De­pois da con­fis­são

Correio da Bahia - - Brasil -

A ex­pec­ta­ti­va na Ode­bre­cht é fe­char os acor­dos de de­la­ção e de le­ni­ên­cia até o fim de ou­tu­bro. Ela pre­pa­ra o pe­di­do de des­cul­pas mais cla­ro já fei­to pe­las em­pre­sas en­vol­vi­das na Ope­ra­ção La­va Ja­to, no qual es­pe­ra es­ta­be­le­cer um cor­te com o pas­sa­do e o iní­cio do fu­tu­ro da com­pa­nhia. No mer­ca­do, no en­tan­to, há dú­vi­das so­bre co­mo a mai­or em­prei­tei­ra do Bra­sil che­ga­rá ao fim des­se pro­ces­so. As úl­ti­mas du­as se­ma­nas fo­ram as mais du­ras da ne­go­ci­a­ção, por­que es­tá sen­do fei­ta a de­fi­ni­ção das pe­nas. A La­va Ja­to ele­vou o cus­to da cor­rup­ção no Bra­sil. Se uma em­pre­sa com tan­tas co­ne­xões e apoio, tão po­de­ro­sa, es­tá ago­ra se cur­van­do pa­ra pe­dir des­cul­pas, es­tá abrin­do seus co­fres pa­ra pa­gar uma mul­ta bi­li­o­ná­ria e com seu pre­si­den­te pre­so por um ano e meio, fi­ca cla­ro que es­te é um ca­mi­nho pe­ri­go­so de­mais. Por is­so se­rá im­por­tan­te acom­pa­nhar ca­da pas­so da evo­lu­ção do ca­so Ode­bre­cht, mais do que qual­quer ou­tro. As ima­gens di­vul­ga­das no do­min­go pas­sa­do pe­lo jor­nal O Es­ta­do de S. Pau­lo, de Emí­lio Ode­bre­cht co­man­dan­do a es­tra­té­gia de ne­go­ci­a­ção com o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, são uma de­mons­tra­ção de co­mo se tor­nou em­ble­má­ti­co o ca­so da em­prei­tei­ra. Emí­lio es­ta­va afas­ta­do dos ne­gó­ci­os há al­gum tem­po. Vol­tou, mas não pa­ra o co­man­do do dia a dia da em­pre­sa, e sim pa­ra li­de­rar a ne­go­ci­a­ção do acor­do de de­la­ção, que con­si­de­ra ser o me­lhor ca­mi­nho pa­ra sal­vá-la e re­to­mar os ne­gó­ci­os.

A Ode­bre­cht ti­nha 189 mil fun­ci­o­ná­ri­os, ho­je tem 110 mil. A dí­vi­da bru­ta su­biu de R$ 87 bi­lhões no co­me­ço da La­va Ja­to pa­ra R$ 110 bi­lhões. No ano pas­sa­do, só de ju­ros pa­gou R$ 10 bi­lhões. A PwC re­lu­tou em as­si­nar a de­mons­tra­ção con­tá­bil de 2015 e aca­bou apro­van­do, mas com res­sal­vas, pe­la di­fi­cul­da­de de de­fi­nir o cus­to da cor­rup­ção no con­glo­me­ra­do. O pre­juí­zo to­tal da com­pa­nhia foi de R$ 297 mi­lhões e os tí­tu­los que es­tão em mer­ca­do são ne­go­ci­a­dos a 50% do seu va­lor. A em­prei­tei­ra es­tá no meio de um pro­ces­so de ven­da de ati­vos que a tor­na me­nor a ca­da no­vo ne­gó­cio, mas es­se ema­gre­ci­men­to é a sua chan­ce de re­cu­pe­ra­ção. Já ven­deu R$ 3 bi­lhões de pa­trimô­nio. O mo­vi­men­to é con­si­de­ra­do ain­da tí­mi­do pe­lo mer­ca­do, mas ela en­fren­ta inú­me­ros obs­tá­cu­los, por­que qu­an­do a in­ves­ti­ga­ção che­ga a al­gum ati­vo à ven­da fi­ca mais di­fí­cil en­con­trar com­pra­do­res. Acon­te­ceu ago­ra com a usi­na de San­to Antônio, que se tor­nou al­vo de inqué­ri­to no fi­nal de se­tem­bro. A es­pe­ran­ça da em­pre­sa é con­se­guir ven­dê-la pa­ra a Chi­na, que es­tá com­pran­do e in­ves­tin­do no se­tor de ener­gia no Bra­sil.

Ela já ven­deu uma ro­do­via no Pe­ru, mi­na em An­go­la, uma par­ti­ci­pa­ção na ope­ra­do­ra de trans­por­te da Tran­so­lím­pi­ca. Co­lo­cou à ven­da a Ode­bre­cht Am­bi­en­tal, que es­tá em ne­go­ci­a­ção adi­an­ta­da com a Bro­ok­fi­eld. Co­lo­cou à ven­da a par­ti­ci­pa­ção na Bras­kem, o pro­ble­ma é que o só­cio Pe­tro­bras tam­bém quer ven­der a sua par­te, mas an­tes te­rá que re­ver o acor­do de aci­o­nis­tas. A es­ta­tal tem 49% do ca­pi­tal e ne­nhum po­der na ges­tão da em­pre­sa. O acor­do te­rá que ser ne­go­ci­a­do, do con­trá­rio, a fa­tia da Pe­tro­bras per­de­rá va­lor.

Ou­tros pro­ble­mas afe­tam o de­sem­pe­nho de par­tes do con­glo­me­ra­do. A Re­a­li­za OR en­fren­ta a cri­se no mer­ca­do imobiliário. O se­tor de in­fra­es­tru­tu­ra vi­ve a es­cas­sez de no­vos in­ves­ti­men­tos no país, cau­sa­da pe­la cri­se fis­cal. A em­pre­sa que ad­mi­nis­tra a con­ces­são do Ga­leão ga­ran­te que cum­priu os re­qui­si­tos pa­ra ter o fi­nan­ci­a­men­to do BNDES, mas o ban­co não quer li­be­rar o cré­di­to. O se­tor de óleo e gás do gru­po sen­te o re­fle­xo da cri­se da Pe­tro­bras, cri­a­da em gran­de par­te pe­la cor­rup­ção. Is­so faz com que a Ode­bre­cht aca­be atin­gi­da pe­lo pro­ble­ma que ela e ou­tras em­prei­tei­ras cau­sa­ram à es­ta­tal.

São inú­me­ros os pro­ble­mas da em­prei­tei­ra, mas ne­nhum é mai­or do que o ter­re­mo­to, que ain­da sa­co­de a com­pa­nhia, cau­sa­do pe­la cor­rup­ção, que man­te­rá Mar­ce­lo Ode­bre­cht por mais um bom tem­po na pri­são e que le­vou 50 exe­cu­ti­vos a fa­zer a de­la­ção pre­mi­a­da. O cri­me de cor­rup­ção, com o qual ela pen­sa­va ala­van­car seus ne­gó­ci­os, a fe­riu pro­fun­da­men­te. Seus exe­cu­ti­vos acham que a em­pre­sa so­bre­vi­ve­rá a es­ta cri­se, mas des­de que ha­ja uma mu­dan­ça ra­di­cal na for­ma de atu­a­ção. O pe­di­do de des­cul­pas em que ela con­fes­sa­rá seus cri­mes po­de ser o co­me­ço de um no­vo tem­po.

mi­ri­am­lei­tao@oglo­bo.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.