Mi­nis­té­rio da Saú­de cru­za da­dos con­tra ‘má­fia da ju­di­ci­a­li­za­ção’

Correio da Bahia - - Brasil -

FRAU­DES O Mi­nis­té­rio da Saú­de ini­ci­ou uma in­ves­ti­ga­ção so­bre a exis­tên­cia da “má­fia da ju­di­ci­a­li­za­ção”. Há um mês, uma equi­pe da as­ses­so­ria ju­rí­di­ca da pas­ta foi des­ta­ca­da pa­ra cru­zar da­dos de mé­di­cos, pa­ci­en­tes, ad­vo­ga­dos e juí­zes. A ideia é iden­ti­fi­car gru­pos que te­nham atu­a­do ao lon­go dos úl­ti­mos anos pa­ra ob­ter van­ta­gens nas ações que co­bram do po­der pú­bli­co re­mé­di­os não ofe­re­ci­dos no Sis­te­ma Úni­co de Saú­de (SUS). O mi­nis­tro da Saú­de, Ricardo Bar­ros, afir­mou que o re­la­tó­rio, pres­tes a ser con­cluí­do, se­rá enviado pa­ra a Po­lí­cia Fe­de­ral. Um es­tu­do se­me­lhan­te es­tá em cur­so no Con­se­lho Na­ci­o­nal de Justiça. As­so­ci­a­ções de pa­ci­en­tes clas­si­fi­cam as in­ves­ti­ga­ções co­mo uma es­tra­té­gia pa­ra des­vi­ar o fo­co da dis­cus­são. “A ideia é ten­tar ti­rar a le­gi­ti­mi­da­de de um mo­vi­men­to que sur­giu jus­ta­men­te em res­pos­ta à fal­ta de atu­a­ção do Es­ta­do. De ten­tar trans­for­mar uma rei­vin­di­ca­ção le­gí­ti­ma em ação de um gru­po de apro­vei­ta­do­res”, afir­mou An­toi­ne Daher, da Ca­sa Hun­ter, as­so­ci­a­ção que reú­ne pa­ci­en­tes, fa­mi­li­a­res e mé­di­cos es­pe­ci­a­li­za­dos em do­en­ças ra­ras. “Se abu­sos acon­te­cem, têm de ser pu­ni­dos. Mas a dis­cus­são é ou­tra”. A es­ti­ma­ti­va do Mi­nis­té­rio da Saú­de é de que nes­te ano se­ja de­sem­bol­sa­do R$ 1,7 bi­lhão pa­ra a com­pra de re­mé­di­os de­ter­mi­na­da por sen­ten­ças ju­di­ci­ais. En­tre ja­nei­ro e ju­lho, a pas­ta res­pon­deu a 16.301 ações que tra­tam do for­ne­ci­men­to de me­di­ca­men­tos. O nú­me­ro é su­pe­ri­or ao que foi re­gis­tra­do em 2015: 14.940. En­tre 2010 e 2015, os gas­tos pa­ra com­pra de re­mé­di­os de­ter­mi­na­dos por sen­ten­ças su­bi­ram 727%. “Saú­de não tem pre­ço. Mas tem um cus­to e al­guém te­rá de pa­gar pe­lo for­ne­ci­men­to dos me­di­ca­men­tos que não es­ta­vam pre­vis­tos na lis­ta”, afir­mou Bar­ros. O mi­nis­tro ar­gu­men­ta que, pa­ra cum­prir as sen­ten­ças, ações pro­gra­ma­das na Saú­de pre­ci­sam ser in­ter­rom­pi­das. O pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal dos Por­ta­do­res de Do­en­ças de Gau­cher e ou­tras Do­en­ças Ra­ras, Pe­dro Ste­li­an, dis­cor­da. Ele atri­bui as ações na Justiça à ino­pe­rân­cia do Mi­nis­té­rio da Saú­de. “O SUS ofe­re­ce me­di­ca­men­to ape­nas pa­ra uma do­en­ça ra­ra, a de Gau­cher”, dis­se. “Ne­nhu­ma das de­mais es­tá con­tem­pla­da. O que pa­ci­en­tes de­vem fa­zer? Es­pe­rar mor­rer?”. Daher afir­ma que os pe­di­dos pa­ra in­cor­po­ra­ção dos re­mé­di­os no SUS es­bar­ram na ava­li­a­ção so­bre o im­pac­to econô­mi­co do tra­ta­men­to. “Es­se ti­po de aná­li­se nun­ca é fei­to pe­las em­pre­sas pa­ra do­en­ças ra­ras. E não há co­mo fa­zer, pois o nú­me­ro de pa­ci­en­tes com pro­ble­ma é mui­to re­du­zi­do. A ló­gi­ca tem de ser ou­tra”. Ste­li­an afir­ma que to­dos os pa­ci­en­tes com di­ag­nós­ti­co de do­en­ças ul­trar­ra­ras que in­gres­sa­ram na Justiça con­se­gui­ram o di­rei­to do for­ne­ci­men­to do re­mé­dio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.