Si­nais de de­la­ção ten­si­o­nam a Re­pú­bli­ca

Correio da Bahia - - Variedades - Das agên­ci­as mais@re­de­bahia.com.br

O aler­ta ama­re­lo fi­cou ver­me­lho nos cor­re­do­res do po­der em Bra­sí­lia. Um dia após ser pre­so por tem­po in­de­ter­mi­na­do, o de­pu­ta­do cas­sa­do Edu­ar­do Cu­nha (PMDB-RJ) deu on­tem si­nais evi­den­tes de que quer abrir a bo­ca e con­tar pa­ra a for­ça-ta­re­fa da La­va Ja­to tu­do que sa­be so­bre os es­que­mas de cor­rup­ção. A even­tu­al de­la­ção pre­mi­a­da do pe­e­me­de­bis­ta agi­tou ain­da mais a cú­pu­la do Pla­nal­to e ele­vou de vez a ten­são en­tre po­lí­ti­cos li­ga­dos a ele.

O prin­ci­pal in­dí­cio de que pre­ten­de en­trar no clu­be de de­la­to­res sur­giu no iní­cio da tar­de, ho­ras após o ex-pre­si­den­te da Câ­ma­ra dei­xar o IML de Cu­ri­ti­ba sob for­te pre­sen­ça dos jor­na­lis­tas e es­col­ta de po­li­ci­ais fe­de­rais. “É um ab­sur­do”, dis­se Cu­nha, ao ser qu­es­ti­o­na­do so­bre sua pri­são. Em se­gui­da, a im­pren­sa re­ve­lou que o pe­e­me­de­bis­ta ha­via con­tra­ta­do o ad­vo­ga­do Mar­lus Arns, res­pon­sá­vel por acor­dos de de­la­ção de em­pre­sá­ri­os in­ves­ti­ga­dos pe­la La­va Ja­to.

Ao dei­xar a se­de da Po­lí­cia Fe­de­ral na ca­pi­tal pa­ra­na­en­se, on­de te­ve o pri­mei­ro en­con­tro com o de­pu­ta­do cas­sa­do, o cri­mi­na­lis­ta es­pe­ci­a­li­za­do em co­la­bo­ra­ções pre­mi­a­das afir­mou que de­la­ção pre­mi­a­da “não foi tema de con­ver­sa” en­tre am­bos. Por re­gra, acor­dos des­te ti­po são ne­go­ci­a­dos ini­ci­al­men­te em si­gi­lo.

Mas a pre­sen­ça do ad­vo­ga­do em Cu­ri­ti­ba deu mais for­ça às es­pe­cu­la­ções so­bre o in­te­res­se de Cu­nha em ar­ras­tar ou­tros fi­gu­rões pa­ra o olho do tor­na­do po­lí­ti­co. Foi Arns quem cos­tu­rou os acor­dos dos exe­cu­ti­vos Dal­ton Avan­ci­ni, Edu­ar­do Lei­te e Pau­lo Augusto San­tos, da Ca­mar­go Cor­rêa.

Cos­tu­rou ain­da a de­la­ção do em­pre­sá­rio João Ber­nar­di Fi­lho e fez a de­fe­sa téc­ni­ca de Ivan Ver­non, que era as­ses­sor do ex-de­pu­ta­do Pe­dro Cor­rêa (PP-PE), de Va­lé­rio Ne­ves, li­ga­do ao ex-se­na­dor Gim Ar­gel­lo (PTB-DF), e de João Cláu­dio Ge­nu, um dos ope­ra­do­res com car­go no PP.

PIS­TAS

An­tes de con­tra­tar o ad­vo­ga­do, que tam­bém de­fen­de sua mu­lher, Cláu­dia Cruz, Cu­nha já ha­via si­na­li­za­do que não cai­ria so­zi­nho. Após ser aban­do­na­do pe­los ali­a­dos e de re­ce­ber ape­nas dez vo­tos con­tra sua cas­sa­ção, o pe­e­me­de­bis­ta co­me­çou a ati­rar. O pri­mei­ro al­vo foi o se­cre­tá­rio exe­cu­ti­vo do Pro­gra­ma de Par­ce­ri­as de In­ves­ti­men­tos (PPI), Mo­rei­ra Fran­co, ho­mem for­te do PMDB e do nú­cleo-du­ro do go­ver­no Mi­chel Te­mer.

Em con­ver­sas com ali­a­dos, Cu­nha dei­xou cla­ro que ti­nha in­ten­ção de “ex­plo­dir o Mo­rei­ra”. So­bre­tu­do, no que diz sa­ber so­bre a par­ti­ci­pa­ção do cor­re­li­gi­o­ná­rio em ir­re­gu­la­ri­da­des na ope­ra­ção com a Cai­xa pa­ra fi­nan­ci­ar obras do Por­to Ma­ra­vi­lha, no Rio de Ja­nei­ro. O pe­e­me­de­bis­ta atri­bui ao ali­a­do a vi­tó­ria do gen­ro, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), à pre­si­dên­cia da Câ­ma­ra, fa­to que ace­le­rou sua que­da.

Cu­nha tam­bém pas­sou as úl­ti­mas se­ma­nas ar­ma­ze­nan­do mu­ni­ção con­tra ali­a­dos: agen­das de com­pro­mis­sos pú­bli­cos e pri­va­dos, do­a­ções que le­van­tou pa­ra o PMDB e as tran­sa­ções tri­an­gu­la­das com o ope­ra­dor e do­lei­ro Lú­cio Bo­lo­nha Fu­na­ro, pre­so em ju­lho pe­la La­va Ja­to. O pró­prio Fu­ra­no tem ar­qui­vos idên­ti­cos e deu re­ca­dos de que pre­ten­de en­tre­gá-los.

Tu­do is­so, a prin­cí­pio, ti­nha co­mo ob­je­ti­vo seu li­vro so­bre os bas­ti­do­res do im­pe­a­ch­ment. Ago­ra, po­dem ter ou­tro ob­je­ti­vo. Às vés­pe­ras de en­trar na car­ce­ra­gem, Cu­nha en­vi­ou re­ca­dos de que vai abrir o jo­go. Pa­ra is­so, pre­ten­de re­ve­lar de­ta­lhes so­bre o uso po­lí­ti­co das MPs pa­ra fa­vo­re­cer em­pre­sá­ri­os. Em es­pe­ci­al, os es­que­mas nos se­to­res de por­tos e de te­le­fo­nia.

Cu­nha con­tra­ta ad­vo­ga­do de de­la­to­res e dei­xa Bra­sí­lia em aler­ta

Ao mes­mo tem­po, quer des­nu­dar o su­pos­to en­vol­vi­men­to de mi­nis­tros, se­na­do­res e de­pu­ta­dos do PMDB, PSD, PR e de­mais si­glas que in­te­gra­vam o cha­ma­do cen­trão. In­ter­na­men­te, o Pla­nal­to te­me os efei­tos das re­ve­la­ções de Cu­nha so­bre a go­ver­na­bi­li­da­de e a so­li­dez do go­ver­no. On­tem, o dia do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer foi de des­pa­chos in­ter­nos, na ten­ta­ti­va de evi­tar que a cri­se che­gue a seu ga­bi­ne­te.

FA­TO­RES

Pa­ra as­ses­so­res, ad­vo­ga­dos e ali­a­dos de Cu­nha, os ris­cos de pri­são de sua mu­lher e fi­lhos po­dem ace­le­rar o pas­so de Cu­nha ru­mo à de­la­ção pre­mi­a­da. A pri­são dei­xou a fa­mí­lia do ex-de­pu­ta­do em es­ta­do de cho­que, de acor­do com re­la­tos de an­ti­gos ali­a­dos do pe­e­me­de­bis­ta que es­ti­ve­ram ou fa­la­ram com a jor­na­lis­ta Cláu­dia Cruz, e a fi­lha de­le, Da­ni­el­le Dytz. Segundo as fon­tes, as du­as cho­ram e di­zem es­tar de­ses­pe­ra­das.

To­dos os ne­gó­ci­os da fa­mí­lia eram ad­mi­nis­tra­dos por Cu­nha. Nos tem­pos em que o pai era pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Da­ni­el­le, que é pu­bli­ci­tá­ria, cir­cu­la­va li­vre­men­te no ple­ná­rio da Ca­sa e nos ga­bi­ne­tes cap­tan­do cli­en­tes. A pu­bli­ci­tá­ria ofe­re­cia ser­vi­ços de as­ses­so­ria e di­vul­ga­ção de man­da­tos.

Sem pra­zo pa­ra ser sol­to, o pri­mei­ro in­ter­ro­ga­tó­rio de Cu­nha pa­ra a La­va Ja­to em Cu­ri­ti­ba ain­da não tem da­ta e ele só po­de­rá ver al­guém da fa­mí­lia na quar­ta-fei­ra da pró­xi­ma se­ma­na, dia de vi­si­tas au­to­ri­za­das. Cláu­dia pre­ten­de vi­si­tar o ma­ri­do.

Mais no­vo pri­si­o­nei­ro da La­va Ja­to na PF de Cu­ri­ti­ba, Cu­nha al­mo­çou ar­roz, fei­jão e ma­car­rão na mar­mi­ta, com gar­fo e fa­ca de plás­ti­co. Mui­to di­fe­ren­te da vi­da de al­guém acos­tu­ma­do a vi­nhos e jan­ta­res ca­ros - con­for­me cons­ta em seu car­tão de cré­di­to.

Pas­sou iso­la­do sua pri­mei­ra noi­te na ca­deia, em uma ce­la de 12 me­tros qua­dra­dos, sem aces­so aos co­le­gas de cár­ce­re. Fi­cou se­pa­ra­do de ou­tros pre­sos da La­va Ja­to, co­mo o do­lei­ro Al­ber­to Yous­sef, até no ba­nho de sol. Ago­ra, po­de tra­zer ou­tros pa­ra o mes­mo es­pa­ço.

Cu­nha dei­xa IML de Cu­ri­ti­ba após exa­me de cor­po de de­li­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.