Ro­dri­go Maia de­sis­te de mu­dar re­gras da re­pa­tri­a­ção de re­cur­sos

Correio da Bahia - - Brasil -

C­MA­RA O pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), de­sis­tiu on­tem de vo­tar o pro­je­to que al­te­ra­va as re­gras pa­ra a re­a­tri­a­ção de re­cur­sos man­ti­dos ir­re­gu­lar­men­te (sem in­for­ma­ção à Re­cei­ta Fe­de­ral) por bra­si­lei­ros no ex­te­ri­or. Maia res­sal­tou que não irá vol­tar a pau­tar o tex­to e que as re­gras em vi­gor não se­rão al­te­ra­das. Com is­so, o pra­zo pa­ra os con­tri­buin­tes bra­si­lei­ros re­gu­la­ri­za­rem a si­tu­a­ção de bens e ati­vos que es­tão fo­ra do país se en­cer­ra no pra­zo ini­ci­al­men­te pre­vis­to ori­gi­nal­men­te: 31 de ou­tu­bro. “Ten­tei cons­truir um tex­to, es­tá mui­to bem cons­truí­do, ga­ran­te ba­se le­gal, ga­ran­tia ar­re­ca­da­ção três ve­zes mai­or, aten­de­ria acor­do com Pla­nal­to, go­ver­na­do­res e pre­fei­tos, que ga­nha­ri­am mais de R$ 10 bi­lhões”, ex­pli­cou Maia. “O acor­do não se re­fle­tiu no Ple­ná­rio. Não ha­via mais quó­rum pa­ra vo­ta­ção no­mi­nal. Se não há quó­rum nem bom sen­so da­que­les que têm in­te­res­se, que são to­dos, en­tão é me­lhor dei­xar o as­sun­to pa­ra ou­tro mo­men­to”, com­ple­men­tou. Ain­da se­gun­do o pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, “não hou­ve uma or­ga­ni­za­ção da po­si­ção dos go­ver­na­do­res com a ban­ca­da. Acon­te­ce. Não es­ta­mos que­ren­do cul­par so­men­te o PT. Na se­ma­na pas­sa­da, foi a ba­se ali­a­da. Não hou­ve, por boa par­te do Par­la­men­to, o en­ten­di­men­to da re­le­vân­cia des­sa ma­té­ria”, afir­mou. Pa­ra Maia, não há mais tem­po há­bil pa­ra vo­tar a pro­pos­ta: “In­fe­liz­men­te, com o pra­zo de 31 de ou­tu­bro, não ha­ve­rá mais ne­nhu­ma con­di­ção, do meu pon­to de vis­ta, pa­ra que se pos­sa vo­tar es­sa ma­té­ria, a me­nos que se con­si­ga con­vo­car a Câ­ma­ra pa­ra es­ta quin­ta-fei­ra (13), o que eu não acho viá­vel. In­fe­liz­men­te, o Brasil vai per­der de R$ 60 a R$ 70 bi­lhões de ar­re­ca­da­ção. Os go­ver­na­do­res e pre­fei­tos vão dei­xar de re­ce­ber de R$ 12 bi­lhões a R$ 15 bi­lhões”, ava­li­ou Maia. Pe­la Lei 13.254, os ati­vos no ex­te­ri­or são re­gu­la­ri­za­dos após o pa­ga­men­to de Im­pos­to de Ren­da de 15% so­bre o sal­do, além de mul­ta de igual per­cen­tu­al. Com is­so, o cus­to no­mi­nal pa­ra a re­gu­la­ri­za­ção cor­res­pon­de a 30% do mon­tan­te man­ti­do de for­ma ir­re­gu­lar no ex­te­ri­or. O lí­der do PT na Câ­ma­ra, Afon­so Flo­ren­ce (BA), ten­tou ti­rar do par­ti­do a res­pon­sa­bi­li­da­de pe­la fal­ta de acor­do. “Se o go­ver­no quer ban­car, ele as­su­ma. E a ban­ca­da (go­ver­nis­ta) vem e vo­ta, e não exi­gir que o PT ve­nha pa­ra dar quó­rum”, de­cla­rou. Flo­ren­ce dis­se que o PT não acei­tou “o ina­cei­tá­vel”, e que o go­ver­no qu­e­ria que o par­ti­do apoi­as­se um pro­je­to de in­te­res­se do Pla­nal­to. O pe­tis­ta ale­gou que a pro­pos­ta anis­ti­a­va cri­mes e em tro­ca ofe­re­cia in­cer­te­za de dis­tri­bui­ção de re­cur­sos pa­ra os es­ta­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.