Aviões do For­ró in­ves­ti­ga­da por so­ne­ga­ção

Correio da Bahia - - Mundo Variedades - Agên­ci­as mais@cor­rei­o24ho­ras.com.br

A Operação For All, de­fla­gra­da on­tem pe­la Po­lí­cia Fe­de­ral (PF), apon­ta pa­ra um vo­lu­me de R$ 500 mi­lhões que te­ri­am si­do so­ne­ga­dos por em­pre­sas de en­tre­te­ni­men­to que pa­tro­ci­nam pe­lo me­nos qua­tro gran­des ban­das de for­ró que fa­zem su­ces­so em to­do o país e es­tão se­di­a­das no Ce­a­rá e na Paraíba. A For All apre­en­deu R$ 600 mil em di­nhei­ro vi­vo com os al­vos da investigação.

Os can­to­res Xand e So­lan­ge Al­mei­da, da Aviões do For­ró, fo­ram obri­ga­dos a com­pa­re­cer pa­ra de­por na Su­pe­rin­ten­dên­cia da PF em Fortaleza, atra­vés de man­da­dos de con­du­ção co­er­ci­ti­va. A Aviões do For­ró é agen­ci­a­da pe­la em­pre­sa A3 En­tre­te­ni­men­tos.

Ao to­do, 26 em­pre­sas do se­tor es­tão na mi­ra da For All. A investigação re­ve­la que es­sas em­pre­sas que pa­tro­ci­nam as ban­das sub­fa­tu­ra­vam con­tra­tos, re­gis­tran­do va­lo­res cor­res­pon­den­tes a 25% e até 30% do que era de fa­to acer­ta­do por elas. “A mai­or par­te dos con­tra­tos é as­sim, o res­tan­te cir­cu­la por fo­ra, an­tes da ban­da su­bir ao pal­co”, des­ta­cou a Po­lí­cia Fe­de­ral. O di­nhei­ro so­ne­ga­do era usa­do pa­ra am­pli­a­ção pa­tri­mo­ni­al dos en­vol­vi­dos – com­pra de imó­veis e veí­cu­los de lu­xo.

Um efe­ti­vo de 260 po­li­ci­ais fe­de­rais e 35 au­di­to­res da Re­cei­ta cum­priu um to­tal de 76 man­da­dos ju­di­ci­ais – 32 de con­du­ção co­er­ci­ti­va e 44 de bus­cas. Não hou­ve pri­sões.

A Operação For All já con­ta­bi­li­zou omis­são de ren­di­men­tos tri­bu­ta­dos de cer­ca de R$ 120 mi­lhões en­tre 2012 a 2014. A es­ti­ma­ti­va é de que a so­ne­ga­ção de to­das as em­pre­sas in­ves­ti­ga­das al­can­ce os R$ 500 mi­lhões na­que­le pe­río­do. A es­ti­ma­ti­va “por bai­xo” foi fei­ta por Do­ra Lú­cia Oli­vei­ra de Sou­za, de­le­ga­da da PF, res­pon­sá­vel pe­la ação que ten­ta des­ba­ra­tar o es­que­ma de so­ne­ga­ção e la­va­gem de di­nhei­ro. “Em um se­gun­do mo­men­to, no pa­ga­men­to em di­nhei­ro, é que a con­tri­bui­ção se per­de. Es­se é um mer­ca­do que cres­ceu mui­to e não tem um con­tro­le efe­ti­vo”, diz a de­le­ga­da.

Pa­ra o su­pe­rin­ten­den­te da Re­cei­ta Fe­de­ral no Ce­a­rá, João Ba­tis­ta Bar­ros, a cir­cu­la­ção de di­nhei­ro em es­pé­cie en­tre os en­vol­vi­dos com o es­que­ma era bas­tan­te in­ten­sa e pro­pí­cia à so­ne­ga­ção. “De 20% a 50% eram ofi­ci­a­li­za­dos, o res­to era pa­go em es­pé­cie e, lo­go que pos­sí­vel, apli­ca­do em bens pa­ra dar ma­te­ri­a­li­da­de àque­le re­cur­so pa­ra ele não fi­car guar­da­do em­bai­xo do col­chão”, acre­di­ta.

De acor­do com a de­le­ga­da, a es­ti­ma­ti­va de R$ 500 mi­lhões re­fe­re-se ape­nas a ca­chês de shows das prin­ci­pais ban­das, sem le­var em con­ta os ren­di­men­tos com ven­das de CD, pro­pa­gan­das e pa­tro­cí­ni­os, en­tre ou­tras fon­tes.

Do­ra Sou­za dis­se que a investigação cor­re há dois anos e se es­ta­be­le­ceu com a con­fe­rên­cia en­tre a quan­ti­da­de de shows das ban­das, di­vul­ga­da nas agen­das ofi­ci­ais, e os va­lo­res dos ca­chês, apu­ra­dos com ba­se nos con­tra­tos que os gru­pos es­ta­be­le­ci­am com ór­gãos pú­bli­cos. “Qu­an­do é fei­to o cru­za­men­to des­sas in­for­ma­ções, que tam­bém fo­ram con­fir­ma­das jun­to à Re­cei­ta Fe­de­ral, es­ti­ma-se que o que eles de­cla­ram é pra­ti­ca­men­te 30% do que te­ri­am ga­nho”, diz.

Se­gun­do a PF, há in­dí­ci­os de que os em­pre­sá­ri­os emi­ti­am da­dos fal­sos e omi­ti­am ou­tros re­le­van­tes em su­as de­cla­ra­ções de Im­pos­to de Ren­da, ten­tan­do se exi­mir da co­bran­ça de tri­bu­tos e con­ver­ten­do os va­lo­res não de­cla­ra­dos – par­te de­les re­ce­bi­da em es­pé­cie – em bens pes­so­ais. “So­ne­gan­do im­pos­tos, eles ad­qui­ri­am bens e imó­veis, que tam­bém não eram de­vi­da­men­te co­mu­ni­ca­dos à Re­cei­ta Fe­de­ral”, diz a de­le­ga­da.

A Re­cei­ta e a Po­lí­cia Fe­de­ral in­ves­ti­gam se o gru­po tam­bém es­tá en­vol­vi­do com la­va­gem de di­nhei­ro. Den­tre os bens

Em­pre­sas te­ri­am dei­xa­do de re­co­lher R$ 500 mi em im­pos­tos

blo­que­a­dos, uma par­te es­tá em no­me de pos­sí­veis la­ran­jas: pes­so­as fí­si­cas e ju­rí­di­cas re­la­ci­o­na­das de al­gu­ma for­ma à A3. Além dis­so, al­guns dos bens não fo­ram de­cla­ra­dos e ou­tros fo­ram de­cla­ra­dos com va­lo­res abai­xo do mer­ca­do.

IGUAL A BRA­SÍ­LIA

“A cor­rup­ção não exis­te só on­de es­ta­mos acos­tu­ma­dos a ver na po­lí­ti­ca em Bra­sí­lia”, dis­se um dos in­ves­ti­ga­do­res.

As em­pre­sas de en­tre­te­ni­men­to fir­ma­vam con­tra­tos em que a par­te for­mal re­pre­sen­ta­va em tor­no de 20% do que efe­ti­va­men­te cir­cu­la­va de di­nhei­ro. “A gran­de par­te do di­nhei­ro cir­cu­la em es­pé­cie, is­so de­mons­tra cla­ra­men­te a ten­ta­ti­va de se eva­dir da tri­bu­ta­ção”, in­for­mou a PF.

Em no­ta, a Aviões do For­ró in­for­mou que es­tá ci­en­te da investigação e co­la­bo­ran­do com o tra­ba­lho dos in­ves­ti­ga­do­res. “A ban­da Aviões es­tá à dis­po­si­ção da Jus­ti­ça pa­ra es­cla­re­ci­men­tos e se­gue com sua agen­da de shows inal­te­ra­da“.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.