Pe­din­do pra cair

Correio da Bahia - - Front Page - Alexandre Ly­rio

O Sport es­te­ve lon­ge de ser um gran­de opo­nen­te. Mui­to lon­ge. Cheio de de­fi­ci­ên­ci­as téc­ni­cas, o Leão do Re­ci­fe é cor­re­ria pu­ra e pou­ca ob­je­ti­vi­da­de. Nem mes­mo os 24.138 tor­ce­do­res pre­sen­tes na Ilha do Re­ti­ro pa­re­ce­ram fa­zer di­fe­ren­ça. Mais uma vez, uma coi­sa fi­cou clara: o Vi­tó­ria é o seu pi­or ad­ver­sá­rio.

O Leão da Bar­ra não che­gou a ter uma atu­a­ção pí­fia. Não. Lon­ge dis­so tam­bém. Mas os er­ros in­di­vi­du­ais... Ah, sem­pre eles. A di­fe­ren­ça é que des­sa vez os er­ros não acon­te­ce­ram na de­fe­sa, co­mo nor­mal­men­te têm ocor­ri­do des­de o iní­cio do Bra­si­lei­rão.

On­tem, o Vi­tó­ria er­rou no ata­que. Dois pê­nal­tis per­di­dos ain­da no pri­mei­ro tem­po trans­for­ma­ram uma par­ti­da que po­de­ria sig­ni­fi­car um sal­to na ta­be­la em uma noi­te de­sas­tro­sa. Dois pê­nal­tis per­di­dos em me­nos de qua­tro mi­nu­tos: um mar­ca­do aos dez e o ou­tro aos 13. Aí não dá, né? Tá pe­din­do pa­ra cair!

Tu­do bem, no iní­cio o Sport par­tiu com tu­do e, as­sim, na ba­se da pres­são, fez 1x0 com um gol de Di­e­go Sou­za. Be­lo chu­te de ca­nho­ta. Mas o Vi­tó­ria equi­li­brou as ações, co­me­çou a che­gar com cons­ci­ên­cia e cri­ou bo­as chan­ces. Foi aí que se­gui­ram os dois lan­ces que po­de­ri­am mu­dar a his­tó­ria da par­ti­da. Os dois er­ros co­me­ti­dos pe­los dois prin­ci­pais ar­ti­lhei­ros do ti­me: Ki­e­za e Zé Lo­ve.

Cu­ri­o­sa­men­te, no dia em que o la­te­ral Di­e­go Re­nan, co­bra­dor ofi­ci­al de pê­nal­ti do Vi­tó­ria, foi sa­ca­do por op­ção téc­ni­ca, o Leão te­ve pe­na­li­da­des de so­bra a seu fa­vor. Ti­a­go Re­al co­brou es­can­teio, Mar­ce­lo des­vi­ou de ca­be­ça e Matheus Fer­raz le­vou a mão à bo­la. Zé Lo­ve par­tiu e Ma­grão de­fen­deu. “A gen­te nun­ca ba­te um pê­nal­ti com a in­ten­ção de er­rar, né?”, dis­se Zé Lo­ve no in­ter­va­lo.

A de­cep­ção vi­rou no­va­men­te es­pe­ran­ça. A bo­la che­gou em Ki­e­za, que ba­teu de vo­leio e Ma­grão es­pal­mou. No re­bo­te, os jo­ga­do­res do Vi­tó­ria pe­di­ram pê­nal­ti em Cár­de­nas. Ini­ci­al­men­te o juiz deu es­can­teio. Mas em seguida vol­tou atrás. Mas não adi­an­tou na­da. K9 acer­tou a tra­ve.

À rá­dio Me­tró­po­le, Ki­e­za re­ve­lou que não se­ria ele a co­brar o pê­nal­ti. “Quem ba­te é o Zé Lo­ve, de­pois o Cár­de­nas”, dis­se na en­tre­vis­ta. Acon­te­ce que o grin­go ca­mi­sa 10 saiu de cam­po após a pan­ca­da que cul­mi­nou no pê­nal­ti. O ár­bi­tro An­dré Luiz de Freitas Cas­tro im­pe­diu que o pa­ra­guaio vol­tas­se a cam­po pa­ra co­brar. “Ele não dei­xou o Cár­de­nas en­trar. Mas, in­fe­liz­men­te a gen­te per­deu, acon­te­ce. Bo­la pa­ra fren­te”, ex­pli­cou Ki­e­za. As du­as per­das fo­ram mo­ti­vo de cha­co­ta do Twitter ofi­ci­al do Sport. “Aqui não. Mar­ca mais. O Ma­grão pe­ga”, es­cal­dou, em forma de hash­tags. Com os dois pê­nal­tis per­di­dos, o Vi­tó­ria le­vou um tem­po pa­ra en­trar no­va­men­te no jo­go.

Quan­do en­trou, pa­re­cia des­guar­ne­ci­do atrás. Aliás, ape­sar de feio tec­ni­ca­men­te, o jo­go ao me­nos foi aber­to. O Sport, jo­gan­do em ca­sa, não abria mão do ata­que. Ao Vi­tó­ria não res­ta­va ou­tra al­ter­na­ti­va a não ser ata­car. Nes­se lá e cá, o Sport che­ga­va com mais pe­ri­go.

Tan­to que, do meio pa­ra o fim do se­gun­do tem­po, o go­lei­ro Fer­nan­do Mi­guel sal­vou o ti­me. Mas ain­da ha­via a es­pe­ran­ça de um em­pa­te que dei­xas­se o ru­bro-ne­gro bai­a­no fo­ra da zo­na. Foi aí que o vo­lan­te Mar­ce­lo, aos 38 mi­nu­tos, foi ex­pul­so por re­cla­ma­ção. Era mais uma com­pro­va­ção da te­se do iní­cio des­se tex­to: o Vi­tó­ria é o seu pi­or ad­ver­sá­rio.

Zé Lo­ve e Ki­e­za, à di­rei­ta, ti­ve­ram a chan­ce de em­pa­tar o jo­go pa­ra o Vi­tó­ria, mas des­per­di­ça­ram. Leão da Bar­ra per­de mais uma e ago­ra te­rá de se vi­rar pa­ra sair da zo­na de de­go­la

alexandre.ly­rio@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.