Pro­pos­ta é a prin­ci­pal me­di­da fis­cal do go­ver­no

Correio da Bahia - - Mais -

A Pro­pos­ta de Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal 241, co­nhe­ci­da co­mo PEC do Te­to, é a prin­ci­pal pro­pos­ta de ajus­te fis­cal do go­ver­no Te­mer. Ela es­ta­be­le­ce um li­mi­te de gas­tos pa­ra o Po­der Pú­bli­co. Sai­ba mais so­bre a pro­pos­ta e os prin­ci­pais ar­gu­men­tos pró e con­tra a me­di­da. O mi­nis­tro da Fa­zen­da, Hen­ri­que Mei­rel­les, afir­mou on­tem que se a Pro­pos­ta de Emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC) que fi­xa um te­to pa­ra o au­men­to do gas­to pú­bli­co não for apro­va­da, o go­ver­no te­rá que ava­li­ar ou­tras pos­si­bi­li­da­des pa­ra ajus­tar as con­tas fis­cais, que se­ri­am mais “sé­ri­as e pi­o­res” pa­ra o país.

“Se não apro­var o te­to, te­rão que ser con­tem­pla­das ou­tras pos­si­bi­li­da­des, to­das mui­to mais sé­ri­as e mui­to pi­o­res pa­ra o país que o te­to. O te­to é uma boa so­lu­ção pa­ra o país nes­te mo­men­to, é ex­ce­len­te so­lu­ção”, dis­se Mei­rel­les a jor­na­lis­tas após par­ti­ci­par de reu­nião com in­ves­ti­do­res em No­va York (EUA), on­de tem com­pro­mis­sos ofi­ci­ais até ama­nhã.

O mi­nis­tro dis­se es­tar oti­mis­ta com a pos­si­bi­li­da­de de apro­va­ção da PEC pe­lo Con­gres­so - a me­di­da, pa­ra ser im­ple­men­ta­da, pre­ci­sa ser apro­va­da em dois tur­nos na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos e mais dois tur­nos no Se­na­do. “Nós tra­ba­lha­mos com a hi­pó­te­se da apro­va­ção da PEC. Não pre­ten­de­mos fi­car dis­cu­tin­do ce­ná­ri­os ne­ga­ti­vos. Acre­di­to que vai ser (apro­va­da), exis­te um ní­vel de cons­ci­ên­cia mui­to gran­de no Con­gres­so Na­ci­o­nal e a res­pos­ta da po­pu­la­ção tem si­do po­si­ti­va”, dis­se.

Na en­tre­vis­ta, Mei­rel­les vol­tou a res­sal­tar que o go­ver­no não pla­ne­ja au­men­to de im­pos­tos nes­te mo­men­to. O or­ça­men­to pa­ra 2017, dis­se ele, não con­tem­pla al­ta de tri­bu­tos. No en­tan­to, o mi­nis­tro res­sal­tou que a pos­si­bi­li­da­de de am­pli­ar a car­ga tri­bu­tá­ria po­de vol­tar a ser ava­li­a­da, de­pen­den­do da si­tu­a­ção do or­ça­men­to. “Não há na­da ide­o­lo­gi­ca­men­te con­tra o au­men­to de im­pos­tos caso se­ja ne­ces­sá­rio”, afir­mou. O mi­nis­tro des­ta­cou que a de­ter­mi­na­ção do go­ver­no é ter or­ça­men­to e fi­nan­ças pú­bli­cas equi­li­bra­dos.

“No mo­men­to em que não hou­ver es­sa ne­ces­si­da­de não se­rá fei­ta (a al­ta de tri­bu­tos), por­que a car­ga no Brasil já é mui­to ele­va­da, tal­vez a mai­or en­tre os ní­veis de ren­da”.

Mei­rel­les ad­mi­tiu que, com o te­to de gas­tos pú­bli­cos em vi­gor, há a pos­si­bi­li­da­de de o sa­lá­rio mí­ni­mo não ter au­men­to re­al caso o go­ver­no es­tou­re o or­ça­men­to - o que afe­ta­ria a vi­da de 48 mi­lhões de pes­so­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.