‘As vis­tas co­me­ça­ram a es­cu­re­cer, sen­ti do­res nas per­nas’

Correio da Bahia - - Mais - COLABOROU JOÃO BERTONIE, DA 11ª TUR­MA DO PRO­GRA­MA COR­REIO DE FU­TU­RO

ja, é pos­sí­vel que ha­ja mais de um “ma­nía­co da se­rin­ga”.

Até on­tem, a po­lí­cia ain­da não ti­nha in­for­ma­ções dos três no­vos ca­sos in­for­ma­dos pe­la Se­sab. As ví­ti­mas fo­ram en­ca­mi­nha­das ao Hos­pi­tal Cou­to Maia, es­pe­ci­a­li­za­do em do­en­ças in­fec­to­con­ta­gi­o­sas, e es­tão sen­do sub­me­ti­das a tra­ta­men­to pa­ra evi­tar con­ta­mi­na­ção de do­en­ças co­mo HIV e he­pa­ti­te.

Segundo a di­re­to­ra da uni­da­de, Ceu­ci Xa­vi­er Nu­nes, o ris­co de con­ta­mi­na­ção atra­vés de um ata­que com se­rin­ga exis­te. “Pa­ra se con­si­de­rar um aci­den­te per­fu­ro­cor­tan­te tem que per­fu­rar a pe­le. Já exis­te o ris­co a de­pen­der do que tem na se­rin­ga”, de­cla­rou ela, que ain­da fez uma res­sal­va: “Mas é pre­ci­so que te­nha a in­je­ção do líquido” na pe­le da ví­ti­ma.

SUS­PEI­TO DE­TI­DO

Um sus­pei­to foi de­ti­do on­tem na Es­ta­ção Pi­ra­já, qu­an­do um se­gu­ran­ça es­tra­nhou o fa­to de­le es­tar se­gu­ran­do uma se­rin­ga. Le­va­do à 11ª De­le­ga­cia (Tan­cre­do Ne­ves), Ro­que San­tos do Car­mo, 38, dis­se que achou a se­rin­ga no li­xo e ne­gou qual­quer ata­que. O de­le­ga­do Is­ra­el de Car­va­lho dis­se que o sus­pei­to “é uma pes­soa do­en­te” e não há in­dí­ci­os de en­vol­vi­men­to de­le no ata­que. Fa­mi­li­a­res de Ro­que in­for­ma­ram que ele gos­ta de dor­mir no me­trô e tem pro­ble­mas men­tais. Pri­mei­ra ví­ti­ma de ata­que de se­rin­ga, o ro­do­viá­rio Ed­son dos San­tos Melo, 40, so­fre as con­sequên­ci­as dos for­tes me­di­ca­men­tos que to­ma des­de 18 de se­tem­bro, qu­an­do foi ata­ca­do no ôni­bus que di­ri­gia, na Ri­bei­ra. Sem dor­mir, diz que a fa­mí­lia so­fre jun­to.

“Eu es­ta­va ro­dan­do no Es­ta­ção Pi­ra­já-Ri­bei­ra. Qu­an­do che­guei na Ri­bei­ra, co­mo o car­ro é cir­cu­lar, re­tor­nei no fi­nal de li­nha. De­pois da Pra­ça da Ma­dra­goa, um ra­paz pe­diu o pon­to pra su­bir. Pa­rei e ele gri­tou ‘a pla­ca caiu!’. Vi­rei pa­ra si­na­li­zar com o pis­ca-aler­ta, o ou­tro su­biu e apli­cou a se­rin­ga no pes­co­ço. Co­lo­quei a mão e sen­ti mo­lha­da. Vi­rei e ele já ti­nha des­ci­do”.

“As vis­tas co­me­ça­ram a es­cu­re­cer (na ho­ra), sen­ti do­res nas per­nas e nos bra­ços. Aí che­guei pa­ra o co­bra­dor e fiz: ‘Ra­paz, eu não tô bem não’. Daí já não me lem­bro mais. Fiz exa­mes (no Cou­to Maia), pas­sa­ram os me­di­ca­men­tos. To­mo os três de vez por 28 di­as. To­mei va­ci­na con­tra he­pa­ti­te e uma in­je­ção con­tra o té­ta­no”.

“Não vi qua­se na­da. Vi um ra­paz par­do, de ca­mi­sa e ber­mu­da”.

“Ago­ra é só pâ­ni­co, né. Não só atin­giu a mim co­mo mi­nha fa­mí­lia. Eu fi­co ace­so a noi­te to­da, por­que, na mi­nha ca­be­ça, a qual­quer mo­men­to pos­so ter um ata­que. Eu vou su­bir uma es­ca­da, eu an­do um pou­qui­nho a mais e co­me­ço a sen­tir do­res nas per­nas. Aí dá aque­le can­sa­ço. Nem ar­ris­co a di­ri­gir. Sem­pre bo­tan­do ates­ta­do no tra­ba­lho por­que não tem jei­to”.

“Ao che­gar no pon­to de ôni­bus, na Ri­bei­ra, eu es­ta­va em pé, en­cos­ta­da no pos­te, dis­traí­da. Aí eu sen­ti aque­la pon­ta­da. Qu­an­do co­lo­quei mi­nha mão e vi­rei, eu gri­tei: “O que é is­so!”. Ele me mos­trou uma se­rin­ga, sor­riu e saiu. En­trei em de­ses­pe­ro. Pe­di so­cor­ro”.

“Ele é mo­re­no, da mi­nha al­tu­ra. O ca­be­lo é es­cu­ro, cor­ta­di­nho. Não tem bar­ba. Ta­va de ca­mi­sa bran­ca lis­tra­da azul e cal­ça azul es­cu­ra. Se­guiu a pé”. “Ele tá des­truin­do fa­mí­li­as. O que tô pas­san­do não qu­e­ro pa­ra nin­guém. Ele vai ser pe­go e vai pa­gar por tu­do. Eu tô aca­ba­da. Até es­pe­rar 15 di­as pa­ra sa­ber o re­sul­ta­do des­se exa­me. A me­di­ca­ção é for­te de­mais. Dá ton­tu­ra, vô­mi­to. Se tem al­gu­ma do­en­ça, por que não se tra­ta? Não é des­sa for­ma. Tem pes­so­as que aju­dam. Mas que ele não pre­ju­di­que mais nin­guém”.

“O de­le­ga­do (do Bon­fim) me ou­viu e me en­ca­mi­nhou pa­ra o pos­to de saú­de. A equi­pe me dis­se que fos­se pa­ra o Cou­to Maia. Lá, o mé­di­co per­gun­tou o que eu ti­nha. ‘Fui fu­ra­da. Tô sen­tin­do do­res e sen­tin­do a per­na dor­men­te’. Ele dis­se que não po­de­ria fa­zer na­da sem bo­le­tim de ocor­rên­cia”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.