Co­nhe­ça os di­rei­tos e de­ve­res dos pais e das ins­ti­tui­ções de en­si­no par­ti­cu­la­res

Correio da Bahia - - Mais -

sas dí­vi­das. “O mais im­por­tan­te é que es­sa ação de­ve ser su­til. Uma re­la­ção como es­sa se dá por anos, e o ob­je­ti­vo de am­bas as par­tes, na mai­o­ria das ve­zes, é de man­ter o alu­no no co­lé­gio”, res­sal­ta. ne­nhum ti­po de cons­tran­gi­men­to, ain­da que o pa­ga­men­to es­te­ja atra­sa­do. Se­gun­do a Lei 9.870, de 1999, é proi­bi­da a sus­pen­são de pro­vas es­co­la­res, re­ten­ção de do­cu­men­tos es­co­la­res ou a apli­ca­ção de pe­na­li­da­des pe­da­gó­gi­cas por mo­ti­vo de ina­dim­plên­cia. O co­lé­gio tem mei­os le­gais de efe­tu­ar es­sa co­bran­ça. Ele po­de en­trar com uma ação ju­di­ci­al, afi­nal exis­te um con­tra­to en­tre o res­pon­sá­vel pe­lo alu­no e a es­co­la que de­ve ser cum­pri­do. Mas o ide­al é sem­pre bus­car pri­mei­ra­men­te a ne­go­ci­a­ção. As es­co­las não são obri­ga­das a re­no­var a ma­trí­cu­la de alu­no que não te­nha pa­go as men­sa­li­da­des do ano le­ti­vo an­te­ri­or. Po­rém, o con­tra­to de­ve ser man­ti­do até o seu tér­mi­no sem que o es­tu­dan­te so­fra san­ções. In­clu­si­ve, ca­so ele pe­ça trans­fe­rên­cia pa­ra ou­tro lu­gar, a ins­ti­tui­ção não po­de se ne­gar a re­a­li­zá-la. Sim. As mul­tas no con­tra­to não po­dem pas­sar de 2%. A es­co­la, in­clu­si­ve, de­ve ter cer­te­za de que os pais es­tão ci­en­tes des­tes va­lo­res. As es­co­las são obri­ga­das a in­for­mar os va­lo­res re­fe­ren­tes à ma­trí­cu­la e à men­sa­li­da­de do ano le­ti­vo se­guin­te em um pra­zo de, no mí­ni­mo, 45 di­as an­tes do fi­nal do pe­río­do de ins­cri­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.