Ma­pa do Te­sou­ro

Correio da Bahia - - Esporte - Ju­li­a­na.mon­ta­nha@re­de­bahia.com.br

O sonho de des­co­brir um te­sou­ro es­tá mais fá­cil do que se ima­gi­na. Com uma apli­ca­ção mí­ni­ma de R$ 30 é pos­sí­vel in­ves­tir no Te­sou­ro Di­re­to, pro­gra­ma fe­de­ral pa­ra com­pra e ven­da de tí­tu­los pú­bli­cos atra­vés da in­ter­net. A apli­ca­ção es­tá em al­ta – no mês de agos­to as ven­das to­ta­li­za­ram R$ 1,54 bi­lhão.

Pa­ra o pe­que­no in­ves­ti­dor, o Te­sou­ro Di­re­to é con­si­de­ra­do uma op­ção de in­ves­ti­men­to de bai­xo cus­to e se­gu­ra, com ren­di­men­to me­lhor do que outros ti­pos de in­ves­ti­men­tos co­mo CDB e Ca­der­ne­ta de Pou­pan­ça, por exem­plo (con­fi­ra os di­fe­ren­tes ren­di­men­tos de ca­da apli­ca­ção no qua­dro fei­to pe­lo eco­no­mis­ta Edí­sio Frei­re).

Ca­da vez mais pes­so­as es­tão co­nhe­cen­do es­se te­sou­ro. Ape­nas no mês de agos­to o pro­gra­ma re­gis­trou qua­se 45 mil no­vos ca­das­tros, al­can­çan­do 930.196 in­ves­ti­do­res no fi­nal do mês. Nos úl­ti­mos 12 me­ses o au­men­to de ca­das­tros no pro­gra­ma foi de 68,4%.

IDENTIFICANDO

O pri­mei­ro pas­so pa­ra in­ves­tir é co­nhe­cer os ti­pos de tí­tu­los que es­tão dis­po­ní­veis no pro­gra­ma. “São três modalidades. Exis­te o Te­sou­ro Pre­fi­xa­do, o Te­sou­ro Se­lic e o Te­sou­ro IPCA. No pri­mei­ro, o in­ves­ti­dor já sa­be qual se­rá o ren­di­men­to da sua apli­ca­ção no mo­men­to da com­pra”, ex­pli­ca o edu­ca­dor fi­nan­cei­ro e ide­a­li­za­dor do blog Qu­e­ro Fi­car Ri­co, Ra­fa­el Se­a­bra.

Nos outros dois ti­pos, o va­lor do ren­di­men­to é va­riá­vel. “No Te­sou­ro Se­lic o ren­di­men­to vai va­ri­ar de acor­do com a ta­xa Se­lic, co­mo diz o pró­prio no­me do tí­tu­lo. Nes­se ca­so, não sig­ni­fi­ca que o ren­di­men­to se­rá da da­ta que o tí­tu­lo foi ad­qui­ri­do ou ven­di­do, mas sim uma mé­dia do pe­río­do”. Já o Te­sou­ro IPCA, con­for­me in­di­ca Se­a­bra, é um pou­co dos dois. “O ren­di­men­to tem uma par­te pre­fi­xa­da, mas ela tam­bém acom­pa­nha o ín­di­ce in­fla­ci­o­ná­rio do go­ver­no. A apli­ca­ção vai ren­der o per­cen­tu­al re­fe­ren­te a es­ses dois nú­me­ros jun­tos”.

Sai­ba co­mo in­ves­tir no Te­sou­ro Di­re­to a par­tir de R$ 30

CHE­GAN­DO AO TE­SOU­RO Ape­sar da sim­pli­ci­da­de do in­ves­ti­men­to, o Te­sou­ro Di­re­to exi­ge o ca­das­tro em uma cor­re­to­ra, que fa­rá a me­di­a­ção en­tre o in­ves­ti­dor e o pro­gra­ma. “É aqui que mui­tos tra­vam, mas é tu­do bem fá­cil. O ca­das­tro na cor­re­to­ra é mui­to sim­ples e dá pra fa­zer todo pela in­ter­net. É co­mo uma con­ta no ban­co pa­ra o qual o in­ves­ti­dor trans­fe­re o di­nhei­ro”. Pa­ra fa­zer o ca­das­tro, se­rá pre­ci­so in­di­car RG, CPF, além dos com­pro­van­tes de ren­da e de re­si­dên­cia. “Uma vez que o di­nhei­ro es­tá na con­ta, o cli­en­te já po­de ver quais são os tí­tu­los dis­po­ní­veis e re­a­li­zar a com­pra”, in­di­ca. A par­tir do mo­men­to que a com­pra é fei­ta, de­ta­lha Ra­fa­el, o tí­tu­lo é re­gis­tra­do no no­me do in­ves­ti­dor.

No si­te do Te­sou­ro Di­re­to es­tão to­das as cor­re­to­ras ha­bi­li­ta­das a ope­rar pe­lo pro­gra­ma. “Lá, o in­ves­ti­dor vai en­con­trar tam­bém qual a ta­xa co­bra­da por ca­da uma, as­sim co­mo o vo­lu­me que elas mo­vi­men­tam”, in­di­ca edu­ca­do­ra fi­nan­cei­ra Cin­tia Sen­na.

Se­gun­do ela, an­tes de de­fi­nir qual tí­tu­lo com­prar, o in­ves­ti­dor de­ve ava­li­ar em que pra­zo ele pre­ci­sa do di­nhei­ro. “Is­so faz to­da a di­fe­ren­ça na ho­ra de apli­car. Pa­ra quem es­tá co­me­çan­do ou pre­ci­sa do re­cur­so a cur­tís­si­mo pra­zo, a me­lhor op­ção é o Te­sou­ro Se­lic”. Se o cli­en­te já sa­be pa­ra quan­do irá pre­ci­sar do di­nhei­ro, po­de com­prar o pre­fi­xa­do ou IPCA com ven­ci­men­to pa­ra a da­ta em ques­tão. “Pa­ra ter o me­lhor ren­di­men­to, es­ses dois ti­pos pre­ci­sam ser man­ti­dos

Te­sou­ro Pre­fi­xa­do com Ju­ros Se­mes­trais (NTN-F) É mais in­di­ca­do pa­ra quem de­se­ja uti­li­zar seus ren­di­men­tos pa­ra com­ple­men­tar sua ren­da a par­tir do mo­men­to da apli­ca­ção, pois es­se tí­tu­lo faz pa­ga­men­to de ju­ros a ca­da seis me­ses.

Te­sou­ro Se­lic (LFT) In­di­ca­do se vo­cê acre­di­ta que a ten­dên­cia da ta­xa Se­lic é de ele­va­ção, já que a ren­ta­bi­li­da­de des­se tí­tu­lo é in­de­xa­da à ta­xa de ju­ros bá­si­ca da eco­no­mia. O va­lor de mer­ca­do des­se tí­tu­lo apre­sen­ta bai­xa vo­la­ti­li­da­de, evi­tan­do per­das no ca­so de ven­da an­te­ci­pa­da.

Te­sou­ro IPCA+ (NTN-B Prin­ci­pal) pro­por­ci­o­na ren­ta­bi­li­da­de re­al, ou se­ja, ga­ran­te o au­men­to do po­der de com­pra do seu di­nhei­ro, pois seu ren­di­men­to é com­pos­to por du­as par­ce­las: uma ta­xa de ju­ros pre­fi­xa­da e a va­ri­a­ção da in­fla­ção (IPCA).

Te­sou­ro IPCA+ com Ju­ros Se­mes­trais (NTN-B) Tem a ren­ta­bi­li­da­de igual a mo­da­li­da­de an­te­ri­or, mas é mais in­te­res­san­te pa­ra quem de­se­ja uti­li­zar o ren­di­men­to pa­ra com­ple­men­tar sua ren­da a par­tir do mo­men­to da apli­ca­ção, com o pa­ga­men­to de ju­ros se­mes­tral­men­te

até o fi­nal” re­co­men­da a edu­ca­do­ra fi­nan­cei­ra.

Pa­ra quem es­tá acos­tu­ma­do com a pou­pan­ça, Ra­fa­el Se­a­bra apon­ta que o in­ves­ti­dor por com­prar di­ver­sos tí­tu­los com o mes­mo ven­ci­men­to, e as­sim eles irão acu­mu­lan­do. “Se es­tou pla­ne­jan­do a com­pra de um bem em três anos, por exem­plo, pos­so com­prar a ca­da mês um no­vo per­cen­tu­al de um mes­mo tí­tu­lo, com ven­ci­men­to, co­mo o fi­nal de 2019. Na da­ta em ques­tão, o in­ves­ti­dor res­ga­ta­rá tu­do de vez”, ex­pli­ca. TA­XAS APLICADAS

Além da co­mis­são da cor­re­to­ra, exis­tem du­as ta­ri­fas pa­ra quem apli­ca no Te­sou­ro Di­re­to. A primeira é o Im­pos­to de Ren­da, que é co­bra­do ape­nas so­bre o ren­di­men­to no mo­men­to do res­ga­te. Além dis­so, há uma pe­que­na ta­xa da BM&FBOVESPA de 0,30% ao ano, in­de­pen­den­te da cor­re­to­ra es­co­lhi­da, cha­ma­do de cus­tó­dia. “Es­se va­lor é re­fe­ren­te ao re­gis­tro do tí­tu­lo no no­me do in­ves­ti­dor, que é fei­to pela BM&FBOVESPA. No ca­so da cor­re­to­ra que­brar, por exem­plo, não vai afe­tar em na­da o cli­en­te que apli­cou o di­nhei­ro. Is­so por­que o tí­tu­lo es­tá re­gis­tra­do no no­me do in­ves­ti­dor”, de­ta­lha Cin­tia. Pa­ra aju­dar o cli­en­te a acom­pa­nhar seus in­ves­ti­men­tos, tan­to a BM&FBOVESPA quan­to a cor­re­to­ra en­vi­am um ex­tra­to men­sal com o de­ta­lha­men­to de ca­da tí­tu­lo com o seu ren­di­men­to.

Ape­sar das ta­xas, Cin­tia reforça que os tí­tu­los con­ti­nu­am sen­do a me­lhor apli­ca­ção. “Mes­mo com es­ses des­con­tos, o ren­di­men­to do Te­sou­ro Di-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.