Sam­sung jo­ga a to­a­lha

Correio da Bahia - - Mais -

O Ga­laxy No­te 7 pa­rou de ser fa­bri­ca­do e quem tem o apa­re­lho es­tá sen­do ori­en­ta­do a tro­car por ou­tro ou de­vol­ver ao fa­bri­can­te , re­ce­ben­do o di­nhei­ro de vol­ta. O re­call não adi­an­tou. Há re­la­tos de que mes­mo apa­re­lhos tro­ca­dos ti­ve­ram pro­ble­mas de su­pe­ra­que­ci­men­to, in­cên­dio e até ex­plo­são. O pri­mei­ro im­pac­to des­sa bo­la fo­ra da fá­bri­ca co­re­a­na é fi­nan­cei­ro e de­ve pas­sar dos US$ 10 bi­lhões, se­gun­do al­guns es­pe­ci­a­lis­tas. Mas me­dir o pre­juí­zo to­tal é im­pos­sí­vel. Apa­re­lhos já no mer­ca­do de­vem so­frer que­da nas ven­das e no­vos lan­ça­men­tos vão, no mí­ni­mo, ser olha­dos de la­do por des­con­fi­a­dos con­su­mi­do­res. Fes­ta na Ap­ple.

NFL NO TWITTER

O Twitter segue sua ex­pe­ri­ên­cia de trans­mis­são de conteúdo ao vi­vo, ca­sa­do com ser­vi­ços já ofe­re­ci­dos pe­la em­pre­sa de men­sa­gens ins­tan­tâ­ne­as. Ho­je é a vez do jo­go en­tre Den­ver Bron­cos e San Di­e­go Char­ges, pe­la Li­ga Na­ci­o­nal de Fu­te­bol Ame­ri­ca­no-NFL. Es­sa trans­mis­são, de um to­tal de dez, mos­tra como a em­pre­sa es­tá bus­can­do se di­fe­ren­ci­ar pa­ra con­ti­nu­ar no com­pe­ti­ti­vo mer­ca­do da in­ter­net. A ofer­ta de ví­de­os ao vi­vo cla­ra­men­te é en­xer­ga­da pe­la em­pre­sa como um ne­gó­cio que po­de tra­zer uma for­ma mais con­sis­ten­te de en­tra­da de di­nhei­ro, já que anún­ci­os con­ven­ci­o­nais não pa­re­cem mes­mo uma boa fon­te de re­cur­sos pa­ra es­se ti­po de ne­gó­cio on­de o cli­en­te, ge­ral­men­te, ao ser ex­pos­to a qu­al­quer ti­po de pro­pa­gan­da cli­ca pa­ra ig­no­rá-la o mais rá­pi­do pos­sí­vel. Pa­ra as­sis­tir bas­ta en­trar, mes­mo se não ti­ver con­ta no Twitter, atra­vés do per­fil ofi­ci­al @NFL ou aces­sar TNF.Twitter.com, de qu­al­quer apa­re­lho co­nec­ta­do. Ali­a­do a is­so, o Mo­ments, fer­ra­men­ta que aju­da a fil­trar o conteúdo do Twitter, vai avi­sar quan­do a trans­mis­são das par­ti­das te­rá iní­cio. Pa­ra quem usa o apli­ca­ti­vo de men­sa­gens bas­ta ir ao per­fil @NFL, cli­car no sím­bo­lo do si­no e ati­var as no­ti­fi­ca­ções, pa­ra que se­ja avi­sa­do sem­pre que hou­ver uma trans­mis­são. O jo­go de ho­je co­me­ça às 21h.

KARDEC ON­LI­NE

A No­bi­lità, en­ti­da­de cri­a­da pa­ra di­vul­gar o pen­sa­men­to e obras de um dos cri­a­do­res do Es­pi­ri­tis­mo, o fran­cês Al­lan Kardec, lan­çou o ca­nal on­li­ne Kardec Play. Ele fun­ci­o­na em qua­tro idi­o­mas – por­tu­guês, in­glês, fran­cês e es­pa­nhol. São de­ze­nas de ví­de­os ex­pli­ca­ti­vos so­bre a fi­lo­so­fia de Kardec. Se­rão ofe­re­ci­dos tam­bém fil­mes e a trans­mis­são de even­tos no Bra­sil e no ex­te­ri­or. Pa­ra aces­sar se­rá pre­ci­so pa­gar uma as­si­na­tu­ra men­sal de R$ 19,90. Pla­nos tri­mes­trais e se­mes­trais com des­con­to tam­bém es­ta­rão dis­po­ní­veis. To­do o di­nhei­ro ar­re­ca­da­do vai pa­tro­ci­nar a Kar­dec­pe­dia, pla­ta­for­ma grá­tis em qua­tro idi­o­mas com to­das as obras de Al­lan Kardec, tan­to ori­gi­nais qu­an­to tra­du­zi­das, e tam­bém au­xi­li­a­rá di­ver­sas ini­ci­a­ti­vas cri­a­das pa­ra a divulgação e es­tu­do apro­fun­da­do das obras e do pen­sa­men­to do fran­cês. Pa­ra sa­ber mais ou as­si­nar aces­se www.kar­dec­play.com.

IN­DÚS­TRIA NO QUINTAL

Uma pa­les­tra do pro­fes­sor e pen­sa­dor fran­cês de sis­te­mas in­dus­tri­ais Oli­vi­er Sca­la­bre apon­tou pa­ra o que po­de ser a for­ma de pro­du­zir do fu­tu­ro. Nú­me­ros apre­sen­ta­dos por ele mos­tram que a úl­ti­ma for­ma en­con­tra­da pe­la in­dús­tria pa­ra sus­ten­tar ta­xas de cres­ci­men­to, a pro­du­ção em lo­cais mais ba­ra­tos como a Chi­na, co­me­ça a mos­trar si­nais de de­clí­nio, com cus­tos cres­cen­tes es­pe­ci­al­men­te por cau­sa do le­va e traz de ma­té­ri­as-pri­mas e pro­du­tos pron­tos. Pa­ra o es­tu­di­o­so, im­pres­so­ras 3D, com­pu­ta­do­res, ro­bó­ti­ca avan­ça­da e a co­ne­xão ca­da vez mais efi­ci­en­te à in­ter­net mos­tram que, em bre­ve, fa­zer pro­du­tos em lar­ga es­ca­la dei­xa­rá de ser in­te­res­san­te. As no­vas tec­no­lo­gi­as, continua o pro­fes­sor, fa­rão em pou­co tem­po que o cus­to de pro­du­zir uma pe­ça to­tal­men­te per­so­na­li­za­da se­ja o mes­mo de pro­du­ções em série. As gran­des fá­bri­cas, pro­fe­ti­za Sca­la­bre, da­rão lu­gar a pe­que­nas plan­tas nos pró­pri­os lo­cais con­su­mi­do­res, com pra­ti­ca­men­te ne­nhum cus­to de trans­por­te e um grau de per­so­na­li­za­ção que tor­na­rá as pe­ças pra­ti­ca­men­te úni­cas. É di­fí­cil en­xer­gar es­se ti­po de prá­ti­ca pe­lo me­nos por en­quan­to, pa­ra car­ros, ge­la­dei­ras, etc, mas pro­du­tos me­no­res como aque­le va­so pa­ra de­co­rar, um aba­jur di­fe­ren­te, uma ca­mi­sa sob me­di­da, po­dem, em bre­ve, ser re­a­li­da­de bem ali, pra­ti­ca­men­te no seu quintal. Ve­ja a trans­cri­ção da pa­les­tra do pro­fes­sor Sca­la­bre aces­san­do ted.com, si­te que reú­ne pa­les­tras e tex­tos de es­pe­ci­a­lis­tas e es­tu­di­o­sos de tec­no­lo­gia, en­tre­te­ni­men­to e de­sign de to­do o mundo.

hu­go.bri­to@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.