Pa­ra de­le­ga­do, gru­po não tem ex­pe­ri­ên­cia em rou­bo a ban­co

Correio da Bahia - - Mais -

Ou­sa­do, mas ama­dor. Foi des­sa for­ma que a co­or­de­na­ção de Re­pres­são a Rou­bos con­tra Ins­ti­tui­ções Fi­nan­cei­ras da Po­lí­cia Ci­vil clas­si­fi­cou o as­sal­to ao Ban­co do Bra­sil do Canela, on­tem. “Uma ação em ple­na sex­ta-fei­ra à tar­de, no Cen­tro, em um ho­rá­rio de mo­vi­men­to pe­que­no do ex­pe­di­en­te ban­cá­rio. Foi au­da­ci­o­sa”, ad­mi­tiu o de­le­ga­do Mau­rí­cio Mo­ra­dil­lo. Ele, no en­tan­to, acre­di­ta que o gru­po “não tem ex­per­ti­se no rou­bo a ban­co”. A jus­ti­fi­ca­ti­va es­tá no des­co­nhe­ci­men­to do fun­ci­o­na­men­to da agên­cia, no ho­rá­rio da ação que não tem re­la­ção com o tem­po­ri­za­dor da aber­tu­ra do co­fre e o de­se­qui­lí­brio do gru­po que re­a­li­zou a ação.

Mo­ra­dil­lo foi cau­te­lo­so na di­vul­ga­ção das in­for­ma­ções, mas acre­di­ta no uso das ima­gens e na pe­rí­cia pa­ra pren­der o ban­do. Se­gun­do ele, o uso de marreta é co­mum nes­se ti­po de ação. “Até co­mo for­ma de dei­xar as pes­so­as na­que­le es­ta­do de pâ­ni­co e fa­ci­li­tar a en­tra­da”. Mas ele res­sal­ta que em Sal­va­dor es­se ti­po de as­sal­to em agên­ci­as não é re­cor­ren­te. Es­te ano, o úl­ti­mo foi no Ban­co San­tan­der, no Cor­re­dor da Vi­tó­ria, em mar­ço. O de­le­ga­do não acre­di­ta que se tra­tem de ações do mes­mo gru­po.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.