O ca­ra mais es­per­to do pe­da­ço

Correio da Bahia - - Mais - Do­ris Mi­ran­da do­ris.mi­ran­da@re­de­bahia.com.br Co­ta­ção

Ve­lhos ami­gos e par­cei­ros de lon­ga da­ta, o di­re­tor Ron Howard, 62, e o ator Tom Hanks, 60, vol­tam a tra­ba­lhar jun­tos em In­fer­no, ter­cei­ro fil­me ba­se­a­do na obra de Dan Brown, au­tor de O Có­di­go da Vin­ci e An­jos e Demô­ni­os, am­bos fil­ma­dos por Howard e pro­ta­go­ni­za­dos por Hanks.

Como an­tes, o ator vi­ve com ho­nes­ti­da­de o pro­fes­sor de Sim­bo­lo­gia Ro­bert Lang­don, es­pe­ci­a­lis­ta em de­ci­frar mis­té­ri­os do sa­gra­do, que se en­vol­ve em si­tu­a­ções de mui­to pe­ri­go e aven­tu­ra ele­tri­zan­te. E es­tá jus­ta­men­te aí o xis da ques­tão. Com o tem­po, e so­bre­tu­do pa­ra quem co­nhe­ce a obra de Dan Brown, o jei­to de Lang­don atu­ar é mui­to em­pol­gan­te, mas não ofe­re­ce mais no­vi­da­de a es­sa al­tu­ra.

As­sim acon­te­ce em In­fer­no: to­do mundo sa­be que o de­te­ti­ve vai pas­sar por bons apu­ros an­tes de so­lu­ci­o­nar o ca­so. Des­sa vez, Ro­bert Lang­don acor­da com um fe­ri­men­to na ca­be­ça e con­se­quen­te am­né­sia em um hos­pi­tal de Flo­ren­ça, Itá­lia, on­de tem vi­sões caó­ti­cas do apo­ca­lip­se da Ter­ra: pes­so­as com pús­tu­las es­pa­lha­das pe­lo cor­po, ru­as inun­da­das e ci­da­des in­cen­di­a­das.

Quan­do acor­da do pe­sa­de­lo, é mis­te­ri­o­sa­men­te ata­ca­do e en­con­tra abri­go no apar­ta­men­to da mé­di­ca Si­en­na Bro­oks (Fe­li­city Jo­nes, ape­nas ok), on­de en­con­tra uma ré­pli­ca da fa­mo­sa pin­tu­ra de Bot­ti­cel­li, Map­pa dell’In­fer­no.

Gra­ças a seus anos de es­tu­do, Ro­bert des­co­bre que há al­go er­ra­do na obra de ar­te e não de­mo­ra pa­ra per­ce­ber que es­tá en­vol­vi­do em uma cons­pi­ra­ção, en­vol­ven­do os se­gre­dos do clás­si­co da li­te­ra­tu­ra A Di­vi­na Co­mé­dia, de Dan­te Alighi­e­ri. Nes­ta re­pro­du­ção es­tá um mapa com pis­tas so­bre o pa­ra­dei­ro de um ví­rus mor­tal, cri­a­do por um bi­li­o­ná­rio que acre­di­ta que o mundo es­tá su­per­po­vo­a­do e que as des­gra­ças na­tu­rais são pro­vo­ca­das por is­so. Daí, de acor­do com ele, o fu­tu­ro do pla­ne­ta só es­ta­rá sal­vo se a hu­ma­ni­da­de for re­du­zi­da pe­la me­ta­de.

He­rói na­tu­ral, cu­jo úni­co su­per­po­der é sua men­te bri­lhan­te, Lang­don em­bar­ca em uma fre­né­ti­ca corrida con­tra o tem­po pe­las ru­as de Ve­ne­za pa­ra en­con­trar o ví­rus an­tes que ou­tros o fa­çam.

Se ti­ves­se se­gui­do a or­dem cro­no­ló­gi­ca da obra de Dan Brown, Ron Howard te­ria fil­ma­do O Sím­bo­lo Per­di­do. Mas, por uma ques­tão de di­nâ­mi­ca, es­co­lheu In­fer­no. “Vi­mos que o livro su­ge­ria al­go mais mo­der­no, mais ar­ris­ca­do, mais ci­ne­ma­to­grá­fi­co. Era per­fei­to pa­ra rein­ven­tar a fran­quia. E ain­da tem a con­fu­são men­tal do pro­ta­go­nis­ta. Pen­sei em Ro­bert como um su­per-he­rói ali­ja­do de seu po­der. Pe­la pri­mei­ra vez vo­cê o ve­rá vul­ne­rá­vel, dan­do a Tom ou­tras pos­si­bi­li­da­des pa­ra vi­ver aque­le mes­mo per­so­na­gem”, ex­pli­ca o di­re­tor. “Além do mais, O Sím­bo­lo Per­di­do se pas­sa em Washing­ton. Vo­cê aguen­ta­ria ver mais um ta­ke da Ca­sa Bran­ca?”, brin­ca Hanks, com­ple­tan­do que que­ria mes­mo era ser o ca­ra mais es­per­to do pe­da­ço mais uma vez: “Me dê a quan­ti­da­de cer­ta de ver­bor­ra­gia e tem­po su­fi­ci­en­te pa­ra fa­zer a quan­ti­da­de cer­ta de pes­qui­sa e con­si­go con­ven­cer vo­cê de que pos­so ser o ca­ra mais es­per­to do pe­da­ço”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.