Per­gun­tas sem res­pos­tas

Correio da Bahia - - Esporte -

A cu­ri­o­si­da­de é um subs­tan­ti­vo pre­sen­te no cer­ne de qual­quer jor­na­lis­ta que se pre­ze. A in­qui­e­tu­de de bus­car res­pos­tas pa­ra ques­tões in­tri­gan­tes é po­ten­ci­a­li­za­da quan­do se tra­ba­lha com fu­te­bol, um es­por­te re­ple­to de mis­té­ri­os em seus bas­ti­do­res e com per­so­na­gens que bei­ram às cri­a­ções do ci­ne­as­ta Al­fred Hit­ch­cock, o ‘Mes­tre do Sus­pen­se’. Um uni­ver­so que ins­pi­ra di­ver­sos de­te­ti­ves, pro­duz réus, mo­ci­nhos, ban­di­dos, he­róis e vi­lões, e que, na úl­ti­ma se­ma­na, dei­xou mui­tas per­gun­tas sem res­pos­tas, pa­ra o bel pra­zer de quem bus­ca ra­zões no mun­do da bo­la.

O ra­di­a­lis­ta Antô­nio Til­le­mont, can­di­da­to à pre­si­dên­cia do Bahia nas elei­ções de 2014, afir­mou em en­tre­vis­ta re­cen­te que des­con­fia do re­sul­ta­do da vo­ta­ção que ele­geu Mar­ce­lo Sant’Ana, dei­xan­do no ar uma pos­si­bi­li­da­de de frau­de no plei­to, ape­sar de de­cla­rar que é “um achis­mo”. Eu par­ti­cu­lar­men­te não acre­di­to que te­nha ha­vi­do adul­te­ra­ção dos vo­tos, e tam­pou­co acho que o atu­al pre­si­den­te do Bahia te­nha que es­cla­re­cer os ques­ti­o­na­men­tos de Til­le­mont, que dis­se ter vis­to, uma ho­ra an­tes do en­cer­ra­men­to da elei­ção na Are­na Fon­te No­va, su­pos­tos mi­cro-ôni­bus lo­ta­dos de pes­so­as pa­ra vo­tar, mo­di­fi­can­do, de acor­do com o ra­di­a­lis­ta, o re­sul­ta­do fi­nal, e cau­san­do até a re­vol­ta de Ro­nei Car­va­lho, pre­si­den­te de uma das tor­ci­das or­ga­ni­za­das do clu­be, que es­ta­ria com uma ar­ma na cin­tu­ra. Po­rém, é ca­so de pro­nun­ci­a­men­to dos or­ga­ni­za­do­res da elei­ção, di­re­ta­men­te afe­ta­dos pe­las de­cla­ra­ções. É a de­mo­cra­cia sen­do pos­ta em xe­que.

O que Mar­ce­lo Sant’Ana po­de res­pon­der com au­to­ri­da­de são as de­cla­ra­ções de Thi­a­go Ri­bei­ro. En­tre­vis­ta­do pe­lo COR­REIO, o ata­can­te dis­se que não re­ce­be os di­rei­tos de ima­gem des­de que foi afas­ta­do pe­la di­re­to­ria, em ju­lho. Acre­di­to até que Thi­a­go não faz mui­ta fal­ta ao elen­co atu­al, vis­to que não cor­res­pon­deu den­tro de cam­po e, até de ma­nei­ra ir­res­pon­sá­vel, es­con­deu um pro­ble­ma sé­rio de de­pres­são, do­en­ça de­li­ca­da e que pre­ci­sa de acom­pa­nha­men­to mé­di­co, com­pro­me­ten­do seu ren­di­men­to nos gra­ma­dos. Po­rém, não pe­diu pa­ra ser con­tra­ta­do. Ca­so es­te­ja com a ra­zão, me­re­ce, co­mo to­dos os ou­tros jo­ga­do­res, re­ce­ber seu sa­lá­rio co­mo pre­vis­to em con­tra­to. Não con­diz com os con­cei­tos ide­o­ló­gi­cos de Sant’Ana um tra­ta­men­to di­fe­ren­te com um jo­ga­dor que é de sua in­tei­ra res­pon­sa­bi­li­da­de.

E a es­tra­nha pos­sí­vel en­tra­da do Ce­a­rá na Co­pa do Nor­des­te? Na úl­ti­ma se­ma­na, a Li­ga do Nor­des­te re­ce­beu três re­nún­ci­as e uma acei­ta­ção por es­cri­to. Uni­cli­nic, vi­ce-cam­peão ce­a­ren­se, abriu mão da va­ga no Nor­des­tão e le­vou con­si­go o Gu­a­rany de So­bral, quar­to co­lo­ca­do. O Gu­a­ra­ni de Ju­a­zei­ro do Nor­te, ter­cei­ro no es­ta­du­al, após tam­bém de­sis­tir da dis­pu­ta, vol­tou atrás e bus­ca par­ti­ci­pa­ção. A va­ga po­de “cair no co­lo” do Vovô, que aguar­da de­ci­são. O in­te­res­san­te é per­ce­ber que o Uni­cli­nic de­sis­tiu por não ter di­nhei­ro, mas quer a co­ta de R$ 600 mil que te­ria di­rei­to se par­ti­ci­pas­se do tor­neio. Se­rá que o pro­ble­ma é re­al­men­te es­se? O Ce­a­rá, que ame­a­ça até fa­zer par­te da Pri­mei­ra Li­ga, não en­con­trou ne­nhu­ma ob­je­ção da Li­ga do Nor­des­te, da CBF, da Fe­de­ra­ção Ce­a­ren­se, dos clu­bes...

Sei que as res­pos­tas po­dem tar­dar a apa­re­cer. Al­gu­mas po­dem não con­ven­cer ou até não exis­tir. Mui­tos ques­ti­o­na­men­tos po­de­rão ser ta­xa­dos, até com ra­zão, co­mo ab­sur­dos. Po­rém, o que não se apa­ga é a cha­ma de con­ti­nu­ar con­tes­tan­do o que o fu­te­bol não dei­xa tão cla­ro. A trans­pa­rên­cia no es­por­te ain­da es­tá lon­ge de ser al­can­ça­da, o que dei­xa seu uni­ver­so ain­da mais in­tri­gan­te. Po­de­ria ser uma obra de Hit­ch­cock, mas não pas­sa de um mun­do com sua re­a­li­da­de ma­cu­la­da por de­cla­ra­ções e ati­tu­des pou­co con­vin­cen­tes.

O que não se apa­ga é a cha­ma de con­ti­nu­ar con­tes­tan­do o que o fu­te­bol não dei­xa tão cla­ro. A trans­pa­rên­cia no es­por­te

ain­da es­tá lon­ge de ser al­can­ça­da, o que dei­xa seu uni­ver­so ain­da mais

in­tri­gan­te

el­ton.ser­ra@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.