Da Te­lerj à pre­si­dên­cia da Câ­ma­ra, a as­cen­são e a que­da

Correio da Bahia - - Mais -

O “Fora Cu­nha”, que to­mou con­ta do país nos úl­ti­mos me­ses es­tá lon­ge de ser no­vi­da­de na vi­da do ex-pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos Edu­ar­do Cu­nha (PMDB-RJ). Em 1992 já ha­via um mo­vi­men­to pe­la saí­da do en­tão pre­si­den­te da em­pre­sa es­ta­du­al de te­le­co­mu­ni­ca­ções do Rio, a Te­lerj, co­mo lem­bra re­por­ta­gem da BBC Bra­sil.

Na­que­le ano, em meio ao pro­ces­so de im­pe­a­ch­ment do ex-pre­si­den­te Fernando Col­lor, os trabalhadores se quei­xa­vam de um “col­lo­ri­do” à fren­te da em­pre­sa. O tem­po pas­sou e o ex-pre­si­den­te da Te­lerj tor­nou-se um dos po­lí­ti­cos mais po­de­ro­sos do país, res­pon­sá­vel di­re­to pe­la ar­ti­cu­la­ção do im­pe­a­ch­ment da ex-pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff. Pa­ra o ex-de­pu­ta­do Ro­ber­to Jef­fer­son, con­de­na­do no pro­ces­so do men­sa­lão, Cu­nha foi o “ad­ver­sá­rio mais à al­tu­ra” que o PT já en­fren­tou em 13 anos de go­ver­no.

“Lu­la nun­ca es­pe­rou en­con­trar um ban­di­do da mes­ma qua­li­da­de mo­ral, in­te­lec­tu­al que ele”, dis­se Jef­fer­son em en­tre­vis­ta ao jor­nal O Es­ta­do de S. Pau­lo, pu­bli­ca­da no úl­ti­mo dia 31 de mar­ço.

Cu­nha sem­pre foi apli­ca­do. Es­tu­da os re­gi­men­tos da Câ­ma­ra com afin­co, co­mo na épo­ca em que era um es­tu­dan­te dis­cre­to, de ca­be­los com­pri­dos e ócu­los “fun­do de gar­ra­fa” que sem­pre ti­ra­va bo­as no­tas, co­mo con­ta um per­fil pu­bli­ca­do pe­lo jor­nal O Glo­bo, tam­bém em mar­ço.

“Cu­nha não era po­li­ti­za­do qu­an­do jo­vem. Nun­ca foi de mo­vi­men­to es­tu­dan­til nem de as­so­ci­a­ção de mo­ra­do­res”, lem­bra o de­pu­ta­do Chi­co Alen­car (PSOL-RJ), fer­re­nho ad­ver­sá­rio do pe­e­me­de­bis­ta.

“Ele vi­nha de uma fa­mí­lia de clas­se mé­dia, era ti­ju­ca­no (mo­ra­dor do bair­ro da Ti­ju­ca, zo­na nor­te do Rio) co­mo eu, e in­gres­sou na po­lí­ti­ca com um ob­je­ti­vo cla­ro de as­cen­são so­ci­al”, afir­ma.

O pri­mei­ro par­ti­do foi o PRN (Par­ti­do da Re­cons­tru­ção Na­ci­o­nal): em 1989, ele aju­dou a ele­ger Col­lor pre­si­den­te, co­mo te­sou­rei­ro do co­mi­tê de cam­pa­nha no Rio, a con­vi­te “da fi­gu­ra mais ne­fas­ta da­que­le gru­po, o Pau­lo Cesar Fa­ri­as”, re­la­ta Chi­co.

An­tes de in­gres­sar no mun­do dos car­gos co­mis­si­o­na­dos, o ex-de­pu­ta­do te­ve pas­sa­gens co­mo eco­no­mis­ta pe­las em­pre­sas Arthur An­der­sen e Xe­rox.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.