Tra­ba­lho × la­zer: co­mo con­ci­li­ar

Correio da Bahia - - Front Page -

Com o mer­ca­do ca­da vez mais com­pe­ti­ti­vo, é co­mum as pes­so­as se sen­ti­rem obri­ga­das a tra­ba­lhar mais pa­ra man­ter o em­pre­go ou con­se­guir a tão so­nha­da chan­ce de cres­ci­men­to na car­rei­ra. Con­tu­do, qu­an­do en­tra­mos nes­se flu­xo de tra­ba­lho con­tí­nuo, por ve­zes, aca­ba­mos nos es­que­cen­do dos nos­sos li­mi­tes, o que po­de ser con­si­de­ra­do um er­ro bem gra­ve.

Não é à toa que uma ideia sem­pre pre­sen­te em bi­o­gra­fi­as de pes­so­as de su­ces­so re­fe­re-se à im­por­tân­cia do equi­lí­brio en­tre to­das as áre­as da vi­da, in­cluin­do a es­pi­ri­tu­al, fí­si­ca, fi­nan­cei­ra, pro­fis­si­o­nal, pes­so­al e emo­ci­o­nal. Is­so por­que, mais do que tra­ba­lhar du­ro, pa­ra ser­mos bem-su­ce­di­dos é im­pres­cin­dí­vel que te­nha­mos os me­lho­res re­sul­ta­dos. Uma ta­re­fa que nem sem­pre es­tá en­tre as mais fá­ceis.

Pa­ra ge­rar bons re­sul­ta­dos é es­sen­ci­al com­bi­nar uma sé­rie de fa­to­res co­mo com­pe­tên­cia, pla­ne­ja­men­to, tra­ba­lho e ins­pi­ra­ção. Sen­do que es­sa úl­ti­ma es­tá in­ti­ma­men­te cor­re­la­ci­o­na­da ao la­zer. Pes­so­as tran­qui­las e des­can­sa­das são mais “ins­pi­ra­das” do que as pes­so­as ner­vo­sas e es­tres­sa­das.

Pro­va dis­so é a ex­pe­ri­ên­cia re­a­li­za­da pe­la em­pre­sa ame­ri­ca­na de mar­ke­ting e pro­pa­gan­da Ste­elHou­se. Ao per­ce­ber que mui­tos fun­ci­o­ná­ri­os dei­xa­vam de ti­rar fé­ri­as e, por is­so, per­di­am pro­du­ti­vi­da­de, a com­pa­nhia pas­sou a pa­gar um bô­nus de 2 mil dó­la­res anu­al­men­te pa­ra ca­da co­la­bo­ra­dor vi­a­jar du­ran­te su­as fé­ri­as, que po­dem ser ti­ra­das de uma só vez ou di­vi­di­das em pe­que­nas vi­a­gens. A es­tra­té­gia não po­de­ria dar mais cer­to. Lo­go após re­tor­na­rem, era per­cep­tí­vel co­mo os fun­ci­o­ná­ri­os se tor­na­vam mais pro­du­ti­vos e pro­pen­sos a en­tre­gar os me­lho­res re­sul­ta­dos.

É cla­ro que, em al­gu­mas fa­ses da vi­da, uma car­ga ex­tra de tra­ba­lho po­de ser ne­ces­sá­ria, qu­an­do, por exem­plo, es­ta­mos pró­xi­mos da con­clu­são de um pro­je­to im­por­tan­te. Po­rém, é mui­to di­fí­cil man­ter um lon­go pe­río­do de tra­ba­lho mais pe­sa­do, sem per­der qua­li­da­de. Por ou­tro la­do, al­gu­mas pes­so­as tam­bém pos­su­em um rit­mo mui­to abai­xo do ne­ces­sá­rio, co­mo as que se im­põem li­mi­tes abai­xo do es­pe­ra­do pe­las em­pre­sas, o que, de­fi­ni­ti­va­men­te, po­de com­pro­me­ter su­as car­rei­ras.

Se vo­cê pa­rar al­guns mi­nu­tos pa­ra ana­li­sar as pes­so­as à sua vol­ta, po­de­rá per­ce­ber que as que mais pro­du­zem e com me­lhor qua­li­da­de são as que, ao mes­mo tem­po, além de tra­ba­lha­rem, pra­ti­cam es­por­tes, par­ti­ci­pam de even­tos so­ci­ais, re­a­li­zam tra­ba­lhos vo­lun­tá­ri­os, en­tre ou­tras ati­vi­da­des.

Mui­tos di­zem que, se vo­cê quer que al­gu­ma coi­sa se re­a­li­ze, pe­ça pa­ra al­guém ocu­pa­do. Pes­so­as “ocu­pa­das” es­tão em um rit­mo for­te de re­a­li­za­ção e já apren­de­ram a se or­ga­ni­zar e a pri­o­ri­zar su­as ta­re­fas. Já as pes­so­as “com bai­xa ocu­pa­ção” pos­su­em mais dificuldade em re­ce­ber uma no­va ta­re­fa. Sis­te­ma­ti­ca­men­te, cri­am ver­da­dei­ros obs­tá­cu­los a re­a­li­za­ção de tu­do que lhes é so­li­ci­ta­do.

Mas, lem­bre-se que é pre­ci­so ter tem­po pa­ra tu­do, in­clu­si­ve pa­ra pen­sar e des­can­sar. Pa­ra que vo­cê es­te­ja sem­pre aten­to aos seus li­mi­tes, guar­de a fra­se do pa­rap­si­có­lo­go Frei Al­bi­no Are­si: “Deus per­doa sem­pre, o ho­mem, às ve­zes, e a na­tu­re­za nun­ca”. Sen­do as­sim, fi­ca a di­ca, equi­lí­brio nun­ca é de­mais!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.