Um em ca­da dez pais de­ve men­sa­li­da­de da es­co­la

Correio da Bahia - - Mundo - Ma­ri­a­na Sa­les ma­ri­a­na.sa­les@re­de­bahia.com.br

Quem tem fi­lhos em es­co­las pri­va­das sa­be como es­tá di­fí­cil ar­car com to­dos os cus­tos do pe­río­do le­ti­vo, ten­do, mui­tas ve­zes, que abrir mão de des­pe­sas até pou­co tem­po con­si­de­ra­das como pri­o­ri­da­de. Com a cri­se, po­rém, es­ses cor­tes têm se mos­tra­do in­su­fi­ci­en­tes pa­ra gran­de par­te dos pais. De acor­do com a Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal dos Es­ta­be­le­ci­men­tos de En­si­no (Con­fe­nen), o nú­me­ro de ina­dim­plen­tes com os co­lé­gi­os apre­sen­ta um au­men­to de 80% – pas­sou de 5% em de­zem­bro do ano pas­sa­do pa­ra 9% em se­tem­bro.

E, ape­sar de a ex­pec­ta­ti­va do se­tor pa­ra o fi­nal des­te ano ser de au­men­to na ina­dim­plên­cia – pa­ra 12% – ain­da dá tem­po pa­ra os pais en­di­vi­da­dos ne­go­ci­a­rem pa­ra fi­car em dia com a educação dos fi­lhos (leia mais na pá­gi­na ao la­do).

“Sem dú­vi­das, a ina­dim­plên­cia es­tá cres­cen­do. Is­so acon­te­ce por cau­sa da fal­ta de di­nhei­ro e do au­men­to do ín­di­ce de de­sem­pre­go. As fa­mí­li­as têm uma re­sis­tên­cia pa­ra ti­rar os fi­lhos das es­co­las em que es­tão es­tu­dan­do, mas ao mes­mo tem­po es­tão com ca­da vez me­nos con­di­ções de ar­car com os cus­tos”, afir­ma Ro­ber­to Dor­nas, pre­si­den­te da Con­fe­nen.

Foi exa­ta­men­te por cau­sa de pro­ble­mas fi­nan­cei­ros que a ma­ni­cu­re Adail­za dos Santos ti­rou o filho da es­co­la par­ti­cu­lar que es­tu­da­va e o ma­tri­cu­lou em uma ins­ti­tui­ção pú­bli­ca há dois anos. “Ti­ve que abrir mão da es­co­la por­que não da­va mais. Po­rém, meu filho não con­se­guiu se adap­tar à ou­tra es­co­la. Por is­so, ape­sar das di­fi­cul­da­des, nes­te ano ele vol­tou pa­ra o co­lé­gio pri­va­do em que ele es­tu­da­va”, diz.

Adail­za con­ta que, na época, a dí­vi­da que con­traiu foi equi­va­len­te à men­sa­li­da­de de três se­mes­tres le­ti­vos. O va­lor só foi qui­ta­do quan­do foi ma­tri­cu­lar o seu filho no­va­men­te na ins­ti­tui­ção, dois anos de­pois. “Te­ve me­ses em que eu não con­se­gui pa­gar. Foi mui­to di­fí­cil equi­li­brar to­das as nos­sas des­pe­sas. Sem­pre tem al­go que pa­re­ce ser mais ur­gen­te. Só con­se­gui qui­tar es­sa dí­vi­da nes­te ano”, con­ta.

Mes­mo as­sim, ela afir­ma que já es­tá com al­gu­mas par­ce­las – de R$ 382, ca­da – em atra­so no­va­men­te, prin­ci­pal­men­te de­vi­do à re­du­ção da sua ren­da. Além dis­so, ela con­ta que ou­tro agra­van­te foi o fa­to de su­as cli­en­tes fi­xas, que fa­zi­am as unhas se­ma­nal­men­te, te­rem se mu­da­do pa­ra fo­ra do país. “Gen­te ri­ca não quer mo­rar aqui não”, de­sa­ba­fou.

TU­DO PLANEJADO

Se­gun­do a Con­fe­nen, 12 em ca­da 100 alu­nos ma­tri­cu­la­dos nas es­co­las es­te ano vão ter­mi­nar o ano com pa­ga­men­tos em atra­so. Pa­ra evi­tar en­trar nes­ta con­ta, a pro­fes­so­ra Mai­a­na Ro­se man­tém to­das as des­pe­sas na pon­ta do lá­pis.

Os R$ 700 que pa­ga men­sal­men­te no co­lé­gio pri­va­do em que o filho es­tu­da com­pro­me­te mais de 10% do or­ça­men­to to­tal da fa­mí­lia. Is­so por­que em ja­nei­ro ela mu­dou o filho pa­ra um co­lé­gio mai­or e mais ca­ro. “Nun­ca atra­sei ne­nhu­ma par­ce­la, mas é cla­ro que is­so re­quer al­guns sa­cri­fí­ci­os. Além da men­sa­li­da­de tem os gas­tos com ma­te­ri­al, far­da­men­to, pas­sei­os, lan­ches e ta­xas ex­tras. Por is­so já cor­tei gas­tos com pas­sei­os e até de­sis­ti da nos­sa vi­a­gem de fé­ri­as de ja­nei­ro. Educação é pri­o­ri­da­de”, con­ta.

Quan­ti­da­de de pais ina­dim­plen­tes com as es­co­las au­men­tou 80%

REFLEXO NAS ES­CO­LAS

No Cen­tro Edu­ca­ci­o­nal Ma­ria Jo­sé (CEMJ), cer­ca de 7% dos pais es­tão ina­dim­plen­tes. “Ou o pai ou a mãe que an­ti­ga­men­te pa­ga­va tu­do cer­to, ago­ra es­tá pa­gan­do no fi­nal do mês ou acu­mu­lan­do as men­sa­li­da­des. Is­so im­pac­ta em nos­sos pro­je­tos”, con­ta o di­re­tor da ins­ti­tui­ção, Alan San­ta­na. Por cau­sa dis­so, in­ves­ti­men­tos que eram pla­ne­ja­dos pa­ra es­te ano ti­ve­ram que ser co­lo­ca­dos de la­do pa­ra hon­rar com os com­pro­mis­sos. É o ca­so, por exem­plo, de uma am­pli­a­ção da área da es­co­la.

Alan San­ta­na es­pe­ra resultados me­lho­res no ano que vem. “Nes­te ano, man­ti­ve­mos o mes­mo nú­me­ro de 600 alu­nos que tí­nha­mos em 2015. No ano que vem, pre­ve­mos um au­men­to de 4%. Os pais que es­ta­vam de­sem­pre­ga­dos es­tão con­se­guin­do se re­lo­car no mer­ca­do e, aos pou­cos, es­ta­mos avan­çan­do”, con­clui.

Di­re­to­ra do Co­lé­gio Ofi­ci­na, Már­cia Ka­lid tam­bém afir­ma ter per­ce­bi­do um au­men­to no nú­me­ro de pais com pa­ga­men­tos atra­sa­dos nes­te ano na es­co­la. “To­dos os se­to­res es­tão sen­tin­do o im­pac­to da cri­se, e na educação pri­va­da não po­de­ria ser di­fe­ren­te. To­dos sen­ti­mos is­so”, diz.

Con­fi­an­te na me­lho­ra do ce­ná­rio, ela se mos­tra po­si­ti­va em re­la­ção a 2017. “A ex­pec­ta­ti­va é de que as coi­sas me­lho­rem no ano que vem, que as coi­sas se es­ta­bi­li­zem pa­ra que con­ti­nu­e­mos fa­zen­do a nos­sa par­te. Afi­nal, a educação é a pró­pria saí­da pa­ra tu­do is­so”, com­ple­men­ta.

De acor­do com o Pro­con-BA, as prin­ci­pais re­cla­ma­ções dos pais em re­la­ção às es­co­las são por ta­xas abu­si­vas, co­bran­ças in­de­vi­das e res­ci­são de con­tra­to. Até 5 de outubro, o ór­gão re­gis­trou 558 re­cla­ma­ções. Se­gun­do o ór­gão, os co­lé­gi­os po­dem in­for­mar que o alu­no es­tá ina­dim­plen­te a ser­vi­ços de pro­te­ção ao crédito, mas de­vem fa­zer um avi­so pré­vio e dar chan­ce de os pais qui­ta­rem as dí­vi­das.

Mai­a­na Ro­se pro­cu­ra man­ter as con­tas de ca­sa em dia pa­ra ban­car a educação do filho, Car­los Ale­xan­dre

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.