Mo­do de es­pe­ra

Correio da Bahia - - Bahia -

O pre­fei­to ACM Ne­to (DEM) vem acom­pa­nhan­do em si­lên­cio a mo­vi­men­ta­ção dos ve­re­a­do­res que se lan­ça­ram à dis­pu­ta pe­la pre­si­dên­cia da Câ­ma­ra de Ve­re­a­do­res. Até o mo­men­to, o de­mo­cra­ta não ma­ni­fes­tou aos seus au­xi­li­a­res mais pró­xi­mos pre­fe­rên­cia por ne­nhum dos can­di­da­tos. Nas úl­ti­mas con­ver­sas com os ar­ti­cu­la­do­res po­lí­ti­cos do Pa­lá­cio Tho­mé de Sou­za, o pre­fei­to ava­li­ou que to­dos os no­mes po­si­ci­o­na­dos no pá­reo pos­su­em le­gi­ti­mi­da­de e ar­gu­men­tos pa­ra as­su­mir o pos­to. Qu­em co­nhe­ce bem o pre­fei­to ga­ran­te que ele não vai se po­si­ci­o­nar ago­ra. Vai es­pe­rar o bar­co cor­rer nes­sa pri­mei­ra eta­pa da su­ces­são. A ideia ini­ci­al, se­gun­do in­ter­lo­cu­to­res de Ne­to, é ob­ser­var a dis­tân­cia qual dos par­la­men­ta­res tem mais for­ça pa­ra agre­gar sua ba­se ali­a­da. Ape­nas um fa­to po­de al­te­rar a ro­ta tra­ça­da pe­lo pre­fei­to: se um dos can­di­da­tos re­ce­ber apoio pú­bli­co da opo­si­ção. Na aná­li­se do de­mo­cra­ta, não é a ban­ca­da ad­ver­sá­ria, em fran­ca mi­no­ria na Ca­sa, a que po­de de­ci­dir o pro­ces­so. Já dei­xou cla­ro que, ca­so um go­ver­nis­ta ga­nhe ade­são for­mal dos opo­si­ci­o­nis­tas, en­tra­rá em cam­po pa­ra es­co­lher uma can­di­da­tu­ra al­ter­na­ti­va.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.