Os ajus­tes de­vem con­ti­nu­ar

Correio da Bahia - - #kinemkim -

Des­de que a Ope­ra­ção La­va Ja­to co­me­çou a avan­çar so­bre os al­tos es­ca­lões da Re­pú­bli­ca, a cri­se po­lí­ti­ca fez par com a cri­se econô­mi­ca na dan­ça que le­vou o país à re­ces­são. O es­cân­da­lo e os im­pac­tos de­le so­bre o Con­gres­so di­na­mi­ta­ram qual­quer chan­ce do go­ver­no Dil­ma Rous­seff em­pla­car me­di­das pa­ra re­ver­ter a cur­va do dé­fi­cit. A ca­da se­ma­na, as ações da for­ça-ta­re­fa da Pro­cu­ra­do­ria de Cu­ri­ti­ba re­co­lo­ca­vam em se­gun­do pla­no a ne­ces­si­da­de de re­for­mas im­por­tan­tes.

Na se­ma­na em que a pri­são do de­pu­ta­do cas­sa­do Edu­ar­do Cu­nha (PMDB-RJ) sa­cu­diu mais uma vez Bra­sí­lia, é o mo­men­to de o go­ver­no Mi­chel Te­mer pôr à pro­va a ha­bi­li­da­de de ar­ti­cu­la­ção que o di­fe­ren­cia subs­tan­ci­al­men­te da ges­tão an­te­ri­or.

En­quan­to a pe­tis­ta ti­nha co­mo ca­rac­te­rís­ti­ca a ru­de­za no tra­to com a ban­ca­da go­ver­nis­ta e con­ta­va com a re­bel­dia de Cu­nha, li­de­ran­ça en­tão com po­de­res qua­se ab­so­lu­tos na Câ­ma­ra, Te­mer tem a fi­de­li­da­de do pre­si­den­te da Ca­sa, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ). Ao mes­mo tem­po, o pe­e­me­de­bis­ta é co­nhe­ci­do pe­la ca­pa­ci­da­de de fa­lar a lín­gua do Par­la­men­to e de to­car cos­tu­ras po­lí­ti­cas em ho­ras de ten­são. Foi nas três ve­zes em que as­su­miu o mes­mo car­go de Cu­nha e Maia - du­as com FHC e uma com Lu­la - que Te­mer con­so­li­dou o ape­li­do de bom­bei­ro do Con­gres­so. Ago­ra, te­rá uma mis­são que pro­me­te al­tas tem­pe­ra­tu­ras: evi­tar que o Efei­to Cu­nha pa­ra­li­se a agen­da econô­mi­ca do país.

A ur­gên­cia mai­or é man­ter a ba­se co­e­sa pa­ra im­pe­dir o nau­frá­gio da PEC que cria o te­to de gas­tos pú­bli­cos ao li­mi­te da in­fla­ção. Até aqui, a ma­té­ria, em­bo­ra po­lê­mi­ca, na­ve­gou sem mai­o­res tur­bu­lên­ci­as. Pro­tes­tos de rua e nos am­bi­en­tes es­tu­dan­tis con­tra a me­di­da fo­ram neu­tra­li­za­dos pe­la ofen­si­va bem-su­ce­di­da do Pla­nal­to com a ala go­ver­nis­ta. No en­tan­to, a pri­mei­ra vo­ta­ção não ti­nha à sua vol­ta o es­pec­tro da even­tu­al de­la­ção do de­pu­ta­do pre­so. A úl­ti­ma quar­ta-fei­ra, quan­do o pe­e­me­de­bis­ta foi le­va­do pa­ra a Po­lí­cia Fe­de­ral do Pa­ra­ná, mu­dou o pa­no­ra­ma.

O de­sa­fio se­rá man­ter azei­ta­da a ope­ra­ção po­lí­ti­ca do go­ver­no e con­cen­trar es­for­ços pa­ra que ele per­ma­ne­ça em fun­ci­o­na­men­to. O que de­man­da­rá pe­rí­cia ain­da mai­or por par­te de Te­mer. Ex­pur­gos se­rão ine­vi­tá­veis. O pe­e­me­de­bis­ta sa­be bem dis­so. Afi­nal, não foi à toa que Cu­nha che­gou ao to­po da Re­pú­bli­ca. Uma vez re­ve­la­dos, pro­ces­so que pa­re­ce ir­re­ver­sí­vel, os se­gre­dos de Cu­nha po­dem cri­ar re­al ins­ta­bi­li­da­de pa­ra o Se­na­do e a Câ­ma­ra. Pa­ra le­var as re­for­mas adi­an­te, o pre­si­den­te não te­rá ou­tro ca­mi­nho a não ser im­pe­dir que as mu­dan­ças na eco­no­mia se­jam con­ta­mi­na­das. A de­man­da exi­ge fo­co no diá­lo­go com a ban­ca­da go­ver­nis­ta e os di­ri­gen­tes par­ti­dá­ri­os, pa­ra con­ven­cê-los que a má­qui­na de ajus­te não po­de pa­rar. Sob pe­na de que a pa­ra­li­sia atin­ja o Bra­sil de no­vo e pu­xe a na­ção, mais uma vez, pa­ra a es­ta­ção do atra­so.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.