Re­nan de­fen­de ações da Po­lí­cia Le­gis­la­ti­va

Correio da Bahia - - Mais -

O pre­si­den­te do Se­na­do, Re­nan Ca­lhei­ros (PMDB-AL), di­vul­gou no­ta em que de­fen­de a le­ga­li­da­de de var­re­du­ras re­a­li­za­das pe­la Po­lí­cia Le­gis­la­ti­va da Ca­sa. “A Po­lí­cia Le­gis­la­ti­va exer­ce su­as ati­vi­da­des den­tro do que pre­cei­tua a Cons­ti­tui­ção, as nor­mas le­gais e o re­gu­la­men­to ad­mi­nis­tra­ti­vo do Se­na­do Fe­de­ral”, es­cre­veu Re­nan.

Ele res­sal­ta que as var­re­du­ras não acar­re­tam em ou­tros ti­pos de mo­ni­to­ra­men­to. “Ati­vi­da­des co­mo var­re­du­ra de es­cu­tas am­bi­en­tais res­trin­gem-se à de­tec­ção de gram­pos ile­gais, sen­do im­pos­sí­vel, por fal­ta de pre­vi­são le­gal e im­pos­si­bi­li­da­des téc­ni­cas, di­ag­nos­ti­car quais­quer ou­tros ti­pos de mo­ni­to­ra­men­tos que, co­mo se sa­be, são fei­tos nas ope­ra­do­ras te­lefô­ni­cas”, ar­gu­men­ta.

O pre­si­den­te do Se­na­do afir­ma que o ór­gão man­te­rá pos­tu­ra co­la­bo­ra­ti­va e aguar­da­rá as in­ves­ti­ga­ções, mas apro­vei­tou pa­ra al­fi­ne­tar o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e a Po­lí­cia Fe­de­ral. “As ins­ti­tui­ções, as­sim co­mo o Se­na­do Fe­de­ral, de­vem guar­dar os li­mi­tes de su­as atri­bui­ções le­gais”, es­cre­veu Re­nan.

O mi­nis­tro da Jus­ti­ça, Ale­xan­dre de Mo­ra­es, dis­se após ce­rimô­nia em co­me­mo­ra­ção ao Dia do Avi­a­dor, na Ba­se Aé­rea de Bra­sí­lia, na qual o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer es­ta­va pre­sen­te, que a Po­lí­cia Fe­de­ral “sim­ples­men­te cum­priu or­dem ju­di­ci­al” ao exe­cu­tar as bus­cas e apre­en­sões no Se­na­do Fe­de­ral. Mo­ra­es de­cla­rou que, em bre­ve, iria re­ce­ber re­la­tó­rio da PF so­bre a ope­ra­ção e aí po­de­rá ter uma “opi­nião mais aba­li­za­da” so­bre o ca­so.

Ele ex­pli­cou, no en­tan­to, que não te­ve ain­da “con­ta­to com o re­la­tó­rio” da PF e nem sa­be­ria ain­da fa­lar so­bre o “ob­je­to es­pe­cí­fi­co da ope­ra­ção”. Se­gun­do Mo­ra­es, o di­re­tor-ge­ral da PF, Le­an­dro Dai­el­lo, lhe te­le­fo­nou “no iní­cio da ma­nhã in­for­man­do que ha­ve­ria uma ope­ra­ção” sem de­ta­lhar se ele fa­lou que ti­po de ope­ra­ção se­ria re­a­li­za­da e on­de ela se­ria fei­ta.

O mi­nis­tro da Jus­ti­ça não quis res­pon­der às quei­xas de par­la­men­ta­res de que ha­ve­ria in­ter­fe­rên­cia de um po­der so­bre ou­tro com es­ta ope­ra­ção. “Só re­pi­to, o que a PF fez foi cum­prir or­dem ju­di­ci­al de sequên­cia de uma ope­ra­ção”, dis­se, acres­cen­tan­do que vai aguar­dar re­la­tó­rio da PF so­bre a ope­ra­ção. Mo­ra­es de­cla­rou ain­da que além de se reu­nir com Dai­el­lo, te­rá ain­da ou­tra reu­nião com to­dos os su­pe­rin­ten­den­tes da PF, a par­tir das 14h des­ta sex­ta-fei­ra, no Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça, em com­pro­mis­so agen­da­do, pa­ra inau­gu­rar o inqué­ri­to ele­trô­ni­co da PF.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.