Co­mu­ni­car é pre­ci­so

Correio da Bahia - - Front Page -

A PEC 241, que im­põe li­mi­te aos gas­tos pú­bli­cos por 20 anos, evi­den­ci­ou a mai­or qua­li­da­de e tam­bém o prin­ci­pal de­fei­to do go­ver­no Mi­chel Te­mer. Por um la­do, a apro­va­ção em pri­mei­ro tur­no na Câ­ma­ra por 366 vo­tos a fa­vor e 111 con­trá­ri­os, 58 além do mí­ni­mo ne­ces­sá­rio, mos­trou a ca­pa­ci­da­de de ar­ti­cu­la­ção po­lí­ti­ca do pe­e­me­de­bis­ta jun­to ao Con­gres­so Na­ci­o­nal. Por ou­tro, tor­nou mais cla­ra a di­fi­cul­da­de do Pla­nal­to em co­mu­ni­car ao res­to dos bra­si­lei­ros aqui­lo que con­si­de­ra fun­da­men­tal pa­ra re­ti­rar o país do bu­ra­co.

En­tre os par­la­men­ta­res, Te­mer con­se­guiu man­ter o re­tros­pec­to de vi­tó­ria em vo­ta­ções de ma­té­ri­as do Exe­cu­ti­vo. Co­nhe­ci­do pe­la ha­bi­li­da­de po­lí­ti­ca, o pre­si­den­te abriu as por­tas do Pa­lá­cio do Al­vo­ra­da pa­ra re­ce­ber 217 de­pu­ta­dos e se­na­do­res da ba­se ali­a­da na noi­te do do­min­go pas­sa­do, um dia an­tes do tes­te de fo­go na Câ­ma­ra. A in­ten­ção do jan­tar era azei­tar o pri­mei­ro ca­mi­nho da PEC. O que ocor­reu sem so­bres­sal­tos. No en­tan­to, a so­ci­e­da­de, pa­ra qu­em sem­pre so­bra a con­ta, não foi con­vi­da­da pa­ra ou­vir os ar­gu­men­tos de Te­mer e de sua equi­pe econô­mi­ca.

No mun­do on­de as in­for­ma­ções cir­cu­lam de mo­do ace­le­ra­do, é um er­ro achar que o ci­da­dão co­mum não dá im­por­tân­cia a as­sun­tos an­tes res­tri­tos aos cor­re­do­res do po­der. Pe­lo con­trá­rio. Ele an­da ca­da vez mais in­te­res­sa­do em sa­ber o que po­de al­te­rar sua vi­da. Si­nais dis­so não fal­tam. Na ter­ça-fei­ra se­guin­te à apro­va­ção da pro­pos­ta, o CORREIO re­pro­du­ziu no si­te do jor­nal uma re­por­ta­gem pu­bli­ca­da na ver­são im­pres­sa, em que de­ta­lha mu­dan­ças pre­vis­tas pe­la me­di­da. Re­sul­ta­do: ocu­pou o ran­king de no­tí­ci­as com mai­or au­di­ên­cia da se­ma­na. Nas re­des so­ci­ais, a PEC 241 con­ti­nua na vi­tri­ne dos de­ba­tes de gran­de al­can­ce.

Ao não ex­pli­car com cla­re­za o te­to de gas­tos pa­ra a so­ci­e­da­de, o go­ver­no dei­xou bre­chas pa­ra dis­tor­ções so­bre o que de fa­to a PEC pro­põe. Qu­an­do a co­mu­ni­ca­ção não é bem exe­cu­ta­da, os ruí­dos na­ve­gam em mar de al­mi­ran­te, a re­bo­que das in­cer­te­zas e dú­vi­das. Se o Pla­nal­to ga­ran­te que as de­fi­ci­ên­ci­as na saú­de e edu­ca­ção não são oca­si­o­na­das por sub­fi­nan­ci­a­men­to, e sim, por má ges­tão, é pre­ci­so sair dos ga­bi­ne­tes e fa­lar di­re­ta­men­te pa­ra a po­pu­la­ção o que se­rá fei­to pa­ra cor­ri­gir tais pro­ble­mas. Se a pro­pos­ta é o me­ca­nis­mo ide­al pa­ra re­du­zir o rom­bo nas con­tas pú­bli­cas e evi­tar a fa­lên­cia do país, a men­sa­gem tem que es­ca­par dos cír­cu­los po­lí­ti­cos e ga­nhar as ru­as.

As re­a­ções con­tra a PEC 241 – an­te­ce­di­das pe­la po­lê­mi­ca em tor­no da MP do en­si­no mé­dio - ser­vem co­mo no­vo aler­ta pa­ra que o go­ver­no Te­mer cor­ri­ja su­as fa­lhas de co­mu­ni­ca­ção so­bre te­mas fun­da­men­tais pa­ra o fu­tu­ro do Bra­sil. Sem is­so, se­rá bem di­fí­cil le­var adi­an­te mu­dan­ças que al­te­ram de for­ma pro­fun­da a vi­da do bra­si­lei­ro. Ca­so das re­for­mas tra­ba­lhis­ta e pre­vi­den­ciá­ria. Em­bo­ra cli­chê, o bor­dão de Abe­lar­do Bar­bo­sa, o Cha­cri­nha, nun­ca pa­re­ceu tão apro­pri­a­do pa­ra o mo­men­to atu­al do Pla­nal­to. Qu­em não co­mu­ni­ca, pre­si­den­te, se trum­bi­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.