Tá re­bo­ca­do

Correio da Bahia - - Mundo - Thais.bor­ges@re­de­bahia.com.br

A pro­fes­so­ra Tai­nã Ro­dri­gues, 36 anos, ain­da es­tá cal­cu­lan­do o pre­juí­zo do des­cui­do. Na ter­ça-fei­ra, vés­pe­ra do fe­ri­a­do de 12 de ou­tu­bro, dei­xou o car­ro de­pois da úl­ti­ma de uma sequên­cia de pla­cas que proi­bi­am es­ta­ci­o­na­men­to na Rua Jo­sé Du­ar­te, no To­ro­ró. En­trou no Hos­pi­tal Mar­ta­gão Ges­tei­ra, on­de tra­ba­lha, e só saiu al­gu­mas ho­ras de­pois, no in­ter­va­lo pa­ra o al­mo­ço. Mas te­ve uma sur­pre­sa ao sair: o veí­cu­lo não es­ta­va lá.

O pri­mei­ro pen­sa­men­to – de que po­de­ria ter si­do rou­ba­do – foi afas­ta­do após co­mer­ci­an­tes que tra­ba­lha­vam por ali de­ram a ex­pli­ca­ção. A Tran­sal­va­dor pas­sou e re­mo­veu o veí­cu­lo. De guin­cho, o car­ro de Tai­nã foi le­va­do a um dos pá­ti­os do ór­gão, na Ave­ni­da Vas­co da Ga­ma. “Qu­an­do fui na Tran­sal­va­dor, eles dis­se­ram que a le­gis­la­ção mu­dou. Ago­ra, após a úl­ti­ma pla­ca que proí­be, eu te­nho que con­tar 30 me­tros e só de­pois es­ta­ci­o­nar. O que me dei­xou sur­pre­sa é que só o meu foi le­va­do e os ou­tros fi­ca­ram lá, por­que o meu era o úl­ti­mo”, con­ta.

Mas não tem jei­to. Qu­em es­ta­ci­o­na er­ra­do tem gran­des chan­ces de ter o car­ro guin­cha­do. Se­gun­do a Tran­sal­va­dor, fo­ram 18,4 mil car­ros apre­en­di­dos de ja­nei­ro a se­tem­bro des­te ano. O nú­me­ro já é mai­or do que to­do o to­tal do ano pas­sa­do (18,3 mil). En­tre ja­nei­ro e se­tem­bro de 2015, fo­ram 16,7 mil veí­cu­los re­mo­vi­dos.

De­pois, vem a cor­re­ria pa­ra re­ti­rar o car­ro. No ca­so de Tai­nã, a ten­ta­ti­va era na­que­le mes­mo dia, ter­ça. Is­so por­que se não fos­se, só na quin­ta, dia 14 – nos fe­ri­a­dos, não há aten­di­men­to na Ge­rên­cia de Trân­si­to, se­tor da Tran­sal­va­dor res­pon­sá­vel pe­las li­be­ra­ções. Só que, as­sim, em vez de uma diá­ria, se­ri­am três. “Eu ain­da ti­nha ou­tras mul­tas, mas tem a op­ção de pa­gar com o em­pla­ca­men­to e par­ce­lar. Tem vá­ri­as ques­tões, mas, nes­sa brin­ca­dei­ra, eu ti­ve um cus­to de mais de R$ 700. E foi por des­co­nhe­ci­men­to, por­que eu não sa­bia da pla­ca”, la­men­tou.

BUS­CAR AL­TER­NA­TI­VA

Di­an­te de tan­tos ca­sos co­mo o de­la, o su­pe­rin­ten­den­te da Tran­sal­va­dor, Fa­briz­zio Mul­ler, acre­di­ta que, além do au­men­to da fis­ca­li­za­ção, exis­te um pro­ble­ma cul­tu­ral que in­flu­en­cia o com­por­ta­men­to das pes­so­as e aca­ba le­van­do a es­se al­to nú­me­ro de in­fra­ções. “Tal­vez te­nha um nú­me­ro in­su­fi­ci­en­te de va­gas, de­vi­do à de­man­da mai­or, mas is­so não po­de ser­vir de des­cul­pa pa­ra des­cum­prir a le­gis­la­ção. A pes­soa tem que pro­cu­rar uma al­ter­na­ti­va ou se des­lo­car pa­ra o lo­cal de for­ma al­ter­na­ti­va, usan­do trans­por­te pú­bli­co”, su­ge­re.

Em Sal­va­dor, são pou­co mais de 10,4 mil va­gas de Zo­na Azul. Ain­da as­sim, pa­ra Mul­ler, o pro­ble­ma é que es­se ti­po de si­tu­a­ção é re­cen­te. Até 2002, a fro­ta da ci­da­de fi­ca­va em tor­no dos 360 mil veí­cu­los. Em ju­nho des­te ano, se­gun­do o De­tran, já pas­sa­va dos 930 mil.

“E eu no­to uma re­sis­tên­cia gran­de ao pa­ga­men­to de es­ta­ci­o­na­men­to. Ou­tro dia, te­ve um show na Con­cha (Acús­ti­ca) e o es­ta­ci­o­na­men­to era R$ 20. Ti­nha va­gas (no es­ta­ci­o­na­men­to), mas as ru­as es­ta­vam lo­ta­das em lo­cais proi­bi­dos. As pes­so­as re­sis­tem a pa­gar, mas po­dem aca­bar pa­gan­do mais ca­ro de­pois”, co­men­ta.

Ain­da se­gun­do Mul­ler, ho­je, o ór­gão tem mais es­tru­tu­ra pa­ra as ope­ra­ções de fis­ca­li­za­ção. An­tes, só ti­nha um pá­tio dis­po­ní­vel, nos Bar­ris. Des­de o ano pas­sa­do, há ou­tros dois es­pa­ços con­tra­ta­dos. Com ca­pa­ci­da­de mai­or, pa­ra três mil veí­cu­los, os pá­ti­os fi­cam na Vas­co da Ga­ma e em Mus­su­run­ga. O dos Bar­ris tem ca­pa­ci­da­de pa­ra pou­co mais de mil car­ros.

SEM RES­PEI­TO

Mas a si­tu­a­ção tam­bém não é fá­cil pa­ra o ou­tro la­do: o agen­te, que pre­ci­sa au­tu­ar o in­fra-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.