Pe­tro­bras e os pre­ços

Correio da Bahia - - Economia -

Os pre­ços dos com­bus­tí­veis caí­ram, e a ação da Pe­tro­bras su­biu. Is­so, se­gun­do o pre­si­den­te da em­pre­sa, Pe­dro Pa­ren­te, é si­nal de que o mer­ca­do olhou me­nos pa­ra a re­du­ção, em si, e mais pa­ra o si­nal de que a em­pre­sa tem ago­ra li­ber­da­de pa­ra a for­ma­ção dos seus pre­ços. A Pe­tro­bras ha­via per­di­do, na mé­dia de ja­nei­ro a se­tem­bro, 14% de par­ti­ci­pa­ção do mer­ca­do de di­e­sel e 4% no de ga­so­li­na.

‘Mas is­so é na mé­dia des­ses me­ses, por­que, na pon­ta do pe­río­do, a em­pre­sa es­ta­va per­den­do em tor­no de 20%”, dis­se Pe­dro Pa­ren­te.

Ou­tro a co­me­mo­rar, além da Bo­ves­pa, foi o mi­nis­tro Hen­ri­que Mei­rel­les, que con­si­de­rou que a que­da se­rá uma aju­da pa­ra re­du­zir a in­fla­ção. No que de­pen­der dos re­ven­de­do­res, is­so po­de não acon­te­cer. Eles di­zem que ten­ta­rão re­com­por as mar­gens que te­ri­am si­do re­du­zi­das du­ran­te os úl­ti­mos me­ses. Se o pre­ço não cair na pon­ta, se­rá uma enor­me frus­tra­ção pa­ra o con­su­mi­dor por­que a ex­pec­ta­ti­va é de que caia. Se hou­ver com­pe­ti­ção en­tre os pos­tos, en­tre­tan­to, é pos­sí­vel que o con­su­mi­dor aca­be le­van­do par­te des­sa di­mi­nui­ção. Em al­guns lu­ga­res, a re­du­ção do pre­ço da Pe­tro­bras se­rá mai­or. No Nor­des­te, por exem­plo, se­rá de 6%, por­que lá tem en­tra­do mais com­bus­tí­veis de ou­tros im­por­ta­do­res. Pe­dro Pa­ren­te con­ta que al­guns des­ses im­por­ta­do­res fa­zem ope­ra­ções de trans­bor­do no meio do Rio Ama­zo­nas, o que aca­ba re­pre­sen­tan­do tam­bém um ris­co am­bi­en­tal.

A de­ci­são anun­ci­a­da on­tem pe­la Pe­tro­bras mos­tra au­to­no­mia de ges­tão, mas não é o anún­cio de uma fór­mu­la ma­te­má­ti­ca, co­mo che­gou a ser pen­sa­da, e usa­da, no pas­sa­do.

— A fór­mu­la se­ria um ta­be­la­men­to de pre­ços, se­ria de­ter­mi­nís­ti­ca. Co­lo­ca­ría­mos al­gu­mas va­riá­veis e o pre­ço se­ria de­ter­mi­na­do por ela. Is­so aca­ba­ria sen­do uma ca­mi­sa de for­ça pa­ra a em­pre­sa tam­bém. Na no­va po­lí­ti­ca, são le­va­dos em con­si­de­ra­ção vá­ri­os ele­men­tos, mas ha­ve­rá tam­bém um grau de li­ber­da­de pa­ra a Pe­tro­bras — diz Pa­ren­te.

O con­tro­le de pre­ços foi mais um dos rai­os que caí­ram so­bre a Pe­tro­bras nos úl­ti­mos anos. Os ou­tros fo­ram a cor­rup­ção e a má ges­tão. A in­ter­fe­rên­cia do go­ver­no im­pe­diu o re­a­jus­te e ele­vou o rom­bo da com­pa­nhia. Qu­an­to a Pe­tro­bras per­deu e o que ela con­se­guiu re­cu­pe­rar nes­tes tem­pos em que os pre­ços fi­ca­ram aci­ma dos ní­veis in­ter­na­ci­o­nais? Há cál­cu­los no mer­ca­do, mas a em­pre­sa não os con­fir­ma. Pa­ren­te pre­fe­re fa­lar da po­lí­ti­ca es­ta­be­le­ci­da pa­ra os pre­ços da­qui pa­ra di­an­te:

— O que a gen­te quer é que es­se as­sun­to se­ja na­tu­ral. Em ou­tros paí­ses, a al­ta e a que­da dos com­bus­tí­veis são nor­mais e não vi­ram no­tí­cia de pri­mei­ra pá­gi­na. Pe­la ava­li­a­ção fei­ta na em­pre­sa, qu­an­to mais fre­quen­te for o ajus­te de pre­ços, em to­das as di­re­ções, mais na­tu­ral se tor­na­rá. A no­va po­lí­ti­ca foi for­mu­la­da de­pois de mui­tos de­ba­tes in­ter­nos, que fi­ca­ram res­tri­to a um gru­po pe­que­no de pes­so­as. A par­tir de ago­ra, o Gru­po Exe­cu­ti­vo de Mer­ca­dos e Pre­ços vai ava­li­ar os cus­tos, pe­lo me­nos uma vez por mês, se­guin­do a di­re­triz de nun­ca fi­car abai­xo da pa­ri­da­de in­ter­na­ci­o­nal.

A gran­de van­ta­gem é que is­so dá pre­vi­si­bi­li­da­de à po­lí­ti­ca de for­ma­ção de pre­ços. Por ou­tro la­do, sem­pre se te­meu que a Pe­tro­bras for­mu­las­se seus pró­pri­os pre­ços, por­que ela tem enor­me po­der de mer­ca­do. O que os da­dos apre­sen­ta­dos ago­ra mos­tram é que os im­por­ta­do­res con­se­guem em­pur­rar pa­ra bai­xo quan­do a Pe­tro­bras es­ti­ver co­bran­do mui­to aci­ma do ní­vel in­ter­na­ci­o­nal. Co­mo em­pre­sa que exer­ceu por dé­ca­das o mo­no­pó­lio na lei, ou na prá­ti­ca, ela não ti­nha con­cor­ren­tes. Des­ta vez, a im­por­ta­ção con­se­guiu se or­ga­ni­zar pa­ra pe­gar na­cos do mer­ca­do.

Pa­ren­te con­fir­ma que tem ha­vi­do enor­me in­te­res­se na com­pra da par­ti­ci­pa­ção na BR Dis­tri­bui­do­ra no no­vo mo­de­lo em que a Pe­tro­bras per­ma­ne­ce co­mo a mai­or aci­o­nis­ta, mas com uma fa­tia abai­xo de 49%. A pró­xi­ma eta­pa é os in­te­res­sa­dos as­si­na­rem ter­mo de con­fi­den­ci­a­li­da­de com a em­pre­sa. Ele acha que as pro­pos­tas vin­cu­lan­tes de­vem ser apre­sen­ta­das no fi­nal do pri­mei­ro tri­mes­tre de 2017. Se hou­ver igual­da­de de con­di­ções, a de­ci­são se­rá pe­lo pre­ço. O tem­po de con­clu­são do pro­ces­so de­pen­de­rá de quem for o com­pra­dor. Se for uma em­pre­sa re­ven­de­do­ra, pre­ci­sa­rá ser ou­vi­do o CADE, que po­de le­var 11 me­ses pa­ra de­ci­dir. Se for uma em­pre­sa sem atu­a­ção na dis­tri­bui­ção de com­bus­tí­veis, o fe­cha­men­to do ne­gó­cio se­rá sim­pli­fi­ca­do.

mi­ri­am­lei­tao@oglo­bo.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.