ROGÉRIA - UMA MU­LHER E MAIS UM POU­CO

Correio da Bahia - - Vida -

ra­va co­mo po­dia pa­ra que is­so não acon­te­ces­se e es­tra­gas­se o en­can­to do “bo­fe".

“A tá­ti­ca usa­da com Ma­ri­el pa­ra meu pau nun­ca apa­re­cer eu ti­rei da ce­na de Car­roll Ba­ker, da per­so­na­gem Baby­doll Meighan, no fil­me Bo­ne­ca de Car­ne (1956), de Elia Ka­zan, com ro­tei­ro de Ten­nes­see Williams. Na ce­na de se­du­ção, ela bo­ta­va uma al­mo­fa­da en­tre as per­nas pa­ra fi­car sen­su­al e pro­vo­car o aman­te. Pas­sei a fa­zer is­so sem­pre, uma al­mo­fa­da, um tra­ves­sei­ro, uma gar­ra­fa de vi­nho, qual­quer coi­sa”, diz.

A FOR­ÇA DO CA­BE­LO

Rogéria pas­sou por An­go­la e Mo­çam­bi­que an­tes de de­sem­bar­car em Bar­ce­lo­na, nu­ma ex­pe­ri­ên­cia tur­bu­len­ta, e al­can­çar o su­ces­so in­ter­na­ci­o­nal em Pa­ris. Em Bar­ce­lo­na, na bo­a­te Gam­bri­no’s, foi pres­si­o­na­da a re­a­li­zar operação de mu­dan­ça de sex­to, al­go que nun­ca a atraiu.

“Eu te­nho o me­lhor de dois mun­dos (ri­sos) e ain­da vou mais rá­pi­do ao ba­nhei­ro, por­que o ba­nhei­ro mas­cu­li­no não tem fi­las gran­des co­mo o das mu­lhe­res. Ja­mais se­ria um tran­se­xu­al, por­que gos­to de ser As­tol­fo e não cor­ta­ria meu peru por na­da. E de­pois não exis­te is­so de se cri­ar uma bu­ce­ta com uma operação - ou se nas­ce mu­lher ou não”.

É in­te­res­san­te ob­ser­var que a per­so­na­gem Rogéria, a es­tre­la loi­ra e gla­mu­ro­sa, pas­sou a ser Rogéria full ti­me a par­tir da vi­vên­cia na ca­pi­tal fran­ce­sa, no co­me­ço dos anos 70, qu­an­do se apre­sen­ta­va na bo­a­te Car­rou­sel, usa­va per­fu­me da Es­tée Lau­der e dei­xou o ca­be­lo cres­cer.

“Me or­gu­lho das pes­so­as di­ze­rem que até meu per­fu­me é de mu­lher, que te­nho chei­ro de mu­lher (ri­sos). Na ho­ra que meu ca­be­lo cres­ceu, por­que an­tes eu usa­va pe­ru­ca, foi que sen­ti o tchan! A par­tir da­que­le mo­men­to vi­rei uma es­tre­la, me sen­tia uma es­tre­la. Mu­lher diz que tem ci­da­de que é me­lhor pa­ra o ca­be­lo cres­cer e é ver­da­de. Sin­to is­so em Pa­ris e No­va York”, re­ve­la en­quan­to per­gun­ta se o re­pór­ter gos­tou do li­vro.

De vol­ta ao Bra­sil e já re­co­nhe­ci­da co­mo es­tre­la, o fi­lho de do­na Elo­ah - que sem­pre o apoi­ou - nun­ca mais pa­rou de bri­lhar. Em 1979, por exem­plo, con­quis­tou o Mam­bem­be de atriz re­ve­la­ção pe­la atu­a­ção na pe­ça O De­sem­bes­ta­do, de Ader­bal Frei­re-Fi­lho, con­tra­ce­nan­do com Gran­de Ote­lo e Nel­son Ca­ru­so.

“Uma vez, qu­an­do eu ain­da so­nha­va em ser uma atriz e ti­nha dú­vi­da so­bre is­so, por­que era in­se­gu­ra, Fer­nan­da Mon­te­ne­gro me dis­se que eu po­dia ser, sim, uma ar­tis­ta, que no pal­co não há cen­su­ra, não há se­xo, po­de­mos ser tu­do”, re­cor­da.

VI­SÃO PRÓ­PRIA

Íco­ne da ho­mos­se­xu­a­li­da­de no Bra­sil e or­gu­lho­sa da for­ma­ção re­li­gi­o­sa que te­ve, in­clu­si­ve fre­quen­tan­do mis­sa até ho­je, Rogéria tem pen­sa­men­tos que de­sa­fi­am o tom po­li­ti­ca­men­te cor­re­to do mo­vi­men­to LGBT atu­al.

“Nas­ci ho­mos­se­xu­al, nun­ca fi­quei em ar­má­rio, não acre­di­to em op­ção se­xu­al e sem­pre me po­si­ci­o­nei con­tra qual­quer ti­po de hi­po­cri­sia. Tem gen­te de mo­vi­men­to gay que não gos­ta de al­gu­mas coi­sas que di­go, mas pa­ra es­ses eu fa­lo que, an­tes de­les che­ga­rem, já exis­tia Rogéria, meu amor”.

Al­ti­va, a ar­tis­ta con­vi­ve mui­to bem com a sua sui ge­ne­ris sa­ga, in­cluin­do as ci­ca­tri­zes de­cor­ren­tes de um aci­den­te de car­ro, em 1981, que ma­chu­cou mui­to o seu ros­to.

“Ali ti­ve me­do, mas Pi­tan­guy deu um jei­to e re­sol­vi ti­rar a ci­ca­triz do lu­gar on­de ela mais po­de­ria me afe­tar, o co­ra­ção. Me­nos de dois me­ses de­pois, eu es­ta­va em fren­te às câ­me­ras de TV”, diz.

Fun­da­men­tal no Bra­sil pa­ra que o tra­ves­ti dei­xas­se de ser as­so­ci­a­do sem­pre à pros­ti­tui­ção, Rogéria es­pe­ra vir lan­çar a bi­o­gra­fia em Sal­va­dor, de on­de guar­da bo­as re­cor­da­ções: “Des­cia a la­dei­ra do Pe­lou­ri­nho pe­gan­do ge­ral nos anos 70, so­bre­tu­do os ne­gões. Nun­ca ti­ve ra­cis­mo. Fa­zia a grin­ga. Bai­a­no é mui­to sexy”. Ma­ri­el Ma­ris­cot Ro­gé­rio vi­veu uma gran­de pai­xão com Ma­ri­el, fa­mo­so po­li­ci­al-ban­di­do ca­ri­o­ca dos anos 60 e 70, acu­sa­do de per­ten­cer ao Es­qua­drão da Mor­te

Au­tor Mar­cio Pas­cho­al

Edi­to­ra Es­ta­ção Bra­sil

Pre­ço R$ 44,90 | 271 pá­gi­nas (in­cluin­do 32 págs com fotos)

As­tol­fo-Rogéria Cri­a­dor e cri­a­tu­ra. Ele sen­te or­gu­lho de ter nas­ci­do ho­mem e nun­ca quis fa­zer operação de mu­dan­ça de se­xo:

“Ja­mais se­ria um tran­se­xu­al por­que amo ser o

As­tol­fo” Pa­ris Com shows de su­ces­so na bo­a­te Car­rou­sel, em Pa­ris, em 1973, Rogéria fez um en­saio com o fo­tó­gra­fo An­dré Ni­zak

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.