É com pres­são

Correio da Bahia - - Vida - Ivan D. Mar­ques e Bru­no Qu­ei­roz re­da­cao@cor­rei­o24ho­ras.com.br

Não foi por fal­ta de “se­ca­ção”. Mas os re­sul­ta­dos da ter­ça-fei­ra na Sé­rie B fo­ram ruins pa­ra o Bahia. As vi­tó­ri­as do Avaí so­bre o Vi­la No­va, por 2x1, e do Lon­dri­na so­bre o Bra­sil de Pe­lo­tas, por 1x0, fi­ze­ram o tri­co­lor cair uma po­si­ção na ta­be­la, do 5º pa­ra o 6º lu­gar. Além dis­so, o Es­qua­drão não po­de­rá mais al­can­çar os ca­ta­ri­nen­ses nes­ta ro­da­da.

No en­tan­to, no Fa­zen­dão, a con­ver­sa é dei­xar os rivais de la­do e fa­zer o de­ver de ca­sa. No ca­so, de­ver fora de ca­sa. Sá­ba­do, o Bahia en­ca­ra o Oes­te, em Ba­ru­e­ri-SP, às 15h20. O ri­val não ven­ce há dez jo­gos.

“Gu­to (Fer­rei­ra) fa­lou mui­to bem ago­ra que a gen­te tem que pen­sar nos nos­sos jo­gos. Tem mui­tos con­fron­tos di­re­tos en­tre eles. A gen­te tem que fa­zer o nos­so pa­pel. Se con­se­guir­mos seis vi­tó­ri­as, va­mos con­se­guir o aces­so”, diz o za­guei­ro Ti­a­go, que ad­mi­te que se­cou o Avaí. “É uma pres­são a mais. Sou mui­to ruim de se­car. As­sis­ti on­tem (ter­ça) ao jo­go, e a mi­nha mu­lher so­freu. Foi um dia ruim pa­ra a gen­te. Mas es­se fa­to de jo­gar pres­si­o­na­do po­de, sim, aju­dar por­que é o re­sul­ta­do que nos in­te­res­sa. Tem o Náu­ti­co ain­da que jo­ga”.

A opi­nião é com­par­ti­lha­da pe­lo meia Ré­gis, que tem en­tra­do bem no segundo tem­po dos úl­ti­mos jo­gos. “A gen­te não se pre­o­cu­pa com os ou­tros jo­gos. Tem que fa­zer a nos­sa par­te. Quem en­trar vai ten­tar cor­res­pon­der à al­tu­ra. A gen­te fi­ca an­si­o­so por­que quer es­tar aju­dan­do”, ad­mi­te o meia, que mais uma vez co­me­ça­rá no ban­co de re­ser­vas.

No en­tan­to, se­car o Náu­ti­co é fun­da­men­tal. O ti­me per­nam­bu­ca­no vi­si­ta o Lu­ver­den­se ama­nhã e, se ga­nhar, ti­ra qual­quer pos­si­bi­li­da­de do Bahia en­trar no G4 ain­da nes­ta ro­da­da.

Ga­nhar seis das se­te par­ti­das res­tan­tes, co­mo pro­je­ta Ti­a­go, fa­rá o Bahia che­gar a 67 pon­tos, nú­me­ro que ga­ran­te o aces­so, de acor­do com os ma­te­má­ti­cos da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Mi­nas Ge­rais (UFMG). Os mes­mos ma­te­má­ti­cos con­ta­bi­li­zam 95,3% de chan­ce de aces­so com 63 pon­tos. O tri­co­lor tem 49.

Os atle­tas tri­co­lo­res, in­clu­si­ve, já sa­bem bem o que os es­pe­ra na Are­na Ba­ru­e­ri. O Oes­te tem co­mo ca­rac­te­rís­ti­ca não dar chu­tão e man­ter a pos­se de bo­la, pre­cei­tos do trei­na­dor Fernando Di­niz. “A gen­te es­tá trei­nan­do bas­tan­te a saí­da de bo­la de­les. O pro­fes­sor tem mos­tra­do os ví­de­os, e a gen­te es­tá pre­pa­ra­do”, re­ve­la Ré­gis. “Eles têm es­sa ca­rac­te­rís­ti­ca de to­car. Va­mos mar­car ain­da mais do que qu­an­do es­ta­mos em ca­sa. A gen­te sa­be que eles vão ten­tar en­vol­ver a nos­sa equi­pe”, com­ple­men­ta Ti­a­go.

Re­sul­ta­dos do iní­cio da ro­da­da pres­si­o­nam o tri­co­lor a ven­cer

BO­LA AÉ­REA

Por cau­sa da po­si­ção do Oes­te na ta­be­la, 16º lu­gar, e pe­lo re­tros­pec­to re­cen­te do ri­val, além da ne­ces­si­da­de tri­co­lor, o za­guei­ro crê que é obri­ga­ção do Bahia ven­cer a par­ti­da. E, pa­ra is­so, a bo­la aé­rea po­de ser fun­da­men­tal. “A gen­te já vi­nha con­ver­san­do so­bre a bo­la pa­ra­da pa­ra es­se jo­go. Eu e Jack­son so­mos jo­ga­do­res altos e de­ve­ría­mos es­tar ca­be­ce­an­do mais. Es­ta­mos fa­lan­do com Ju­ni­nho e Ca­já pa­ra es­sa bo­la vir mais al­ta”, con­ta Ti­a­go.

Tri­co­lor do téc­ni­co Gu­to Fer­rei­ra pre­ci­sa ven­cer o Oes­te, sá­ba­do, pa­ra en­trar no G4. Ama­nhã, po­rém, é dia de se­car o Náu­ti­co con­tra o Lu­ver­den­se

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.