A lei, o ido­so e seus di­rei­tos

Correio da Bahia - - Front Page -

O Pac­to de San Salvador foi o ins­tru­men­to es­sen­ci­al pa­ra ado­ção de vá­ri­as me­di­das nor­ma­ti­vas em mui­tos paí­ses, a fim de re­gu­la­men­tar os di­rei­tos dos ido­sos e ofe­re­cer-lhes ple­nas con­di­ções na me­lho­ria da qua­li­da­de de vi­da. Em­bo­ra a Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca Fe­de­ra­ti­va do Bra­sil des­cre­va no seu art. 5º que to­dos são iguais pe­ran­te a lei, sem dis­tin­ção de qual­quer na­tu­re­za, e a De­cla­ra­ção Uni­ver­sal dos Di­rei­tos Hu­ma­nos men­ci­o­ne o re­co­nhe­ci­men­to da dig­ni­da­de a to­dos os mem­bros da fa­mí­lia hu­ma­na e seus di­rei­tos iguais e ina­li­e­ná­veis é o fun­da­men­to da li­ber­da­de, da jus­ti­ça e da paz no mun­do, o ido­so bra­si­lei­ro es­tá distante de ser con­tem­pla­do com os di­ta­mes da Cons­ti­tui­ção ali­a­da ao sen­so de jus­ti­ça da De­cla­ra­ção Uni­ver­sal dos Di­rei­tos Hu­ma­nos.

Pa­ra a mai­o­ria dos ido­sos po­bres, a vi­da no Bra­sil ter­mi­na com um so­ma­tó­rio de pre­con­cei­tos, sa­lá­rio que mal dá pa­ra co­mer ou com­prar os re­mé­di­os que ne­ces­si­tam pa­ra ma­nu­ten­ção da vi­da. Tra­ba­lham até os úl­ti­mos di­as das su­as vi­das, con­de­na­dos por um Es­ta­do me­dío­cre que lhes re­ti­ra o di­rei­to ple­no de as­sis­tên­cia mé­di­ca de­cen­te, ofe­re­cen­do-lhes ser­vi­ços de saú­de que, em mui­tos mo­men­tos, con­tri­bui­rão mais rá­pi­do pa­ra ace­le­rar a mor­te emo­ci­o­nal des­ses he­róis de ex­pe­ri­ên­ci­as, des­gar­ra­dos pe­la so­ci­e­da­de e des­res­pei­ta­dos pe­lo Es­ta­do, fa­ce as múl­ti­plas hu­mi­lha­ções que pas­sam qu­an­do vão pa­ra o aten­di­men­to mé­di­co no ser­vi­ço pú­bli­co de saú­de.

A lei 10.741 de 1º de ou­tu­bro de 2003, re­co­nhe­ci­da pe­lo po­vo bra­si­lei­ro co­mo o Es­ta­tu­to do Ido­so, é de fa­to um avan­ço do pon­to de vis­ta his­tó­ri­co e ju­rí­di­co, mui­to bem ela­bo­ra­do in­clu­si­ve, os seus ar­ti­gos de­no­tam pre­o­cu­pa­ções com aque­les que con­tri­buí­ram com a for­ça dos seus tra­ba­lhos, dei­xan­do co­mo he­ran­ça os fi­lhos mais jo­vens des­sa na­ção bra­si­lei­ra. Des­ven­dan­do a lei em de­fe­rên­cia, en­con­tra­mos no ar­ti­go 3º be­lís­si­mas pa­la­vras:

“É obri­ga­ção da fa­mí­lia, da co­mu­ni­da­de, da so­ci­e­da­de e do Po­der Pú­bli­co as­se­gu­rar ao ido­so, com ab­so­lu­ta pri­o­ri­da­de, a efe­ti­va­ção do di­rei­to à vi­da, à saú­de, à ali­men­ta­ção, à edu­ca­ção, à cul­tu­ra, ao es­por­te, ao la­zer, ao tra­ba­lho, à ci­da­da­nia, à li­ber­da­de, à dig­ni­da­de, ao res­pei­to e à con­vi­vên­cia fa­mi­li­ar e co­mu­ni­tá­ria”.

Ve­ja­mos a di­fe­ren­ça en­tre a prá­ti­ca e a te­o­ria, a apli­ca­bi­li­da­de da lei na re­a­li­da­de da vi­da das pes­so­as ido­sas. Co­me­ça­mos pe­la fa­mí­lia, ins­ti­tui­ção for­ta­le­ci­da e de­fen­di­da pe­las re­li­giões cris­tãs, es­sa, que em di­ver­sos mo­men­tos, ne­gli­gên­cia aos cui­da­dos com o ido­so, vá­ri­as fa­mí­li­as cos­tu­mam aban­do­nar os seus bons ci­da­dãos (ido­sos) a to­da sorte de so­fri­men­to, em­bo­ra es­se de­fei­to não se­ja ex­ten­si­vo a to­das as fa­mí­li­as.

A co­mu­ni­da­de vê e fe­cha os olhos, acre­di­tan­do ser um pro­ble­ma fa­mi­li­ar, mes­mo nos ca­sos mais gra­ves, na­que­les even­tos que até o sa­lá­rio do ido­so é con­fis­ca­do ver­go­nho­sa­men­te por mem­bros de al­gu­mas fa­mí­li­as.

O Es­ta­do de­ve­ria en­trar com o seu bra­ço for­te, fa­zen­do va­ler a lei que o le­gis­la­ti­vo cri­ou, mas, in­fe­liz­men­te, is­so não acon­te­ce, e se mor­re a es­pe­rar. O Es­ta­do que san­ci­o­nou a lei não tem ca­pa­ci­da­de de fa­zê-la cum­prir em de­fe­sa do ci­da­dão de ter­cei­ra ida­de.

A pri­o­ri­da­de não é to­tal. A le­gis­la­ção no seu bo­jo de­mo­ra a sair do pa­pel. E a vi­da, co­mo fi­ca? A boa saú­de do ido­so é fa­tor pre­pon­de­ran­te pa­ra ma­nu­ten­ção da sua vi­da e ela sim­ples­men­te não exis­te!

Pre­sen­ci­a­mos to­dos os di­as, nu­ma maré de sen­so co­mum, ido­sos mor­ren­do nas por­tas dos hos­pi­tais pú­bli­cos por fal­ta de as­sis­tên­cia mé­di­ca, sem o di­rei­to se­quer de pas­sar pe­la por­ta prin­ci­pal de aces­so do hos­pi­tal ou pos­to de saú­de da fa­mí­lia.

E o la­zer do ido­so? On­de fi­ca? Is­so pa­re­ce brin­ca­dei­ra de mau gos­to, num país ca­pi­ta­lis­ta ao ex­tre­mo, ido­so sem di­nhei­ro ter di­rei­to a la­zer! Sus­ci­ta go­za­ção, nes­te lu­gar se pa­ga tu­do, prin­ci­pal­men­te a mor­do­mia dos nos­sos di­ri­gen­tes.

A vi­da, pa­ra eles, foi em tem­pos tão di­fí­ceis de mui­to tra­ba­lho sa­cri­fi­can­te, acre­di­ta­ram na pos­si­bi­li­da­de de mu­dan­ça, com a cer­te­za que ve­ri­am um país me­lhor, pe­lo me­nos no fi­nal das su­as vi­das. Con­tu­do, per­ce­be­ram, tar­di­a­men­te, que o amor pe­la na­ção bra­si­lei­ra não era re­cí­pro­co, no­ta­da­men­te, tor­na­ram-se pros­ti­tu­tas de um ho­mem cha­ma­do Bra­sil, que lhes pro­me­teu dig­ni­da­de com pro­mes­sas le­gais, di­tas e es­cri­tas e ja­mais cum­pri­das.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.