Co­mér­cio e em­pre­go

Correio da Bahia - - Brasil -

O co­mér­cio mun­di­al po­de ser o res­pon­sá­vel por 20% dos em­pre­gos per­di­dos, mas os ou­tros 80% es­tão sen­do eli­mi­na­dos pe­la tec­no­lo­gia e ino­va­ção. O que se­rá dos 3,5 mi­lhões de mo­to­ris­tas de ca­mi­nhão nos Es­ta­dos Uni­dos quan­do che­gar a tec­no­lo­gia dos car­ros au­to­di­ri­gí­veis? O di­re­tor-ge­ral da OMC, Ro­ber­to Aze­vê­do, acha que é pre­ci­so en­ten­der a na­tu­re­za das mu­dan­ças, em vez de cul­par o co­mér­cio. Aze­vê­do acaba de fa­zer uma ofen­si­va em Washing­ton em de­fe­sa da te­se de que ten­tar con­ter o co­mér­cio internacional po­de tra­zer resultados pi­o­res, que vão atin­gir prin­ci­pal­men­te os mais po­bres. Ele fa­lou no pres­ti­gi­o­so Na­ti­o­nal Press Club, na sexta-feira, e es­te­ve jun­to do pre­si­den­te do Ban­co Mun­di­al e da di­re­to­ra-ge­ren­te do FMI, no es­for­ço de res­pon­der à on­da de ata­ques ao co­mér­cio.

Nin­guém diz qual é o cen­tro das pre­o­cu­pa­ções que os le­va a fa­zer es­sa de­fe­sa do li­vre co­mér­cio, mas to­dos sa­bem que é o dis­cur­so rai­vo­so do can­di­da­to a pre­si­den­te dos EUA Do­nald Trump. Ele tem cul­pa­do o co­mér­cio, mais es­pe­ci­fi­ca­men­te a Chi­na, pe­la per­da de em­pre­gos no mer­ca­do ame­ri­ca­no. Não é o úni­co. A pró­pria Hil­lary Clin­ton tem re­cu­a­do de po­si­ções mais li­be­rais do pas­sa­do, exa­ta­men­te pe­la for­ça do dis­cur­so do seu opo­nen­te, que afir­ma a ca­da en­tre­vis­ta ou de­ba­te que os em­pre­gos es­tão in­do em­bo­ra do país atra­vés do co­mér­cio. E is­so tem eco na opi­nião pú­bli­ca. A pre­o­cu­pa­ção é mai­or por­que o co­mér­cio internacional, pe­la pri­mei­ra vez em 15 anos, es­tá cres­cen­do, es­te ano, me­nos do que a al­ta do PIB mun­di­al. His­to­ri­ca­men­te, sem­pre cres­ceu 1,5 vez o PIB glo­bal e che­gou até a cres­cer o do­bro. Es­te ano o co­mér­cio au­men­ta­rá ape­nas 1,7%, me­nos do que a al­ta do PIB do mundo, que de­ve ser de 3,1%, se­gun­do o FMI.

“Nas eco­no­mi­as de­sen­vol­vi­das, há mui­ta re­tó­ri­ca an­ti­co­mér­cio. Apro­vei­ta­mos que es­tá­va­mos jun­tos em Washing­ton — Ch­ris­ti­ne La­gar­de (do FMI), Jim Kim (do Ban­co Mun­di­al), e eu — pa­ra le­van­tar­mos a voz em de­fe­sa do co­mér­cio, por­que é pre­ci­so dar um pou­co mais de ra­ci­o­na­li­da­de a es­se de­ba­te, do con­trá­rio, va­mos cul­par ape­nas um bo­de ex­pi­a­tó­rio”, dis­se ele.

Aze­vê­do acha que é pre­ci­so mos­trar mais cla­ra­men­te os be­ne­fí­ci­os do co­mér­cio e o ris­co do pro­te­ci­o­nis­mo, que é sem­pre o “re­mé­dio er­ra­do pa­ra a do­en­ça”. A do­en­ça é a des­trui­ção do em­pre­go. O mundo in­tei­ro pas­sa por is­so de for­ma es­tru­tu­ral, o Bra­sil, tam­bém. Mas aqui há um fa­tor con­jun­tu­ral que agra­vou o pro­ble­ma. No país, em um ano e meio o nú­me­ro de de­sem­pre­ga­dos cres­ceu em 5,5 mi­lhões de pes­so­as, atin­gin­do 12 mi­lhões, como con­sequên­cia da re­ces­são que de­sa­bou so­bre a eco­no­mia. Há fa­to­res es­tru­tu­rais que ex­pli­cam a cri­se de em­pre­go no mundo, e o di­re­tor da OMC os re­la­ci­o­na por­que acha que é pre­ci­so en­ten­der me­lhor a na­tu­re­za da no­va re­vo­lu­ção in­dus­tri­al: Exis­tem 3,5 mi­lhões de mo­to­ris­tas de ca­mi­nhão nos Es­ta­dos Uni­dos que mo­vi­men­tam to­da uma re­de de ser­vi­ços, como res­tau­ran­tes e ho­téis. A in­dús­tria já es­tá de­sen­vol­ven­do o car­ro au­to­di­ri­gí­vel. Mui­to em­pre­go se­rá per­di­do nes­sa mu­dan­ça. As va­gas pa­ra mão de obra pou­co qua­li­fi­ca­da es­tão de­sa­pa­re­cen­do no mundo e não ape­nas nos paí­ses de­sen­vol­vi­dos. Nos Es­ta­dos Uni­dos, 50% dos em­pre­gos es­tão ame­a­ça­dos pe­la au­to­ma­ção. E não é ex­clu­si­vi­da­de dos paí­ses ri­cos. Um es­tu­do da OIT mos­tra que no Cam­bo­ja, In­do­né­sia, Vi­et­nã, Fi­li­pi­nas e Tai­lân­dia 56% dos em­pre­gos es­tão ame­a­ça­dos pe­la au­to­ma­ção.

Ele não es­tá di­zen­do com is­so que se de­va lu­tar con­tra a tec­no­lo­gia. Acha que é pre­ci­so aler­tar que a ino­va­ção es­tá mu­dan­do tu­do ra­pi­da­men­te, e o mundo, em vez de se pre­pa­rar pa­ra es­sas ine­vi­tá­veis trans­for­ma­ções no mer­ca­do de tra­ba­lho, quer cul­par o co­mér­cio internacional. Aze­vê­do dis­se na en­tre­vis­ta do Na­ti­o­nal Press Club que o e-com­mer­ce foi de US$ 22 tri­lhões no ano pas­sa­do, e só 50% das pes­so­as no mundo es­tão on­li­ne. O avan­ço da co­ne­xão é ine­vi­tá­vel e de­se­já­vel. O di­re­tor-ge­ral da OMC diz que não há uma so­lu­ção uni­ver­sal, ca­da país te­rá que en­fren­tar a cri­se do em­pre­go com su­as po­lí­ti­cas, mas ci­ta um es­tu­do da UCLA e de Co­lum­bia que diz que fe­char as por­tas ao co­mér­cio ti­ra 28% da ren­da dos mais ri­cos e re­duz em 63% a ca­pa­ci­da­de de com­pra dos mais po­bres. Es­tá na ho­ra de o Bra­sil tam­bém aban­do­nar o mi­to de que o pro­te­ci­o­nis­mo ga­ran­te o em­pre­go e olhar as mu­dan­ças que a tec­no­lo­gia fa­rá no mundo do tra­ba­lho.

mi­ri­am­lei­tao@oglo­bo.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.