O fu­te­bol pre­ci­sa evo­luir

Correio da Bahia - - Esporte -

Não é de ho­je que os fil­mes de fic­ção ci­en­tí­fi­ca que re­tra­tam um fu­tu­ro re­ple­to de tec­no­lo­gi­as en­can­tam mul­ti­dões. Não à toa, qua­tro dos cin­co fil­mes de mai­or bi­lhe­te­ria do mun­do tra­zem es­se con­tex­to co­mo en­re­do. O po­der da tec­no­lo­gia e a aju­da que ela po­de nos dar, des­de ska­tes que vo­am a trans­plan­tes de par­tes ro­bó­ti­cas, sem­pre ge­ra­ram um fas­cí­nio en­tre as pes­so­as. Ex­ce­to no fu­te­bol. É até pa­ra­do­xal que o es­por­te mais po­pu­lar do mun­do não si­ga es­sa ten­dên­cia. Ou si­ga, mas em uma ve­lo­ci­da­de de co­ne­xão dis­ca­da.

Nas úl­ti­ma quin­ta-fei­ra, uma in­ter­fe­rên­cia ex­ter­na com uso de tec­no­lo­gia no jogo en­tre Fla­men­go e Flu­mi­nen­se, pe­la 30ª ro­da­da do Bra­si­lei­rão, ge­rou a mai­or po­lê­mi­ca. O ár­bi­tro da par­ti­da, San­dro Mei­ra Ric­ci, pa­rou o jogo por 13 mi­nu­tos após um gol do Flu­mi­nen­se. O ban­dei­ri­nha, Emer­son Au­gus­to de Car­va­lho, ha­via si­na­li­za­do o im­pe­di­men­to, mas ain­da as­sim Ric­ci va­li­dou o gol. Em se­gui­da co­me­çou a con­fu­são.

Os jo­ga­do­res fo­ram até o juiz re­cla­mar, os re­ser­vas e a co­mis­são téc­ni­ca in­va­di­ram o cam­po e até a Po­lí­cia Mi­li­tar foi aci­o­na­da. Em meio ao tu­mul­to, o ins­pe­tor de ar­bi­tra­gem, Sér­gio San­tos, tam­bém en­trou no cam­po e dis­se ao ár­bi­tro que “a TV sa­be que não foi”. A lei­tu­ra la­bi­al com­pro­vou a in­ter­fe­rên­cia. Não só de­le, já que os jo­ga­do­res dis­se­ram o mes­mo a Ric­ci, que pos­te­ri­or­men­te vol­tou atrás e anu­lou o gol.

Aí a po­lê­mi­ca es­ta­va fei­ta. Os di­ri­gen­tes de Flu­mi­nen­se e Pal­mei­ras usa­ram a im­pren­sa pa­ra con­de­nar a ação. Di­re­ta­men­te in­te­res­sa­do no re­sul­ta­do, o pre­si­den­te do Pal­mei­ras, Paulo No­bre, afir­mou que “o que acon­te­ceu [...] no Rio de Ja­nei­ro po­de man­char o cam­pe­o­na­to, que co­me­ça a ser de­ci­di­do fo­ra de cam­po”. Já Pe­ter Si­em­sen, pre­si­den­te do Flu, que saiu der­ro­ta­do da par­ti­da, fa­lou que “hou­ve a in­fluên­cia ex­ter­na irregular e o com­por­ta­men­to do juiz de­ses­ta­bi­li­zou o Flu­mi­nen­se”.

O ti­me en­trou com um pe­di­do de anu­la­ção da par­ti­da no Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça Des­por­ti­va (STJD), que aca­tou a ale­ga­ção e de­ter­mi­nou que a CBF sus­pen­da o re­sul­ta­do até a con­clu­são do pro­ces­so.

A Fi­fa ain­da não apro­vou o uso de ima­gens pa­ra aju­dar os ár­bi­tros du­ran­te a par­ti­da, co­mo é o ca­so do crí­que­te, por exem­plo, em que um ter­cei­ro um­pi­re – uma es­pé­cie de juiz – fi­ca sen­ta­do di­an­te de uma TV usan­do um sis­te­ma de re­pe­ti­ção ins­tan­tâ­nea pa­ra no­ti­fi­car o um­pi­re cen­tral se for pre­ci­so. Com is­so, a in­ter­fe­rên­cia, tan­to do ins­pe­tor, quan­to dos jo­ga­do­res, é ilegal. Mas es­sa fú­ria dos di­ri­gen­tes é mes­mo ne­ces­sá­ria?

Eles, que re­cla­mam tan­to e na mai­o­ria das ve­zes com ra­zão de er­ros de ar­bi­tra­gem, não de­ve­ri­am ser mais re­cep­ti­vos quan­to a es­se ti­po de in­ter­fe­rên­cia? Afi­nal, o jo­ga­dor do Flu­mi­nen­se es­ta­va re­al­men­te im­pe­di­do e se o juiz não ti­ves­se anu­la­do o gol, mes­mo com a in­for­ma­ção que con­se­guiu de qu­em viu o lan­ce na TV, o jogo ter­mi­na­ria em­pa­ta­do e o Fla­men­go te­ria per­di­do dois pon­tos que lhe eram de di­rei­to.

De­fen­der o uso de tec­no­lo­gi­as pa­ra di­mi­nuir ca­da vez mais a pos­si­bi­li­da­de de er­ro dos ár­bi­tros de­ve­ria ser um man­tra dos di­ri­gen­tes, jo­ga­do­res, juí­zes, jor­na­lis­tas e até tor­ce­do­res, re­pe­ti­do à exaus­tão até que is­so se tor­ne uma re­a­li­da­de. E não um dis­cur­so que só ser­ve qu­an­do es­tá a seu fa­vor.

E usar ou­tras fa­lhas de ar­bi­tra­gem em ou­tras par­ti­das, que na­da ti­ve­ram a ver com uso de ima­gens ou ou­tra tec­no­lo­gia, co­mo mas­sa de ma­no­bra pa­ra re­for­çar es­sa po­lê­mi­ca só com­pro­va ain­da mais a ne­ces­si­da­de des­ses au­xí­li­os me­câ­ni­cos no fu­te­bol. Es­pe­rar do ár­bi­tro, com li­mi­ta­ções co­muns ao cor­po hu­ma­no, uma vi­são de tu­do que acon­te­ce em um es­pa­ço gran­de de

105m x 68m é pe­dir de­mais. Is­so não jus­ti­fi­ca to­dos os er­ros, mas mos­tra que se o mun­do con­se­guiu evo­luir e se apro­pri­ar de fer­ra­men­tas que po­dem me­lho­rar a vi­da, ga­ran­tir mais con­for­to e au­men­tar a per­for­man­ce e qua­li­da­de de di­ver­sas ações, o fu­te­bol de­ve­ria fa­zer o mes­mo den­tro e fo­ra das qua­tro li­nhas. Já pas­sou da ho­ra.

Es­pe­rar do ár­bi­tro, com

li­mi­ta­ções co­muns ao cor­po hu­ma­no, uma vi­são

de tu­do que acon­te­ce em um es­pa­ço gran­de de 105m x 68m é pe­dir de­mais

mi­ro.pal­ma@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.