É tu­do coin­ci­dên­cia?

Correio da Bahia - - Esporte -

É bem pos­sí­vel, ca­ro lei­tor ou be­la leitora, que vo­cê não te­nha li­do to­das as co­lu­nas em que aqui foi abor­da­do o en­la­me­a­do pro­ces­so de de­mo­cra­ti­za­ção do Vi­tó­ria. Aliás, que fique cla­ro, pro­ces­so de de­mo­cra­ti­za­ção é mo­do de di­zer, pois, co­mo pre­vis­to, os pre­ten­sos do­nos do Vi­tó­ria con­se­gui­ram dei­xar tu­do exa­ta­men­te co­mo qu­e­ri­am, sem de­mo­cra­ti­za­ção ne­nhu­ma. Com ma­no­bras con­se­cu­ti­vas, en­gen­dra­ram me­ti­cu­lo­sa­men­te o ce­ná­rio atu­al, sem­pre vi­san­do man­ter ina­ba­lá­vel a hi­e­rar­quia de po­der em Ca­na­bra­va.

Es­ta se­ma­na, o Vi­tó­ria pu­bli­cou ofi­ci­al­men­te o que to­do mun­do já sa­bia - e que aqui foi re­pe­ti­do sei lá qu­an­tas ve­zes: na­da de elei­ção di­re­ta em de­zem­bro. Mais uma vez, os só­ci­os po­de­rão, no má­xi­mo, ele­ger uma cha­pa pa­ra o Con­se­lho De­li­be­ra­ti­vo. De­pois, os con­se­lhei­ros elei­tos é que vão es­co­lher a di­re­to­ria. No re­bo­te da di­vul­ga­ção ofi­ci­al des­ta elei­ção, cu­jas re­gras exa­lam odor de mo­fo, o pre­si­den­te do Vi­tó­ria, Rai­mun­do Vi­a­na, apa­re­ceu com mais um en­tre tan­tos po­si­ci­o­na­men­tos que pa­re­cem fei­tos so­men­te pa­ra fa­zer rir (ou cho­rar).

No si­te ofi­ci­al do clu­be, pu­bli­cou co­mu­ni­ca­do ale­gan­do que não po­de­ria res­pon­der aos ques­ti­o­na­men­tos so­bre os con­tra­tos da Are­na Bar­ra­dão fei­tos pe­lo pre­si­den­te do Con­se­lho Fis­cal, Ch­ris­tó­vão Ri­os, por­que es­te pre­ci­sa­va an­tes se en­ten­der com o pre­si­den­te do Con­se­lho De­li­be­ra­ti­vo, Jo­sé Ro­cha. Vi­a­na afir­ma ain­da que “as­sun­tos ad­mi­nis­tra­ti­vos” fo­ram trans­for­ma­dos em “ins­tru­men­to po­lí­ti­co”.

Co­mo de cos­tu­me, en­ro­la, en­ro­la, en­ro­la e não ex­pli­ca co­mo e por que já gas­tou mais de R$ 1 mi­lhão em con­tra­tos pa­ra a tal Are­na sem an­tes con­sul­tar os con­se­lhei­ros. Ja­mais elu­ci­dou tam­bém por que ten­tou em­pur­rar no es­ta­tu­to uma cláu­su­la que en­ges­sa­va qual­quer di­re­to­ria fu­tu­ra nu­ma even­tu­al ne­ces­si­da­de de al­te­rar es­tes con­tra­tos.

O im­pas­se des­te mo­men­to é per­fei­to pa­ra ilus­trar a dis­pu­ta por es­pa­ço den­tro da To­ca do Leão. Até ou­tro dia, o pre­si­den­te Rai­mun­do Vi­a­na e o pre­si­den­te do Con­se­lho De­li­be­ra­ti­vo, Jo­sé Ro­cha, su­pos­ta­men­te não se bi­ca­vam. Ro­cha che­gou, in­clu­si­ve, a con­vo­car, em de­zem­bro de 2015, a As­sem­bleia Ge­ral em que os só­ci­os apro­va­ram um no­vo es­ta­tu­to pa­ra o Vi­tó­ria, es­ta­tu­to es­se der­ru­ba­do na Jus­ti­ça por con­se­lhei­ros que apoi­a­vam Vi­a­na.

De uns tem­pos pra cá, es­te mes­mo gru­po de con­se­lhei­ros é que pas­sou a não se bi­car com Vi­a­na, as­sim co­mo Ch­ris­tó­vão Ri­os, pre­si­den­te do Con­se­lho Fis­cal. Nis­so, qu­em é que ago­ra an­da mui­to bem en­tro­sa­do com Rai­mun­do Vi­a­na? Acer­tou qu­em dis­se Jo­sé Ro­cha, aque­le que an­tes pa­re­cia ini­mi­go. Achou o en­re­do pa­re­ci­do com os ro­tei­ros da po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra? Por coin­ci­dên­cia, Jo­sé Ro­cha é de­pu­ta­do fe­de­ral.

En­quan­to se­gue o qui­pro­có in­ter­no, tal­vez por um enor­me ali­nha­men­to de as­tros e jo­ga­das do des­ti­no, fal­tan­do pou­co tem­po pa­ra as elei­ções, o si­te do pro­gra­ma de só­ci­os Sou Mais Vi­tó­ria fi­cou mais de 45 di­as ins­tá­vel, im­pe­din­do que mui­tos as­so­ci­a­dos re­no­vas­sem seu vín­cu­lo pe­la in­ter­net.

Co­mo se sa­be, pa­ra vo­tar em de­zem­bro, é pre­ci­so ser só­cio há pe­lo me­nos 18 me­ses. Mas, se a re­no­va­ção atra­sar um dia, ze­ra tu­do. Se­ria o pro­ble­ma do si­te ape­nas uma gran­de coin­ci­dên­cia? A “pa­ne” vir­tu­al foi di­vul­ga­da pe­la Re­de Vi­tó­ria Sem Fron­tei­ras, que reú­ne tor­ce­do­res ru­bro-ne­gros es­pa­lha­dos fo­ra da Bahia. Re­cen­te­men­te, re­pre­sen­tan­tes des­ta mes­ma re­de ti­ve­ram um en­con­tro com Rai­mun­do Vi­a­na no Bar­ra­dão. Fi­ze­ram vá­ri­os ques­ti­o­na­men­tos so­bre a ges­tão do clu­be e do de­par­ta­men­to de fu­te­bol. Sem qual­quer res­pos­ta ob­je­ti­va, fo­ram obri­ga­dos a ou­vir ho­ras de um mo­nó­lo­go au­to­e­lo­gi­o­so.

O de­ta­lhe é que o en­con­tro foi or­ga­ni­za­do pe­lo pró­prio se­tor de mar­ke­ting do Vi­tó­ria, mas, em tex­to pu­bli­ca­do nas re­des so­ci­ais, os mem­bros do Vi­tó­ria Sem Fron­tei­ras clas­si­fi­ca­ram a vi­si­ta co­mo uma “des­reu­nião”.

Mais uma das in­con­tá­veis ações do Vi­tó­ria cu­jo ti­ro sai pe­la cu­la­tra. Se­ria tam­bém me­ra coin­ci­dên­cia?

Co­mo se sa­be, pa­ra vo­tar em de­zem­bro, é

pre­ci­so ser só­cio há pe­lo me­nos 18 me­ses.

Mas, se a re­no­va­ção atra­sar um dia, ze­ra tu­do

vu­fir­mo@gmail.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.