Vi­va a sua cri­an­ça in­te­ri­or

Correio da Bahia - - Front Page -

Como já di­zia Jung, em to­do adul­to es­prei­ta uma cri­an­ça. Pa­ra o es­tu­di­o­so que fun­dou a Psi­co­lo­gia Ana­lí­ti­ca, sem­pre exis­ti­rá den­tro de nós uma cri­an­ça que re­quer aten­ção e educação con­tí­nua. Es­sa é a par­te do in­di­ví­duo que o es­ti­mu­la a que­rer de­sen­vol­ver-se e tor­nar-se com­ple­to.

No de­cor­rer da vi­da de­sen­vol­ve­mos um sis­te­ma de pro­te­ção, co­lo­can­do más­ca­ras e cou­ra­ças pa­ra vi­ver nos mol­des e re­gras da so­ci­e­da­de. As­sim, a nos­sa cri­an­ça in­te­ri­or o as­pec­to da nos­sa per­so­na­li­da­de que man­tém as ca­rac­te­rís­ti­cas de ale­gria, cri­a­ti­vi­da­de, en­tu­si­as­mo, en­can­ta­men­to fren­te à vi­da, aber­tu­ra e con­fi­an­ça - vai sen­do dei­xa­da em se­gun­do pla­no, es­con­di­da e len­ta­men­te es­que­ci­da.

Des­de cri­an­ça so­mos con­di­ci­o­na­dos a nos con­cen­trar na­qui­lo que não vai bem, no que não so­mos bons, que não con­se­gui­mos e não de­ve­mos fa­zer e so­mos con­du­zi­dos a di­re­ci­o­nar as ener­gi­as e a aten­ção pa­ra a re­so­lu­ção de pro­ble­mas. Des­se mo­do, aca­ba­mos dei­xan­do de la­do as po­ten­ci­a­li­da­des, os ta­len­tos, a co­ra­gem de ex­pe­ri­men­tar, a es­pon­ta­nei­da­de, a ini­ci­a­ti­va, e os as­pec­tos po­si­ti­vos pes­so­ais e da vi­da em ge­ral.

Por is­so, é im­por­tan­te cui­dar des­sa nos­sa cri­an­ça, pois, con­se­quen­te­men­te, es­ta­re­mos cui­dan­do da nos­sa pai­xão, ener­gia e von­ta­de de ex­pan­dir nos­sos po­ten­ci­ais. A me­lhor so­lu­ção pa­ra re­cons­ti­tuir es­se es­ta­do in­te­ri­or é pra­ti­car sim­ples atos que ge­rem mo­men­tos de pra­zer e par­ti­ci­par de atividades lú­di­cas que ati­vem nos­so as­pec­to cri­a­ti­vo e au­tên­ti­co.

A cri­an­ça es­con­di­da den­tro de nós é, na sua for­ma mais na­tu­ral, a for­ça mo­to­ra que faz gi­rar o uni­ver­so pes­so­al. É a for­ça que dá ao ser hu­ma­no a con­fi­an­ça na vi­da. En­tão, pa­ra res­ga­tar es­sa sen­sa­ção po­de­mos: não dei­xar de per­ce­ber os pe­que­nos mi­la­gres que pos­si­bi­li­tam o nas­cer de ca­da dia. Co­me­mo­rar os sim­ples atos da vi­da e va­lo­ri­zar a sim­pli­ci­da­de e as mí­ni­mas coi­sas que ge­ram mo­men­tos de pra­zer.

Se­ja vo­cê mes­mo: não pre­ci­sa ser igual aos ou­tros pa­ra ser re­al­men­te fe­liz e sa­tis­fei­to. Pre­ci­sa­mos ir ao en­con­tro de nós mes­mos, da nos­sa ori­gi­na­li­da­de, au­ten­ti­ci­da­de, cri­a­ti­vi­da­de, be­le­za e for­ça.

Cui­de de vo­cê e res­pei­te su­as ne­ces­si­da­des: cul­ti­ve os seus so­nhos e os re­la­ci­o­na­men­tos in­ter­pes­so­ais ver­da­dei­ros e pro­fun­dos pa­ra amar e ser ama­do.

Apro­vei­te o mo­men­to pre­sen­te sem es­tar sem­pre pre­o­cu­pa­do com o fu­tu­ro ou pre­so no pas­sa­do.

Ser na­tu­ral como uma cri­an­ça sig­ni­fi­ca ser es­pon­tâ­neo, es­tar aber­to a ex­pe­ri­men­tar a vi­da sem pre­jul­ga­men­tos, sem fil­tros li­mi­tan­tes, sem cren­ças ob­so­le­tas e me­do do que as pes­so­as pos­sam pen­sar de nós. A cri­an­ça in­te­ri­or exis­tiu an­tes de nos tor­nar­mos adul­tos e ain­da exis­te! Se a dei­xar­mos mor­rer, per­de­re­mos a ri­que­za, a for­ça, o en­tu­si­as­mo e a ca­pa­ci­da­de de trans­for­mar os obs­tá­cu­los em opor­tu­ni­da­des.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.