O juiz Mo­ro e o fra­de Sa­vo­na­ro­la

Correio da Bahia - - Mais -

O pro­fes­sor Ro­gé­rio Cer­quei­ra Lei­te pu­bli­cou um ar­ti­go na Fo­lha de S. Pau­lo com­pa­ran­do o juiz Sér­gio Mo­ro ao fra­de do­mi­ni­ca­no Gi­ro­la­mo Sa­vo­na­ro­la, que bar­ba­ri­zou a vi­da de Flo­ren­ça no fi­nal do sé­cu­lo

XV. Era uma épo­ca em que os pre­ga­do­res ti­nham a po­pu­la­ri­da­de dos ro­quei­ros de ho­je. Vi­si­o­ná­rio, de­ma­go­go, mo­ra­lis­ta e as­cé­ti­co, Sa­vo­na­ro­la in­cen­di­ou a ci­da­de aba­ti­da por uma in­va­são es­tran­gei­ra, pe­la fra­que­za de sua eli­te, mais a pes­te, fo­me, mis­ti­cis­mo e su­pers­ti­ções.

Sa­vo­na­ro­la foi ex­co­mun­ga­do pe­lo pa­pa Ale­xan­dre VI (pai de pe­lo me­nos oi­to fi­lhos), e, qu­an­do sua li­de­ran­ça po­pu­lar en­fra­que­ceu-se, aca­bou pre­so, tor­tu­ra­do, en­for­ca­do e quei­ma­do. (Tem­pos de­pois, apa­re­ce­ram flo­res no lu­gar do pa­tí­bu­lo. A re­tó­ri­ca pa­pis­ta pa­tru­lhou a me­mó­ria do fra­de com ta­ma­nha efi­cá­cia que a ci­da­de de Flo­ren­ça le­vou 400 anos pa­ra ho­me­na­geá-lo com uma lá­pi­de no pon­to da pra­ça on­de ma­ta­ram-no).

Cer­quei­ra Lei­te con­cluiu seu ar­ti­go ro­gan­do uma pra­ga: “Cui­da­do, Mo­ro, o des­ti­no dos mo­ra­lis­tas fa­ná­ti­cos é a fo­guei­ra. Só vai vos­me­cê so­bre­vi­ver en­quan­to Lu­la e o PT es­ti­ve­rem vi­vos e atu­an­tes. Ou se­ja, en­quan­to vo­cê e seus pro­mo­to­res fo­rem úteis pa­ra a eli­te po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra”. Di­as de­pois, Mo­ro res­pon­deu ao pro­fes­sor com uma car­ta. Cur­ta, di­zia o se­guin­te:

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.