Os ves­ti­dos da con­des­sa que sa­bia vi­ver

Correio da Bahia - - Mais -

Vai até o dia 7 de ja­nei­ro, no Fashi­on Ins­ti­tu­te of Te­ch­no­logy de No­va York, uma fi­nís­si­ma ex­po­si­ção: “A Mu­sa de Proust, a Con­des­sa Gref­fu­lhe”. A prin­ce­sa Eli­sa­beth de Ca­ra­man-Chi­may (1860-1952) foi a prin­ci­pal ins­pi­ra­ção do ro­man­cis­ta Mar­cel Proust pa­ra a cons­tru­ção da per­so­na­gem da Du­que­sa de Gu­er­man­tes, uma aris­to­cra­ta lin­da, ele­gan­te, do­na dos sa­lões de Pa­ris. No ro­man­ce, o nar­ra­dor ten­ta­va cap­tu­rar a aten­ção da du­que­sa. Na vi­da re­al, Proust ten­tou mos­trar sua ad­mi­ra­ção pe­la con­des­sa e pe­diu-lhe uma fo­to­gra­fia. Não foi aten­di­do, por vul­gar. A ex­po­si­ção da con­des­sa veio de Pa­ris e in­clui 40 pe­ças do seu guar­da-rou­pa. Ves­ti­dos des­lum­bran­tes de um tem­po em que a ideia de ca­mi­nha­das exi­bi­ci­o­nis­tas so­bre um ta­pe­te ver­me­lho aos olhos do mun­do le­va­ria as se­nho­ras ao sui­cí­dio. O “Ves­ti­do de Lí­ri­os”, da Ca­sa Worth, é uma obra de ar­te, co­mo eram obras de ar­te as vi­das de mui­tos aris­to­cra­tas da­que­la épo­ca. En­tre os pro­te­gi­dos da con­des­sa es­ti­ve­ram o es­cul­tor Au­gus­te Ro­din e a ci­en­tis­ta Ma­rie Cu­rie.

Eli­sa­beth mor­reu na Suí­ça, em 1952, aos 92 anos.

• Ser­vi­ço: o mu­seu bo­tou na re­de uma boa amos­tra da ex­po­si­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.