Ba­den e Mar­cel Powell ata­dos pe­lo vi­o­lão

Correio da Bahia - - Vida - Aqui­les do MPB4

Ao pri­mei­ro de­di­lha­do, um ar­re­pio. Co­me­ça Só Ba­den (Fi­na

Flor), ál­bum do vi­o­lo­nis­ta Mar­cel Powell.

Fi­lho de Ba­den, Mar­cel en­con­trou no vi­o­lão o seu por­to se­gu­ro – ins­tru­men­to que a ele se en­tre­ga de cor­po e al­ma. Vi­o­lão que nos per­mi­te su­por ser co­mo um es­pe­lho a re­fle­tir a ima­gem de seu pai no ato su­bli­me de to­car. Ofí­cio que Mar­cel apren­deu com Ba­den, quan­do sa­cou que só atra­vés das cor­das de um vi­o­lão po­de­ria ter o pai ao seu la­do pa­ra sem­pre.

Embalada em no­tas gra­ves, ar­re­ba­ta­das de um vi­o­lão que já se pre­a­nun­ci­a­va não ser ain­da de Mar­cel, mas sim de Ba­den, vem a in­tro­du­ção de Ven­to Va­dio (Ba­den Powell), mú­si­ca que abre o CD. Ou­ve-se um cres­cen­do vir­tu­o­so que con­fir­ma: quem abre o dis­co de Mar­cel é Ba­den. Gra­ças ao re­fle­xo no ima­gi­ná­rio es­pe­lho/vi­o­lão de Mar­cel, ima­gi­na-se uma gi­gan­tes­ca ima­gem do pai com o fi­lho. Ins­pi­ra­do nes­sa pre­su­mí­vel ima­gem, re­fle­ti­da em seu vi­o­lão/es­pe­lho, Mar­cel to­ca à vi­da e a vi­da.

A se­guir, ele so­la Sam­ba em Pre­lú­dio (Ba­den e Vinícius de Mo­ra­es). Sua in­ter­pre­ta­ção tem a sin­ge­le­za es­tam­pa­da na lim­pe­za das no­tas e nas nu­an­ces que re­cria. Com ar­den­te pro­fu­são de acor­des, ar­ma­dos em blo­cos com va­ri­a­ções rít­mi­cas, adi­an­tan­do o tem­po pa­ra re­to­má-lo mais à fren­te. Ca­da in­tro­du­ção é co­mo uma com­po­si­ção à par­te. A mú­si­ca de Ba­den por Mar­cel soa co­mo se fos­sem du­as den­tro de uma só. As­sim é em Sam­ba Tris­te (Ba­den e Billy Blan­co). Após um iní­cio ful­gu­ran­te, uma on­da de im­pro­vi­sos mos­tram não só vir­tu­o­sis­mo co­mo tam­bém um gran­de en­ten­di­men­to harmô­ni­co: seus so­los

Po­de­mos afir­mar que o vi­o­lão

de Mar­cel mos­tra o fi­lho à ima­gem e se­me­lhan­ça do pai? Ape­sar de pa­re­cer as­sim ser, as­sim não é. Mar­cel é des­se­me­lhan­te de Ba­den. Mar­cel to­ca di­fe­ren­te de co­mo to­ca­va seu pai quan­do jo­vem.

têm sus­tan­ça; seus de­dos, asas.

“Só Por Amor (Ba­den e Vinícius) tem par­ti­ci­pa­ção es­pe­ci­al de Gil­son Pe­ranz­zet­ta. A in­tro­du­ção, de tão be­la, é de fa­zer sor­rir. Lo­go o sam­ba ga­nha tons ain­da mais lí­ri­cos. Os du­os e os unís­so­nos se mul­ti­pli­cam, fa­zen­do au­men­tar o sor­ri­so no ros­to. Em Can­to de Os­sa­nha (Ba­den e Vinícius), o gui­tar­ris­ta Vic­tor Bli­gli­o­ne di­vi­de o som com Mar­cel. Nou­tra in­tro­du­ção apai­xo­na­da, a so­no­ri­da­de dos ins­tru­men­tos se faz pu­ra e be­la. Jun­tos, bri­lham.

En­tão, po­de­mos afir­mar que o vi­o­lão de Mar­cel mos­tra o fi­lho à ima­gem e se­me­lhan­ça do pai? Ape­sar de pa­re­cer as­sim ser, as­sim não é. Mar­cel é des­se­me­lhan­te de Ba­den Powell. O que po­de pa­re­cer uma con­tra­di­ção dei­xa de sê-lo ao per­ce­ber­mos o quan­to Mar­cel to­ca di­fe­ren­te de co­mo to­ca­va seu pai quan­do jo­vem.

Sua per­so­na­li­da­de co­mo ins­tru­men­tis­ta faz de­le um mú­si­co em bus­ca do vi­o­lão do pai, cer­to; mas pa­ra ne­le se ins­pi­rar, pa­ra a ele acres­cen­tar sua al­ma, sua téc­ni­ca, tam­bém es­ta di­fe­ren­te da que nos mos­tra­va Ba­den Powell – e nun­ca pa­ra imi­tá-lo.

Tão pa­re­ci­dos; tão des­se­me­lhan­tes. Mar­cel her­dou do pai, is­so sim, a al­ma de vi­o­lo­nis­ta, a gar­ra co­mo vai às no­tas, im­preg­nan­do-as de vi­ri­li­da­de e be­le­za.

As­sim se­gue ele, sen­do ca­da vez mais ple­na­men­te re­co­nhe­ci­do co­mo al­go além de um vi­o­lo­nis­ta que to­ca co­mo o pai to­ca­va. Pa­ra tan­to, ini­be “pa­re­cên­ci­as” e sol­ta ain­da mais a ori­gi­na­li­da­de de seu vi­o­lão, co­mo bem re­fle­te Só Ba­den.

aqui­lesmpb4@gmail.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.