Sul-Ame­ri­ca­na? Quem li­ga?

Correio da Bahia - - Esporte -

Na úl­ti­ma se­ma­na, fo­mos sur­pre­en­di­dos com a no­tí­cia de que a Con­me­bol ha­via in­di­ca­do as seis va­gas bra­si­lei­ras na Co­pa Sul-Ame­ri­ca­na pa­ra o Bra­si­lei­rão. Com du­as va­gas a me­nos em re­la­ção aos anos an­te­ri­o­res, a CBF dei­xa­rá de ce­der es­pa­ço no tor­neio con­ti­nen­tal pa­ra os cam­peões da Co­pa do Nor­des­te e da Co­pa Ver­de. Pa­ra mui­tos, um aten­ta­do à prin­ci­pal com­pe­ti­ção da nos­sa re­gião, que fi­ca­ria en­fra­que­ci­da por per­der a chan­ce de ga­ran­tir um ti­me nor­des­ti­no além-fron­tei­ras.

Daí eu te per­gun­to: seu clu­be li­ga pa­ra a Co­pa Sul-Ame­ri­ca­na? Pois eu te ga­ran­to que não. O San­ta Cruz, es­te ano, pra­ti­ca­men­te abriu mão do tor­neio pa­ra se con­cen­trar no Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro, já que des­de o co­me­ço vi­ve si­tu­a­ção bas­tan­te de­li­ca­da. Pa­ra o Vi­tó­ria, não fez fal­ta ne­nhu­ma pros­se­guir na com­pe­ti­ção, já que a luta é por per­ma­nên­cia na Sé­rie A. Se um clu­be que dis­pu­ta a Sé­rie C fos­se cam­peão do Nor­des­te, te­ria imen­sas di­fi­cul­da­des em se de­di­car a du­as com­pe­ti­ções si­mul­tâ­ne­as. Se fos­se da Sé­rie D, nem se fa­la. A lo­gís­ti­ca atra­pa­lha, o ní­vel téc­ni­co não atrai e o ca­len­dá­rio no se­gun­do se­mes­tre é cru­el. Is­to tam­bém va­le pa­ra mui­tos clu­bes de ou­tras regiões, que pre­fe­rem se de­di­car ao na­ci­o­nal e dei­xam de la­do a se­gun­da di­vi­são do con­ti­nen­te. Re­su­min­do, é mui­to me­lhor ba­ta­lhar no Bra­si­lei­rão do que des­fi­lar na in­sos­sa Sul-Ame­ri­ca­na. A de­ci­são da Con­me­bol, de forma al­gu­ma, po­de in­flu­en­ci­ar no âni­mo da Co­pa do Nor­des­te. Em 2016, a com­pe­ti­ção é a quar­ta com mai­or mé­dia de pú­bli­co, atrás da Sé­rie A, da Primeira Li­ga e do Cam­pe­o­na­to Pau­lis­ta. Po­de­ria ter si­do mai­or, mas não con­tou com clu­bes tra­di­ci­o­nais co­mo Vi­tó­ria e Náu­ti­co. Além dis­so, o ní­vel téc­ni­co é mui­to mai­or que qual­quer tor­neio es­ta­du­al nor­des­ti­no, o que qua­li­fi­ca os clu­bes pa­ra dis­pu­ta­rem as qua­tro di­vi­sões do Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro. Uma va­ga na Sul-Ame­ri­ca­na não é ab­so­lu­ta­men­te na­da, per­to do que a “Lam­pi­ons Le­a­gue” po­de ofe­re­cer.

Não dis­pu­tar a Sul-Ame­ri­ca­na po­de ter pa­re­ci­do uma ab­sur­da jo­ga­da po­lí­ti­ca da CBF, que pra­ti­ca­men­te não se mo­bi­li­zou pa­ra rei­vin­di­car um di­rei­to ad­qui­ri­do pela Li­ga do Nor­des­te, mas po­de tam­bém ser­vir de in­cen­ti­vo pa­ra as equi­pes da re­gião. Aos que dis­pu­tam a Sé­rie A, pla­ne­ja­men­to pa­ra fi­car en­tre os seis pri­mei­ros co­lo­ca­dos e dis­pu­tar a Co­pa Li­ber­ta­do­res – es­sa sim, uma com­pe­ti­ção de mui­to mai­or res­pei­to. Aos que re­cla­mam da au­sên­cia do ma­ta-ma­ta no Bra­si­lei­ro é im­por­tan­te lem­brar que, pa­ra che­gar às fa­ses de­ci­si­vas, era ne­ces­sá­rio fi­car pe­lo me­nos en­tre os oi­to pri­mei­ros. Por is­so, es­tar en­tre os seis já é um prê­mio e tan­to, além de ser al­go fac­tí­vel com pla­ne­ja­men­to e cri­a­ti­vi­da­de. En­quan­to o cam­peão da Sul-Ame­ri­ca­na re­ce­be cer­ca de R$ 3 mi­lhões em prê­mi­os, o cam­peão nor­des­ti­no de­ve fa­tu­rar, em 2017, mais do que os atu­ais R$ 2,3 mi­lhões pa­gos pela Li­ga. Tu­do is­so com vi­a­gens mais cur­tas, exi­bi­ção de TVs aber­ta e fe­cha­da de to­dos os jogos e ri­va­li­da­des que po­ten­ci­a­li­zam o fa­tu­ra­men­to com bi­lhe­te­ria.

A luta dos clu­bes pre­ci­sa ser por uma Co­pa do Nor­des­te ain­da mais for­te. Es­ta­du­ais ca­da vez mais en­xu­tos pa­ra os que dis­pu­tam a com­pe­ti­ção, dei­xan­do o ca­len­dá­rio com par­ti­das mais atra­ti­vas e jogos me­nos en­fa­do­nhos. É pre­ci­so pro­cu­rar al­ter­na­ti­vas pa­ra ele­var ain­da mais o ní­vel téc­ni­co do tor­neio, fa­zen­do com que os clu­bes en­trem no Bra­si­lei­ro e Co­pa do Bra­sil ain­da mais for­tes, com pos­si­bi­li­da­des de bri­gar por va­gas na Co­pa Li­ber­ta­do­res e, qui­çá, pe­lo tí­tu­lo. O cho­ro de al­guns por es­ta­rem se sen­tin­do su­pos­ta­men­te ig­no­ra­dos po­de, se­gu­ra­men­te, se trans­for­mar num es­tri­den­te gri­to de li­ber­da­de.

A de­ci­são da Con­me­bol, de forma al­gu­ma, po­de in­flu­en­ci­ar no âni­mo da Co­pa do Nor­des­te. Em 2016, a com­pe­ti­ção é a quar­ta com mai­or mé­dia de pú­bli­co, atrás da Sé­rie A,

da Primeira Li­ga e do Cam­pe­o­na­to Pau­lis­ta. Po­de­ria ter si­do mai­or

el­ton.ser­ra@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.