se li­ber­tar do pe­río­do das tre­vas: a for­ça da sua mar­ca e o amor da sua tor­ci­da, jun­tos, eram os com­bus­tí­veis ne­ces­sá­ri­os pa­ra a re­to­ma­da azul, ver­me­lha e bran­ca.

Não es­tá sen­do fá­cil, mas as mu­dan­ças tão es­pe­ra­das es­tão acon­te­cen­do e ce­do ou tar­de irão re­fle­tir na­qui­lo que é o fo­co das aten­ções: o ti­me em cam­po. A pri­mei­ra e mais im­por­tan­te de to­das as mu­dan­ças é a re­to­ma­da da con­fi­an­ça do tor­ce­dor na ins­ti­tui­ção. Ho­je os só­ci­os do clu­be po­dem - e de­vem - acom­pa­nhar mui­to mais do que os atle­tas que vão pa­ra o gra­ma­do. Os as­so­ci­a­dos, por exem­plo, têm aces­so am­plo a in­for­ma­ções fi­nan­cei­ras (ba­lan­ços, ba­lan­ce­tes, DREs), as quais são acom­pa­nha­das por um Con­se­lho Fis­cal in­de­pen­den­te e au­di­ta­das anu­al­men­te por em­pre­sa es­pe­ci­a­li­za­da, ele­men­tos fun­da­men­tais na im­ple­men­ta­ção de bo­as prá­ti­cas de go­ver­nan­ça.

Ali­a­do a is­so, uma ges­tão fi­nan­cei­ra res­pon­sá­vel, que além de hon­rar os com­pro­mis­sos as­su­mi­dos ain­da in­ten­si­fi­ca o sa­ne­a­men­to das dí­vi­das exis­ten­tes. Nos úl­ti­mos três anos fo­ram pa­gos cer­ca de R$ 14 mi­lhões em dé­bi­tos tra­ba­lhis­tas e hou­ve uma re­du­ção de apro­xi­ma­da­men­te R$ 56 mi­lhões dos dé­bi­tos fis­cais. So­man­do is­so ao in­ves­ti­men­to em in­fra­es­tru­tu­ra e qua­li­fi­ca­ção do cor­po fun­ci­o­nal, al­can­ça-se uma se­gun­da mu­dan­ça mui­to im­por­tan­te, que é a re­cu­pe­ra­ção da cre­di­bi­li­da­de do clu­be jun­to ao mer­ca­do do fu­te­bol, em seu sen­ti­do mais am­plo, mui­to além de “sim­ples­men­te” con­tra­tar e ne­go­ci­ar jo­ga­do­res.

O Es­por­te Clu­be Bahia vol­tou a fi­gu­rar en­tre os prin­ci­pais ato­res do fu­te­bol bra­si­lei­ro, exer­cen­do pa­pel de pro­ta­go­nis­mo no de­ba­te de te­mas de re­le­vân­cia na­ci­o­nal, co­mo os no­vos mo­de­los de con­tra­to de te­le­vi­são e as dis­cus­sões acer­ca da Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal no Es­por­te.

É cla­ro que dé­ca­das de ges­tões ir­res­pon­sá­veis – pa­ra se di­zer o mí­ni­mo – não se­rão cor­ri­gi­das em pou­cos anos, mas tan­tas mu­dan­ças já dei­xam cla­ro a im­por­tân­cia do pro­ces­so de de­mo­cra­ti­za­ção do Tri­co­lor, que la­men­ta­vel­men­te es­ta­va fa­da­do a um fim ago­ni­zan­te. Ca­be ago­ra ao tor­ce­dor com­pre­en­der o sig­ni­fi­ca­do des­se mo­men­to, va­lo­ri­zar es­sa con­quis­ta e, aci­ma de tu­do, ze­lar por es­se bem ines­ti­má­vel, que é a De­mo­cra­cia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.