De que nos va­le­ria ser ape­nas fe­liz no amor?

Correio da Bahia - - Vida - Ha­ga­me­non Bri­to

To­do amor en­ga­na. En­ga­na até quando diz a ver­da­de, por­que a diz pa­ra que o aman­te não acre­di­te ne­le. Os aman­tes men­tem, mas tam­bém men­tem a si mes­mos - pre­ten­dem con­fun­dir e se con­fun­dem. A ver­da­de, no amor, não se uti­li­za de­les pa­ra apa­re­cer, usa an­tes ou­tras vi­as, acre­di­to.

Ca­mi­nhos mais su­tis, in­di­re­tos e alhei­os que as su­as sin­ce­ri­da­des, pois não. Tal­vez, o amor nas­ça ape­nas pa­ra en­ga­nar. O se­xo, sem dú­vi­da, é na­tu­ral, evi­den­te, sem re­ser­vas - ele não sa­be men­tir. E as mu­lhe­res e os ho­mens que, por di­nhei­ro ou por in­te­res­se, si­mu­lam or­gas­mos? Ou se­ja, tu­do en­ga­na? Sim, tal­vez tu­do sem­pre en­ga­ne, Se­nhor.

ha­ga­me­non.bri­to@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.