Ne­go­ci­ar com a es­co­la é a me­lhor saí­da

Correio da Bahia - - Mais -

Foi con­si­de­ra­da na si­mu­la­ção uma fa­mí­lia com ren­da men­sal lí­qui­da de R$ 4,4 mil. O en­di­vi­da­men­to dos pais de alu­nos com as es­co­las par­ti­cu­la­res de seus fi­lhos é um reflexo da re­a­li­da­de que o país es­tá vi­ven­do. Is­so é o que de­fen­de o edu­ca­dor fi­nan­cei­ro Rei­nal­do Do­min­gos, que acre­di­ta que a prin­ci­pal so­lu­ção pa­ra es­se pro­ble­ma é a ne­go­ci­a­ção do va­lor en­tre as du­as par­tes.

“Quan­do a coi­sa aper­ta em ca­sa, um dos lu­ga­res que se dei­xam de pa­gar é a es­co­la. Elas aca­bam ten­do o alu­no fre­quen­tan­do e o pai não pa­gan­do, o que traz pre­juí­zos. Daí a im­por­tân­cia de pro­cu­rar a ne­go­ci­a­ção”, ex­pli­ca.

Ele diz que o mais in­di­ca­do é que o res­pon­sá­vel pro­cu­re a di­re­ção da es­co­la, ou vice-ver­sa, pa­ra es­ta­be­le­cer um ca­nal de co­mu­ni­ca­ção. Não há um pa­drão pa­ra to­dos os ca­sos, po­rém o co­lé­gio ge­ral­men­te ava­lia o per­fil do alu­no e faz uma pro­pos­ta. “De­ve pre­va­le­cer o bom sen­so”, diz.

No mo­men­to da ne­go­ci­a­ção, en­tre­tan­to, é im­por­tan­te que se­jam le­va­das em con­si­de­ra­ção as par­ce­las do pe­río­do se­guin­te que tam­bém de­vem ser pa­gas, pa­ra evi­tar o acú­mu­lo de con­tas e um pro­ble­ma ain­da mai­or. Por is­so a ne­ces­si­da­de des­se acor­do ser pen­sa­do a lon­go pra­zo.

Foi is­so o que acon­te­ceu com Cris­ti­a­ne Ro­sas. A agen­te de pro­ces­sos con­ta que já atra­sou o pa­ga­men­to de se­te men­sa­li­da­des da es­co­la das du­as fi­lhas, que fo­ram ne­go­ci­a­das e pa­gas, em par­ce­las me­no­res, no ano se­guin­te. “Ge­ral­men­te eles sa­bem do nos­so his­tó­ri­co e pro­cu­ram con­ver­sar com a gen­te pa­ra achar uma so­lu­ção que se­ja boa pa­ra to­do mundo”, con­ta.

“Te­nho du­as me­ni­nas. Ho­je a mais ve­lha es­tu­da na fa­cul­da­de com bol­sa, o que aju­da bas­tan­te. Quan­do pa­ga­va es­co­la pa­ra as du­as, o va­lor com­pro­me­tia qua­se to­do o meu sa­lá­rio”, com­ple­men­ta. Ho­je, as des­pe­sas com a educação da fi­lha mais no­va equi­va­lem a 40% do sa­lá­rio de cer­ca de R$ 2 mil que re­ce­be.

Pa­ra Rei­nal­do Do­min­gos é im­pres­cin­dí­vel que a fa­mí­lia te­nha cons­ci­ên­cia de qual si­tu­a­ção se en­con­tra: equi­li­bra­da fi­nan­cei­ra­men­te, pou­pa­do­ra ou en­di­vi­da­da. “A par­tir des­sa aná­li­se, a fa­mí­lia de­ve se reunir e es­ta­be­le­cer pri­o­ri­da­des”.

Cris­ti­a­ne se diz en­di­vi­da­da e atri­bui is­so à ne­ces­si­da­de de ar­car com as des­pe­sas bá­si­cas da fa­mí­lia. “A es­co­la não tem como ex­pul­sar os alu­nos nem na­da, en­tão tem como le­var. Já a luz e o te­le­fo­ne po­dem ser cor­ta­dos. A educação é ex­tre­ma­men­te im­por­tan­te, mas exis­tem coi­sas mais ur­gen­tes”, con­clui.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.