Ou­tu­bro Ro­sa: o que vo­cê pre­ci­sa lem­brar

Correio da Bahia - - Front Page -

Ti­po mais co­mum de ne­o­pla­sia en­tre as mu­lhe­res em to­do o mun­do, o cân­cer de ma­ma é te­ma nes­te mês de uma cam­pa­nha glo­bal so­bre a im­por­tân­cia da pre­ven­ção, co­nhe­ci­da co­mo Ou­tu­bro Ro­sa. Ob­vi­a­men­te, tal mo­bi­li­za­ção não se deu à toa: a es­ti­ma­ti­va do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Cân­cer (In­ca) é que, ape­nas em 2016, se­jam re­gis­tra­dos qua­se 60 mil no­vos ca­sos da do­en­ça no Bra­sil.

Mas se­rá que as pes­so­as sa­bem o que re­al­men­te é o cân­cer de ma­ma? Ele ocor­re quan­do um ou mais nó­du­los, for­ma­dos por cé­lu­las que se mul­ti­pli­cam des­con­tro­la­da­men­te, apa­re­cem nas ma­mas. Es­sa mul­ti­pli­ca­ção au­men­ta pro­gres­si­va­men­te o ta­ma­nho do nó­du­lo e po­de até fa­zer com que al­gu­mas cé­lu­las se des­pren­dam e des­lo­quem-se pa­ra ou­tras par­tes do cor­po da mu­lher, for­man­do as cha­ma­das me­tás­ta­ses.

Não exis­te uma cau­sa es­pe­cí­fi­ca pa­ra o cân­cer de ma­ma, mas te­mos uma sé­rie de fa­to­res de ris­co. Mu­lhe­res que in­ge­rem mais de três do­ses de be­bi­das al­coó­li­cas ao dia, por exem­plo, têm mais que o do­bro de chan­ces de de­sen­ca­de­ar a do­en­ça do que aque­las que não con­so­mem. Di­e­tas ri­cas em gor­du­ra, obe­si­da­de e se­den­ta­ris­mo tam­bém po­dem es­tar re­la­ci­o­na­das ao de­sen­vol­vi­men­to do cân­cer.

Mu­lhe­res que co­me­ça­ram a mens­tru­ar mui­to jo­vens e de­mo­ra­ram pa­ra en­trar na me­no­pau­sa têm mai­or ris­co, bem co­mo as que nun­ca ti­ve­ram fi­lhos ou ti­ve­ram já com mais ida­de, ge­ral­men­te aci­ma dos 30 anos. Ou­tro gru­po de ris­co é for­ma­do por aque­las que já ti­ve­ram ca­sos de cân­cer de ma­ma na fa­mí­lia. Es­sas, es­pe­ci­al­men­te, de­vem ter um acom­pa­nha­men­to mé­di­co mais mi­nu­ci­o­so, pois as chan­ces são bem mai­o­res.

O fa­to é que a des­co­ber­ta da do­en­ça po­de ocor­rer gra­ças a uma me­di­da ex­tre­ma­men­te sim­ples: a au­to­pal­pa­ção da ma­ma, que po­de de­tec­tar o sur­gi­men­to de um nó­du­lo a ser in­ves­ti­ga­do. A mai­o­ria das mu­lhe­res, po­rém, não per­ce­be o iní­cio da do­en­ça e só vai se dar con­ta quan­do o nó­du­lo es­ti­ver mui­to gran­de ou quan­do sin­to­mas de­cor­ren­tes de me­tás­ta­ses apa­re­ce­rem. Por is­so, é pre­ci­so re­ce­ber do mé­di­co as ori­en­ta­ções de co­mo re­a­li­zar o au­to­e­xa­me cor­re­ta­men­te e tam­bém fa­zer os exa­mes pre­ven­ti­vos pe­ri­o­di­ca­men­te.

Di­an­te da cons­ta­ta­ção do nó­du­lo, de­ve-se re­a­li­zar uma bióp­sia (re­ti­ra­da de um “pe­da­ci­nho” pa­ra es­tu­do la­bo­ra­to­ri­al) pa­ra ter a con­fir­ma­ção ou não do cân­cer. Quan­do a do­en­ça é de­tec­ta­da pre­co­ce­men­te, as chan­ces de cu­ra são pra­ti­ca­men­te to­tais. À me­di­da que os cân­ce­res de­tec­ta­dos já es­te­jam mais avan­ça­dos, as chan­ces vão di­mi­nuin­do.

No en­tan­to, ho­je po­de­mos con­tar com tra­ta­men­tos mo­der­nos e ca­da vez mais efi­ci­en­tes, em que, mes­mo nos ca­sos avan­ça­dos, exis­te a pos­si­bi­li­da­de de se con­se­guir man­ter a pa­ci­en­te vi­va e com boa qua­li­da­de de vi­da por mui­tos anos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.