Co­mér­cio de Ca­cho­ei­ra es­quen­ta com a re­a­li­za­ção da fes­ta li­te­rá­ria

Correio da Bahia - - Bahia - RO­BER­TO MIDLEJ - O RE­PÓR­TER VIAJOU A CON­VI­TE DA ICONTENT, CORREALIZADORA DA FLICA

RECÔNCAVO En­quan­to es­cri­to­res fa­mo­sos co­mo An­to­nio Pra­ta, Ana Ma­ria Ma­cha­do, Mary Del Pri­o­re e o co­lom­bi­a­no Ju­an Ga­bri­el Vas­quez, dis­cu­tem li­te­ra­tu­ra na edi­ção da Flica - Fes­ta Li­te­rá­ria In­ter­na­ci­o­nal de Ca­cho­ei­ra pa­ra par­ti­ci­par dos de­ba­tes que acon­te­cem to­dos os anos no even­to, no Claus­tro do Con­ven­to do Car­mo, fo­ra da­li há tam­bém uma enor­me mo­vi­men­ta­ção, pro­vo­ca­da por tu­ris­tas e pro­fis­si­o­nais das le­tras que vão até a ci­da­de pa­ra se di­ver­tir ou di­vul­gar seu tra­ba­lho.

A pau­lis­ta Joy Sa­les, 28, che­gou a Ca­cho­ei­ra há cer­ca de três me­ses, al­guns di­as an­tes da fes­ta de Boa Mor­te. Ela, que vi­via em São Pau­lo, veio mo­rar na Bahia em bus­ca de uma vi­da mais tran­qui­la, jun­to com a na­mo­ra­da, que cos­tu­ra as rou­pas que ven­dem nu­ma bar­ra­ca mon­ta­da na pra­ça per­to do Ci­ne The­a­tro Ca­cho­ei­ra­no, on­de es­tão ou­tros co­mer­ci­an­tes.

Nes­ses qua­se três me­ses, ven­de­ram mais de 20 ves­ti­dos e blu­sas por R$ 50 ca­da um. Ago­ra, res­tam cer­ca de 10 pe­ças. “Vi­e­mos pa­ra Ca­cho­ei­ra por cau­sa de even­tos co­mo o Ca­cho­ei­raDoc (fes­ti­val de do­cu­men­tá­ri­os), a Boa Mor­te e a Flica, que é o mais mo­vi­men­ta­do dos três”, diz Joy, que é tam­bém can­to­ra. Ao la­do de­la, es­tá ou­tro ar­te­são, Ira San­tos, 32, que vi­ve em Sal­va­dor e che­gou a Ca­cho­ei­ra na quin­ta-fei­ra, qu­an­do co­me­çou a Flica.

“Lá em Sal­va­dor, cos­tu­mo ven­der meus ar­ti­gos em al­guns even­tos. Em bre­ve, vou ter um bo­xe num shop­ping po­pu­lar e dei­xo meus pro­du­tos pa­ra ven­der nu­ma lo­ja do Pe­lou­ri­nho. Mas gos­to de ir pra ou­tras ci­da­des pa­ra di­vul­gar meu tra­ba­lho e fa­zer con­ta­tos, que é o mais im­por­tan­te”, diz Ira, que ven­de bi­ju­te­ri­as por pre­ços que vão de R$ 10 a R$ 50. O ar­te­são fi­ca em Ca­cho­ei­ra até ho­je, qu­an­do ter­mi­na a Flica. Mes­mo de­cep­ci­o­na­do com o mo­vi­men­to abai­xo do es­pe­ra­do, Ira diz que de­ve vol­tar em 2017. É cla­ro que os es­cri­to­res in­de­pen­den­tes tam­bém apro­vei­tam o even­to li­te­rá­rio pa­ra se di­vul­gar. O ser­gi­pa­no Jo­sé Be­zer­ra Li­ma Ir­mão, 69, é ba­cha­rel em Di­rei­to e au­di­tor fis­cal em Sal­va­dor. Che­gou a Ca­cho­ei­ra an­te­on­tem, com al­guns exem­pla­res do li­vro Lam­pião, a Ra­po­sa das Ca­a­tin­gas, lan­ça­do em 2015 e ban­ca­do por ele mes­mo. O ca­lha­ma­ço de mais de 700 pá­gi­nas exi­giu 11 anos de pes­qui­sa, tam­bém fi­nan­ci­a­da pe­lo pró­prio es­cri­tor. “Aos 58 anos, des­co­bri um li­vro so­bre Lam­pião es­cri­to por um ame­ri­ca­no. Aí, pen­sei: ‘Se ele sa­be tan­to so­bre Lam­pião, por que eu, que sou nor­des­ti­no, não sei?’. Aí, li uns 300 li­vros até es­cre­ver o meu. E fiz mais de 30 viagens pe­lo Nor­des­te, pas­san­do por po­vo­a­dos e fa­zen­das on­de ele pas­sou”. Só não pe­ça a Jo­sé pa­ra de­fi­nir se Lam­pião é ban­di­do ou he­rói: “Eu não sou juiz. Eu sei é que ele foi um can­ga­cei­ro”, diz, com um for­te so­ta­que que não ne­ga su­as ori­gens. A Ra­po­sa das Ca­a­tin­gas já te­ve as su­as du­as pri­mei­ras ti­ra­gens de mil exem­pla­res ca­da - es­go­ta­das. Na ban­ca, o li­vro es­tá sen­do ven­di­do a R$ 50, uma gran­de opor­tu­ni­da­de, já que nas li­vra­ri­as (co­mo a Sa­rai­va, em Sal­va­dor) che­ga a R$ 90. “Es­cre­vi es­se li­vro, mas não foi pa­ra ga­nhar di­nhei­ro. Foi mes­mo pa­ra di­vul­gar a vi­da de Lam­pião, por­que qu­em ga­nha di­nhei­ro com li­vro é best-sel­ler, co­mo Pau­lo Co­e­lho”, diz o au­di­tor fis­cal.

Pra­ça per­to do Ci­ne The­a­tro Ca­cho­ei­ra­no re­ce­be es­cri­to­res e co­mer­ci­an­tes de di­ver­sas par­tes do país

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.