Fal­ta de va­gas, es­tres­se e cul­tu­ra ex­pli­cam in­fra­ções

Correio da Bahia - - Mais -

O al­to nú­me­ro de veí­cu­los re­mo­vi­dos em Sal­va­dor po­de ser ex­pli­ca­do por um con­jun­to de fa­to­res, na opi­nião do edu­ca­dor de trân­si­to Ro­dri­go Ra­ma­lho, es­pe­ci­a­lis­ta em com­por­ta­men­to. São eles: ofer­ta de va­gas (ou fal­ta de­la), fis­ca­li­za­ção efi­ci­en­te, es­tres­se e cul­tu­ra.

“O trân­si­to es­tá mui­to vin­cu­la­do aos com­pro­mis­sos pes­so­ais das pes­so­as. Mui­tas ve­zes, o ob­je­ti­vo mai­or es­tá na­que­le en­de­re­ço. A pes­soa es­tá fo­ca­da em re­a­li­zar aque­la ta­re­fa. Com o fa­tor es­tres­se, as pes­so­as não en­con­tram lo­cal pa­ra es­ta­ci­o­nar nas ci­da­des, que não fo­ram bem pla­ne­ja­das e que têm que li­dar com o cres­ci­men­to da fro­ta”, ex­pli­ca ele.

É jus­ta­men­te de­vi­do ao que ele cha­ma de “fa­tor es­tres­se” que o mo­to­ris­ta aca­ba ce­den­do à an­si­e­da­de e pa­ran­do o car­ro em lo­cal proi­bi­do. “E uma coi­sa que con­tri­bui tam­bém é a cul­tu­ra do bra­si­lei­ro. Nós não apren­de­mos a cum­prir re­gras. Mui­tos anos atrás, éra­mos um país co­lo­ni­al, en­tão, tí­nha­mos que res­pei­tar a fi­gu­ra do rei per­so­ni­fi­ca­da. Es­sa au­to­ri­da­de de res­pei­tar so­men­te a au­to­ri­da­de per­so­ni­fi­ca­da aca­ba sen­do mai­or que as leis. A gen­te não apren­deu a res­pei­tar as leis”.

Se­gun­do Ra­ma­lho, é co­mum que mo­to­ris­tas di­gam que são ví­ti­mas de uma “in­dús­tria da mul­ta”. Só que, pa­ra ele, is­so não pas­sa de uma de­fe­sa psi­co­ló­gi­ca – afi­nal, a pes­soa sa­be que co­me­teu a in­fra­ção, que foi fla­gra­da fa­zen­do o que não de­ve­ria. “Mas ain­da fi­ca no in­cons­ci­en­te das pes­so­as que trans­gre­dir faz par­te”.

Por is­so, o es­pe­ci­a­lis­ta de­fen­de que a edu­ca­ção dos con­du­to­res se­ja con­tí­nua. Na opi­nião de­le, de­pois de um de­ter­mi­na­do pe­río­do – cin­co anos, por exem­plo – os mo­to­ris­tas de­ve­ri­am vol­tar pa­ra a sa­la de au­la, se­ja pa­ra fa­zer al­gum ti­po de cur­so de atu­a­li­za­ção ou de aper­fei­ço­a­men­to. Cam­pa­nhas edu­ca­ti­vas até são ne­ces­sá­ri­as, mas não bas­tam, se­gun­do o es­pe­ci­a­lis­ta. “O con­du­tor bra­si­lei­ro só mu­da qu­an­do dói no bol­so, mas ain­da não te­mos, em nos­sa le­gis­la­ção, es­sa obri­ga­to­ri­e­da­de, nem que se­ja só uma pa­les­tra. Mas o cur­so não po­de ser mui­to teó­ri­co, o ide­al é que te­nha exem­plos prá­ti­cos”, afir­mou.

Mes­mo con­cor­dan­do que os bai­a­nos não são os me­lho­res mo­to­ris­tas no trân­si­to, ele não diz que são os mais im­pru­den­tes. “Tem con­du­to­res que são me­lho­res que nós, bai­a­nos, sim. Se ana­li­sar­mos edu­ca­ção e cor­te­sia, são os de Bra­sí­lia e Cu­ri­ti­ba”. Os bai­a­nos, na opi­nião de­le, não res­pei­tam fai­xas – se­ja a de pe­des­tres, se­ja a fai­xa em que se es­tá tra­fe­gan­do. “Mas, por exem­plo, o pes­so­al de São Pau­lo é mais agres­si­vo. Ca­ri­o­ca tem uma ve­lo­ci­da­de mé­dia mui­to al­ta e cos­tu­ma ser mais re­la­xa­do com cin­to de se­gu­ran­ça”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.