Ci­da­dãos do fu­tu­ro

Correio da Bahia - - Front Page - MARIA LANDEIRO COM CO­LA­BO­RA­ÇÃO DE JOR­DAN DAFNÉ, DA 11ª TUR­MA DO COR­REIO DE FU­TU­RO

Do­min­go no par­que é mui­ta brin­ca­dei­ra, ri­sa­da e tra­ves­su­ras. A di­ver­são, no en­tan­to, ter­mi­nou com su­jei­ra. No úl­ti­mo do­min­go, uma pro­gra­ma­ção co­me­mo­ra­ti­va do Dia das Cri­an­ças le­vou cer­ca de 100 mil pes­so­as ao Par­que da Ci­da­de, no bair­ro do Itai­ga­ra. No fim, o que so­brou fo­ram 2 to­ne­la­das de li­xo, se­gun­do a Em­pre­sa de Lim­pe­za Ur­ba­na de Sal­va­dor (Lim­purb). Na ma­nhã de on­tem, mais de

400 sa­cos de 100 li­tros de li­xo fo­ram re­ti­ra­dos do lo­cal.

Rei­nau­gu­ra­do há qua­tro me­ses, o Par­que da Ci­da­de vem so­man­do al­tos nú­me­ros de su­jei­ra. De acor­do com a Lim­purb, de se­gun­da a sex­ta, são co­le­ta­dos di­a­ri­a­men­te en­tre 500 kg e uma to­ne­la­da de li­xo. Nos sá­ba­dos, o nú­me­ro au­men­ta pa­ra 1,5 to­ne­la­da, e aos do­min­gos po­de che­gar en­tre 2 a 3 to­ne­la­das, a de­pen­der da pro­gra­ma­ção.

O es­pa­ço ain­da con­ta com 60 pa­pe­lei­ras, dez con­têi­ne­res de 240 li­tros ca­da e três cai­xas de 1,2 m³ ca­da. Mes­mo não fal­tan­do lu­gar pa­ra co­lo­car o li­xo, 90% são des­car­ta­dos no chão e ape­nas 10% nos equi­pa­men­tos. A Lim­purb aler­ta que a re­a­li­za­ção de pi­que­ni­ques e chur­ras­cos tem con­tri­buí­do de for­ma sig­ni­fi­ca­ti­va pa­ra a su­jei­ra.

Pa­ra mui­tos, no en­tan­to, o pro­ble­ma es­tá na edu­ca­ção, que tem que co­me­çar des­de ce­do. “Meu fi­lho quando ter­mi­na de co­mer al­go sem­pre per­gun­ta ‘mãe, cadê o li­xo?’ Se ver al­gum ou­tro pa­pel pe­lo caminho, ele pe­ga e jo­ga na li­xei­ra tam­bém”, con­ta Sandra Se­ri­o­ni, 42 anos, mãe de So­fia, 5, e Ch­ris­ti­an, 3. “Já mo­rei na Ale­ma­nha e sin­to a di­fe­ren­ça. Lá era tu­do lim­pi­nho e aqui há uma pos­tu­ra de po­luir lu­ga­res pú­bli­cos”.

Pa­ra a do­na de ca­sa Mi­che­le Bri­to, 21, a res­pon­sa­bi­li­da­de de edu­car am­bi­en­tal­men­te é dos pais. “Com cri­an­ça a gen­te pre­ci­sa fa­lar, por­que elas não en­ten­dem, não pos­su­em es­sa no­ção. En­si­nar on­de jo­ga o li­xo é res­pon­sa­bi­li­da­de do adul­to”, afir­mou a mãe de Mi­guel, de ape­nas 2 anos.

Di­re­to­ra do en­si­no fun­da­men­tal do Co­lé­gio Mi­ró, da re­de pri­va­da, Can­di­da Muz­zio diz que a dis­cus­são vai além do que ape­nas en­si­nar a jo­gar o li­xo na li­xei­ra. “Tem a ver com res­pei­to ao ou­tro, ao es­pa­ço pú­bli­co, com­pre­en­são dos pro­ces­sos de re­ci­cla­gem e de­com­po­si­ção”, afir­mou ela.

A co­or­de­na­do­ra de edu­ca­ção am­bi­en­tal da Re­vi­ta, Mar­ga­reth Fal­cão, aler­ta que o tra­ba­lho de edu­ca­ção tem que ser con­tí­nuo. “Não adi­an­ta ir uma vez. Te­mos que es­tar lá to­do dia lem­bran­do as pes­so­as do des­car­te cor­re­to”. Pa­ra Mar­ga­reth, a fal­ta de en­ten­di­men­to do es­pa­ço pú­bli­co aju­da. “Mas tem mu­da­do, as pes­so­as es­tão aos pou­cos ou­vin­do so­bre o des­car­te cor­re­to”.

Ho­mens da

Lim­purb tra­ba­lham du­ro pa­ra dei­xar par­que

lim­po

De­pois de um do­min­go de li­xo, cri­an­ça­da en­con­tra o par­que lim­pi­nho. Pais pre­ci­sam aju­dar na edu­ca­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.