Abo­no dos ser­vi­do­res de Sal­va­dor es­tá ga­ran­ti­do des­de ja­nei­ro

Correio da Bahia - - Mais - *NO­ME FICTÍCIO

a Se­faz, a fo­lha do 13º sa­lá­rio dos 256 mil ser­vi­do­res é de cer­ca de R$ 1,43 bi­lhão. Apro­xi­ma­da­men­te 50% do va­lor é pa­go de for­ma di­luí­da, ao lon­go do ano, já que os ser­vi­do­res po­dem es­co­lher re­ce­ber a pri­mei­ra par­ce­la no mês de ani­ver­sá­rio ou du­ran­te as fé­ri­as.

Po­rém, pa­ra ga­ran­tir com to­tal cer­te­za que o pa­ga­men­to no pra­zo se­rá hon­ra­do, o Es­ta­do ain­da de­pen­de de ne­go­ci­a­ção com o go­ver­no fe­de­ral. “Di­an­te da si­tu­a­ção crí­ti­ca das fi­nan­ças es­ta­du­ais, a so­lu­ção pa­ra es­te im­pas­se quan­to à com­pen­sa­ção das per­das se­rá im­por­tan­te pa­ra as­se­gu­rar em de­fi­ni­ti­vo o pa­ga­men­to do 13º, que pe­lo con­trá­rio de­pen­de­rá ex­clu­si­va­men­te dos es­for­ços do Es­ta­do”, res­sal­tou. A Bahia, co­mo os de­mais es­ta­dos do Nor­te e Nor­des­te, vêm aler­tan­do pa­ra as di­fi­cul­da­des cres­cen­tes que de­cor­rem so­bre­tu­do das per­das subs­tan­ti­vas com as trans­fe­rên­ci­as da União e co­bra com­pen­sa­ções do go­ver­no fe­de­ral.

A Se­faz in­for­mou, ain­da, que a Bahia já dei­xou de re­ce­ber R$ 500 mi­lhões en­tre ja­nei­ro e agos­to, re­fe­ren­tes ao re­pas­se do Fun­do de Par­ti­ci­pa­ção dos Es­ta­dos (FPE), que te­ve uma que­da no­mi­nal de 0,7% em re­la­ção ao mes­mo pe­río­do de 2015, além de uma que­da re­al, des­con­ta­da a in­fla­ção, de 10%.

PRE­O­CU­PA­ÇÃO

Es­sa in­de­fi­ni­ção é vis­ta com pre­o­cu­pa­ção pe­los re­pre­sen­tan­tes dos ser­vi­do­res. O pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção dos Fun­ci­o­ná­ri­os Pú­bli­cos do Es­ta­do (Af­peb), Ar­man­do Oli­vei­ra, lem­bra que a ca­te­go­ria es­tá com sa­lá­ri­os con­ge­la­dos des­de o iní­cio do ano. “Na ver­da­de, o go­ver­no não es­tá pa­gan­do o que de­ve aos ser­vi­do­res. É pre­o­cu­pan­te a si­tu­a­ção. So­mos tra­ba­lha­do­res, pre­ci­sa­mos de com­pro­mis­so e os ser­vi­do­res não cau­sa­ram a cri­se", afir­mou. Jus­ta­men­te por is­so, a ca­te­go­ria de­ve fa­zer uma as­sem­bleia com en­ti­da­des de to­das as áre­as, no pró­xi­mo dia 19, pa­ra dis­cu­tir co­mo se­rão os pró­xi­mos pas­sos. Di­fe­ren­te da si­tu­a­ção que ocor­re no go­ver­no es­ta­du­al e em mui­tas pre­fei­tu­ras do in­te­ri­or, os ser­vi­do­res de Sal­va­dor não cor­rem ris­co de ter o 13º par­ce­la­do ou pa­go em atra­so. Na úl­ti­ma se­gun­da-fei­ra (3/10), o pre­fei­to ACM Neto afir­mou, em co­le­ti­va, que o re­cur­so es­tá as­se­gu­ra­do des­de o iní­cio do ano. “Já no dia 02 de ja­nei­ro, a gen­te faz uma pre­vi­são de qual a des­pe­sa to­tal com pes­so­al e re­ser­va es­se re­cur­so. Não exis­te hi­pó­te­se de par­ce­la­men­to em Sal­va­dor”, dis­se.

O pre­fei­to re­for­çou, ain­da, que o mon­tan­te é guar­da­do ao lon­go de to­do o ano e nin­guém "me­xe" nes­se re­cur­so. “O va­lor es­tá as­se­gu­ra­do e nin­guém me­xe ne­le. Nem o pre­fei­to, nem o se­cre­tá­rio da Fa­zen­da”, en­fa­ti­zou Neto.

No ca­so do mu­ni­cí­pio, a pri­mei­ra par­ce­la é qui­ta­da da mes­ma for­ma co­mo no go­ver­no es­ta­du­al – no mês de ani­ver­sá­rio do fun­ci­o­ná­rio. A se­gun­da par­ce­la de­ve­rá ser pa­ga até o fim do pra­zo le­gal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.