Atu­a­ção é de­ci­si­va pa­ra ser efe­ti­va­do

Correio da Bahia - - Mais -

se se­rá um Na­tal mais mo­des­to que o an­te­ri­or em nú­me­ro de con­tra­ta­ções tem­po­rá­ri­as. “Com tan­ta ins­ta­bi­li­da­de na eco­no­mia, é di­fí­cil pre­ver um fim de ano me­lhor, mas per­ce­be­mos que a con­fi­an­ça do con­su­mi­dor es­tá me­lho­ran­do. E quan­to mai­or o ní­vel de con­fi­an­ça, me­lhor pa­ra o va­re­jo”, ana­li­sa.

Os nú­me­ros da Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal do Co­mér­cio de Bens, Ser­vi­ços e Tu­ris­mo (CNC) con­fir­mam a pre­vi­são de que­da de 2,4% em pos­tos de tra­ba­lho tem­po­rá­ri­os em re­la­ção a 2015. Ain­da de acor­do com o ór­gão, que não pos­sui da­dos re­gi­o­na­li­za­dos, mes­mo com ex­pec­ta­ti­va de re­tra­ção de 3,5% no fa­tu­ra­men­to do va­re­jo, o Na­tal des­te ano vai ge­rar 135 mil va­gas tem­po­rá­ri­as em to­do o Bra­sil.

EM BUS­CA DA LUZ

A ven­de­do­ra Adri­e­le San­tos é uma das pes­so­as que es­tão à pro­cu­ra de um lu­gar ao sol e es­pe­ra con­se­guir uma va­ga ofer­ta­da pe­lo co­mér­cio no fi­nal do ano. Ela es­tá de­sem­pre­ga­da há 6 me­ses e tem en­si­no mé­dio com­ple­to, cur­sos de aten­den­te e in­for­má­ti­ca, além de du­as ex­pe­ri­ên­ci­as no va­re­jo. “Dei­xei cur­rí­cu­lo em vá­ri­os lu­ga­res, mas até ago­ra não cha­ma­ram pa­ra na­da. Qu­e­ro tra­ba­lhar, não im­por­ta a oportunidade. Se pin­tar uma chan­ce co­mo tem­po­rá­ria se­rá óti­mo”, afir­ma.

Já o pro­fes­sor de es­por­te de aven­tu­ra Agi­bel Brum po­de ser cha­ma­do de tem­po­rá­rio pro­fis­si­o­nal. Is­so por­que já tra­ba­lha há mais de 5 anos co­mo Pa­pai No­el. Além de ser uma boa for­ma de com­ple­men­tar a ren­da, Brum afir­ma que gos­ta do que faz e ama tra­ba­lhar com o so­nho das cri­an­ças. “Eu co­me­ço a en­trar no cli­ma do per­so­na­gem em maio, quan­do dei­xo a bar­ba cres­cer. Bem an­tes do Na­tal já co­me­ço a vi­si­tar as lo­jas de brin­que­dos pa­ra fi­car por den­tro das no­vi­da­des e dos per­so­na­gens da mo­da. Acho que is­so é meu di­fe­ren­ci­al co­mo pro­fis­si­o­nal por­que en­tro no mun­do das cri­an­ças”, afir­ma o No­el do Pa­ra­le­la, que che­ga a re­ce­ber, só no pe­río­do de fi­nal de ano, o cor­res­pon­den­te ao que ga­nha em cin­co me­ses dan­do au­las.

Pa­ra qu­em ain­da quer ga­ran­tir uma va­ga de aju­dan­te ou ou­tras fun­ções pro­mo­ci­o­nais no co­mér­cio, o bom ve­lhi­nho tem­po­rá­rio dá a di­ca. “Tem que gos- tar de cri­an­ça e gos­tar des­se tra­ba­lho. Se fos­se só pe­lo di­nhei­ro eu não fa­ria. Pre­ci­sa en­ten­der e con­quis­tar os pe­que­nos”.

VA­GAS À VISTA

Os shop­pings são al­guns dos es­ta­be­le­ci­men­tos que mais con­tra­tam tem­po­rá­ri­os no Na­tal. No Pi­e­da­de, por exem­plo, há a pre­vi­são de 50 va­gas ape­nas pa­ra o pes­so­al que tra­ba­lha com mar­ke­ting e pro­mo­ções. As opor­tu­ni­da­des vão des­de Pa­pai No­el, pas­san­do por as­sis­ten­tes do bom ve­lhi­nho, até aten­den­tes de bal­cão pa­ra tro­ca de cu­pons pro­mo­ci­o­nais. “Tem que ter um perfil es­pe­cí­fi­co pa­ra es­sas va­gas, ser ágil, pres­ta­ti­vo e sim­pá­ti­co com os cli­en­tes, gos­tar de cri­an­ça e in­cor­po­rar o per­so­na­gem”, apon­ta a co­or­de­na­do­ra de mar­ke­ting do Shop­ping Pi­e­da­de, Ju­li­a­na Bran­dão.

Ela acres­cen­ta que es­sas 50 va­gas não in­clu­em as con­tra­ta­ções di­re­tas pe­los lo­jis­tas, que re­pre­sen­tam o vo­lu­me mai­or de opor­tu­ni­da­des. “Sa­be­mos que nem to­do mun­do vai con­tra­tar, mas te­mos lo­jis­tas que vão cha­mar até 30 tem­po­rá­ri­os”.

É o ca­so da lo­ja Pé a Pé. Com 10 uni­da­des em Sal­va­dor, a em­pre­sa es­pe­ra con­tra­tar até 40 tra­ba­lha­do­res pa­ra o pe­río­do, sen­do que 10 po­de­rão ser efe­ti­va­dos em uma no­va lo­ja que se­rá inau­gu­ra­da em bre­ve. “Só vai de­pen­der do de­sem­pe­nho do ven­de­dor”, in­di­ca o pro­pri­e­tá­rio Sa­mu­el Mo­ta. “Pro­cu­ra­mos pes­so­as até sem ex­pe­ri­ên­cia pa­ra que pos­sa­mos en­si­nar do nos­so jei­to. Mas a ex­pe­ri­ên­cia tam­bém po­de ser um di­fe­ren­ci­al”, acres­cen­ta. Os in­te­res­sa­dos po­dem dei­xar cur­rí­cu­los nas lo­jas Pé a Pé do Pi­e­da­de, Cen­ter La­pa e Ro­do­viá­ria.

AGEN­TES DA OPORTUNIDADE A agên­cia Bem, que faz re­cru­ta­men­to e se­le­ção pa­ra o Pi­e­da­de, pre­vê ou­tras 200 va­gas tem­po­rá­ri­as, fo­ra as 50 do shop­ping. A em­pre­sa é es­pe­ci­a­li­za­da em mão de obra tem­po­rá­ria vol­ta­da pa­ra mar­ke­ting pro­mo­ci­o­nal. “Es­ta­mos se­le­ci­o­nan­do pa­ra três shop­pings de Sal­va­dor. O perfil des­sas pes­so­as é sa­ber aten­der ao pú­bli­co e ser di­nâ­mi­co”, afir­ma o pro­pri­e­tá­rio da agên­cia, Hu­go Ra­mos.

Qu­em tam­bém faz se­le­ção pa­ra shop­pings de Sal­va­dor é o Gi Group. De acor­do com a es­pe­ci­a­lis­ta em se­le­ção Li­na Tei­xei­ra, se­rão 30 va­gas es­te ano nú­me­ro me­nor que no ano pas­sa­do. “In­de­pen­den­te­men­te das pre­vi­sões pa­ra me­lho­rar em 2017, o em­pre­sa­ri­a­do ain­da es­tá re­traí­do. En­tão, nos­sa pre­vi­são é mo­des­ta”, diz.

Ou­tra agên­cia, a Rands­tad, es­ti­ma con­tra­tar até 375 tem­po­rá­ri­os na Bahia. En­tre os seg­men­tos que mais te­rão opor­tu­ni­da­des, a em­pre­sa apon­ta ali­men­tí­cio, ves­tuá­rio, far­ma­cêu­ti­co, cos­mé­ti­cos, ele­tro­e­le­trô­ni­cos, be­bi­das e fi­nan­cei­ro. En­tre 15% e 20% dos fun­ci­o­ná­ri­os que en­tram co­mo tem­po­rá­ri­os são efe­ti­va­dos nas em­pre­sas, de acor­do com a As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Shop­ping Cen­ters (Abras­ce). Pa­ra qu­em es­tá de­sem­pre­ga­do es­ta po­de ser a oportunidade de con­tra­ta­ção de­fi­ni­ti­va, mas é pre­ci­so mos­trar pa­ra o em­pre­ga­dor que é ne­ces­sá­rio na or­ga­ni­za­ção. É o que in­di­ca a vi­ce-pre­si­den­te da ABRH Bahia (As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Re­cur­sos Hu­ma­nos), Mar­got Aze­ve­do. “Não en­ca­re o tra­ba­lho ape­nas co­mo tem­po­rá­rio. Dê aque­le al­go mais”, acon­se­lha. O fun­ci­o­ná­rio es­tá sen­do ava­li­a­do sem­pre, se­gun­do a es­pe­ci­a­lis­ta em se­le­ção da Gi Group, Li­na Tei­xei­ra. “Não po­de fa­zer ape­nas o fei­jão com ar­roz. As em­pre­sas con­tra­tam pe­lo cur­rí­cu­lo, mas de­mi­tem pe­lo com­por­ta­men­to”, diz. Li­na afir­ma ain­da que a con­tra­ta­ção de­fi­ni­ti­va de­pen­de mui­to do tra­ba­lha­dor. “Qu­em é um bom tem­po­rá­rio tem mais chan­ce de ser efe­ti­va­do”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.