Qual o nos­so lu­gar?

Correio da Bahia - - Front Page -

Olhar o seu lu­gar com olhos de sau­da­de pro­por­ci­o­na a ine­go­ciá­vel ex­pe­ri­ên­cia de per­ce­ber nu­an­ces an­tes es­con­di­das na pai­sa­gem. Ca­da cur­va revela uma cor, um ris­qui­nho de sol e a me­mó­ria afe­ti­va aci­o­na o in­trin­ca­do me­ca­nis­mo apa­ren­te­men­te sim­ples do “é aqui” meu can­to, meu es­pa­ço, meu lu­gar no mun­do.

Se­gui­mos a vi­da de­mar­can­do ter­ri­tó­rio, por ve­zes, fin­can­do ban­dei­ras. Pas­so adi­an­te, mas­tro. Bar­rei­ra ven­ci­da, ter­re­no ocu­pa­do. En­con­trar nos­so es­pa­ço é tam­bém, e tal­vez so­bre­tu­do, con­quis­ta.

“Somos do ta­ma­nho de nos­sos so­nhos”. Di­ria a Fer­nan­do Pes­soa que po­de­mos ser mai­o­res do que acre­di­ta­mos ser. Acom­pa­nhar o nos­so fu­te­bol é co­mo ob­ser­var Ali­ce es­cor­re­gan­do pela to­ca do co­e­lho. À por­ta do País das Ma­ra­vi­lhas, gran­de ou pe­que­na de­mais pa­ra des­co­brir o en­cai­xe per­fei­to.

Vi­ve­mos por aqui o mes­mo di­le­ma in­fan­to-ju­ve­nil na bus­ca por ade­qua­ção, en­co­lhen­do e es­ti­can­do, ano a ano, con­for­me os acon­te­ci­men­tos, da Sé­rie A pa­ra a Sé­rie B e no­va­men­te pa­ra a Sé­rie A, em ci­clo in­fi­ni­to, su­jei­tos às in­tem­pé­ri­es im­pre­vi­sí­veis das vol­tas da bo­la. Pro­cu­ran­do sem­pre o nos­so lu­gar no mun­do do fu­te­bol.

A es­ta­tís­ti­ca fria mos­tra, po­rém, que a ca­da vez que nos en­co­lhe­mos per­de­mos na vol­ta um pou­co da nos­sa gran­de­za. Com a ins­ti­tui­ção dos pon­tos cor­ri­dos em 2003, o Bahia pas­sou ape­nas cin­co das 14 tem­po­ra­das en­tre os clu­bes da eli­te (2003, 2011, 2012, 2013 e 2014) – três co­mo co­ad­ju­van­te, du­as na zo­na do re­bai­xa­men­to. O Vi­tó­ria vai um pou­co me­lhor: oi­to anos en­tre os 20 mai­o­res do Bra­sil, com men­ção hon­ro­sa pa­ra o quin­to lu­gar de 2013.

Mui­to pou­co. O Bahia pre­ci­sa mos­trar ma­tu­ri­da­de, dei­xar de la­do o dis­cur­so pron­to do bi­cam­peão e pro­var que é gran­de de­mais pa­ra pa­re­ar com Lu­ver­den­se, Lon­dri­na, Oes­te, Tu­pi ou Sam­paio Cor­rêa. Fes­ta por ven­cer o Bra­sil de Pe­lo­tas na Fon­te No­va, por 1x0, é sin­to­ma da re­a­li­da­de – mais pro­va de alí­vio que de for­ça da tor­ci­da tri­co­lor.

Se seu lu­gar é mes­mo a Sé­rie A, é ne­ces­sá­rio se re­co­nhe­cer gran­de o su­fi­ci­en­te pa­ra fa­zer fren­te a Fla­men­go, Co­rinthi­ans, Pal­mei­ras, Atlé­ti­co-MG. De­mar­car ter­ri­tó­rio, fin­car ban­dei­ra, se es­ta­be­le­cer. Res­pei­tar-se pa­ra ser res­pei­ta­do.

Ao Vi­tó­ria ca­be dar fim à os­ci­la­ção que le­vou o clu­be de quin­to em 2013 a re­bai­xa­do em 2014. Evi­tar o efei­to A-B que se es­ta­be­le­ceu, com al­gu­ma va­ri­a­ção, nos úl­ti­mos sete anos. Dar fim à al­ter­nân­cia que co­lo­ca in­va­ri­a­vel­men­te os mes­mos no po­der. Mais que per­ma­ne­cer en­tre os 20, acre­di­tar que, com o G6, a Li­ber­ta­do­res é pos­si­bi­li­da­de pa­ra 2018.

Ca­so con­trá­rio, se­gui­re­mos per­di­dos na eter­na bus­ca por es­pa­ço. Olhan­do o pas­sa­do com olhos de sau­da­de, en­xer­gan­do as co­res que há mui­to não ve­mos, in­cons­ci­en­tes de que en­co­lhe­mos com o tem­po e o nos­so lu­gar no mun­do não é mais aqui. Es­cor­re­gan­do pela to­ca do co­e­lho, quem sa­be on­de va­mos pa­rar?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.