Pi­o­nei­ris­mo na Bahia

Correio da Bahia - - Vida -

En­cer­ra ho­je no Mu­seu de Ar­te da Bahia, Cor­re­dor da Vi­tó­ria, a ex­po­si­ção Li­vros de Ar­tis­ta, uma co­le­ti­va in­ter­na­ci­o­nal que apre­sen­ta ao gran­de pú­bli­co pe­la pri­mei­ra vez na Bahia, 50 li­vros de ar­tis­tas do Bra­sil, Por­tu­gal, Es­pa­nha e Ja­pão, com cu­ra­do­ria de Da­ni­e­la Ste­el e apoio de An­drea May e Ale­jan­dra Muñoz. En­tre os tí­tu­los que es­sa ex­po­si­ção apre­sen­ta es­tão os li­vros dos ar­tis­tas Mi­guel Cor­dei­ro, Ma­ria Adair, Gra­ça Ra­mos, dos por­tu­gue­ses mes­tre e es­cul­tor Jo­sé Ro­dri­gues e Su­sa­na Bra­vo, da ja­po­ne­sa Ma­mi Hi­gu­chi e do es­pa­nhol Se­a­ra.

O pro­je­to Li­vros de Ar­tis­ta é uma for­ma de pro­du­ção de ar­te, na qual, o li­vro se tor­na o su­por­te ar­tís­ti­co pa­ra ex­pe­ri­men­ta­ções es­té­ti­cas. Em sua con­cep­ção e exe­cu­ção, uti­li­za-se de uma di­ver­si­da­de de lin­gua­gens, co­mo de­se­nho, pin­tu­ra, es­cul­tu­ra, ins­ta­la­ção, fo­to­gra­fia, gra­vu­ra, etc. Po­dem apre­sen­tar-se co­mo li­vro de ar­tis­ta, li­vro-po­e­ma, po­e­ma-li­vro, li­vro-obra ou li­vro-ob­je­to, em que ex­plo­ra sua es­tru­tu­ra e ma­te­ri­a­li­da­de. Os Li­vros de Ar­tis­ta são pro­du­zi­dos por ar­tis­tas, na sua mai­o­ria pa­ra ma­nu­seio di­re­to, as­sim pos­si­bi­li­tan­do uma apro­xi­ma­ção fí­si­ca, tá­til e vi­su­al com a pro­du­ção ar­tís­ti­ca. Es­ta lin­gua­gem sur­giu no Bra­sil na dé­ca­da de 1960, po­rém nos úl­ti­mos tem­pos tem ga­nha­do es­pa­ço en­tre ar­tis­tas vi­su­ais que ele­gem os mais va­ri­a­dos te­mas pa­ra nor­te­ar seu tra­ba­lho plás­ti­co com pro­pos­tas di­nâ­mi­cas e des­con­traí­das.

Os Li­vros de Ar­tis­ta são sem­pre edi­ções es­pe­ci­ais, são es­pa­ços de cri­a­ção, on­de se ex­plo­ram vá­ri­os ti­pos de nar­ra­ti­vas, são lo­cais pri­vi­le­gi­a­dos pa­ra ex­pe­ri­ên­ci­as plás­ti­cas e ou­tros afins. É de ex­tre­ma im­por­tân­cia o de­se­nho das pa­la­vras, as pa­la­vras co­mo ima­gens, as ima­gens co­mo pa­la­vras, com igual re­le­vân­cia poé­ti­ca. O Li­vro de Ar­tis­ta po­de ser o re­gis­tro de um pro­ces­so cri­a­ti­vo ou o pró­prio ob­je­to ar­tís­ti­co. A cai­xa de Marcel Du­champ (1887–1968) é con­si­de­ra­da a pri­mei­ra pro­du­ção des­te ti­po e da­ta­da de 1914.

O ide­al é que pos­sa ser ma­nu­se­a­do, fi­can­do mar­cas do pro­ces­so de in­te­ra­ção. O li­vro é en­ten­di­do ne­le mes­mo co­mo uma obra de ar­te, não são li­vros com re­pro­du­ções de obras de ar­tis­tas ou ape­nas um tex­to ilus­tra­do por um ar­tis­ta.

Ar­tis­tas es­tão sem­pre bus­can­do ino­var seu es­to­que de ide­a­ções. A ca­da tem­po uma no­va in­ves­ti­ga­ção, que fo­ge aos pa­drões e téc­ni­cas tra­di­ci­o­nais. Os Li­vros de Ar­tis­ta são pou­co fa­mi­li­a­res ao gran­de pú­bli­co e pou­co se vê fo­ra do ate­liê e co­le­ções par­ti­cu­la­res. É uma área fe­cha­da nas ar­tes plás­ti­cas e são qua­se ina­ces­sí­veis.

O Li­vro de Ar­tis­ta exis­te no Bra­sil em gran­de quan­ti­da­de, mas não cir­cu­la. Exis­te enor­me va­ri­e­da­de de en­fo­ques e con­cep­ções. Es­se pro­ces­so é mui­to in­ti­mis­ta, pois apre­sen­ta não só ima­gens, ris­ca­du­ras, mas fra­ses que fun­ci­o­nam co­mo ca­tar­ses, de­sa­ba­fos, me­mó­ri­as, re­cu­pe­ra­ções.

Mui­tas ve­zes o in­ti­mis­mo é tão pro­fun­do que o ar­tis­ta ini­be-se em tor­ná-lo pú­bli­co, fa­zen­do uma au­to­cen­su­ra que cau­sa mais mal do que bem. Re­ve­lar-se é tor­na-se pró­xi­mo de si mes­mo, com er­ros e acer­tos, trans­gres­sões ou não. Ne­gar o eu é ne­gar-se, e qu­an­do se ne­ga al­go, es­te al­go não exis­te. Es­tes li­vros não se pren­dem a pa­drões de for­ma ou fun­ci­o­na­li­da­de, são veí­cu­los de per­cep­ções. Vão de en­con­tro às téc­ni­cas de reprodução de mas­sa. No Bra­sil, a ex­pe­ri­ên­cia de Li­vros de Ar­tis­ta nas­ce do en­con­tro en­tre po­e­tas e ar­tis­tas vi­su­ais nos pe­río­dos Con­cre­to e Ne­o­con­cre­to, fi­nal dos anos 50 e iní­cio dos 60. Em 30 de se­tem­bro de 1947 foi pu­bli­ca­do pe­las Edi­ções Ver­ve de Pa­ris o li­vro Jazz de Ma­tis­se, uma obra-pri­ma que re­vo­lu­ci­o­nou o con­cei­to de li­vro. Du­ran­te a dé­ca­da de 70, ti­ve­mos uma ex­plo­são de li­vros-ob­je­to. Di­ver­sos ar­tis­tas bra­si­lei­ros pro­du­zi­ram li­vros-ob­je­to, co­mo Arthur Bar­rio, Ly­gia Clark, An­to­nio Di­as, Wal­tér­cio Cal­das, Mi­ra Schen­del, Alex Ham­bur­guer, Del­son Uchoa, Au­gus­to de Cam­pos, Ju­lio Pla­za, Liu­ba, Re­ni­na Katz, Ly­gia Pa­pe.

Es­ta ex­po­si­ção do Mu­seu de Ar­te da Bahia se re­ver­te de gran­de im­por­tân­cia pe­lo pi­o­nei­ris­mo na Bahia.

crc.ro­me­ro@hot­mail.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.