Imu­ni­da­de exi­ge cui­da­dos es­pe­ci­ais

Correio da Bahia - - Mais - Car­men Vas­con­ce­los car­men.vas­con­ce­los@re­de­bahia.com.br

No ano pas­sa­do, a pu­bli­ci­tá­ria Liz Pas­sos, 42, foi di­ag­nos­ti­ca­da com cân­cer. Pas­sa­do o cho­que ini­ci­al do di­ag­nós­ti­co, de­ci­diu que fa­ria tu­do o que fos­se ne­ces­sá­rio pa­ra ven­cer o lin­fo­ma não-Hodg­kin. Já na pri­mei­ra ses­são de qui­mi­o­te­ra­pia, o ca­be­lo caiu. Na ter­cei­ra ses­são, es­ta­va tão fra­ca que não con­se­guia se­quer to­mar ba­nho. No dé­ci­mo quar­to dia após o iní­cio do tra­ta­men­to, deu en­tra­da na emer­gên­cia do Hos­pi­tal Ali­an­ça. Além do cân­cer, pre­ci­sa­va lu­tar com as re­a­ções ad­ver­sas do tra­ta­men­to que re­du­zia seu sis­te­ma imu­no­ló­gi­co a qua­se na­da. Liz es­ta­va com a neutropenia fe­bril, que é a for­ma mais se­ve­ra de neutropenia (que ocor­re quan­do há um ní­vel mui­to bai­xo dos neu­tró­fi­los, um ti­po de gló­bu­lo bran­co que aju­da no com­ba­te das in­fec­ções, des­truin­do bac­té­ri­as e fun­gos) e que po­de le­var os pa­ci­en­tes à mor­te por in­fec­ção.

“Até en­tão, eu nun­ca ha­via ou­vi­do fa­lar em neutropenia, pre­ci­sa­va usar más­ca­ra pa­ra fa­lar com as pes­so­as e pre­ci­sa­va fa­zer exa­me de san­gue to­dos os di­as”, con­ta. Ain­da no hos­pi­tal, além do tra­ta­men­to es­pe­cí­fi­co pa­ra es­ti­mu­lar a pro­du­ção dos gló­bu­los bran­cos, Liz te­ve o acom­pa­nha­men­to nu­tri­ci­o­nal pa­ra que o sis­te­ma imu­ne vol­tas­se a re­a­gir e o tra­ta­men­to pu­des­se ter con­ti­nui­da­de.

Em ja­nei­ro des­te ano, con­cluiu a qui­mi­o­te­ra­pia e, en­tre mar­ço e abril, ini­ci­ou a ra­di­o­te­ra­pia. O tra­ta­men­to des­sa vez te­ve re­per­cus­sões ain­da mais drás­ti­cas, pois le­vou à in­fer­ti­li­da­de. En­quan­to bus­ca­va se­guir à ris­ca o ar­re­ma­te do tra­ta­men­to, ela per­ma­ne­ceu se­guin­do uma di­e­ta es­pe­cí­fi­ca e re­cor­reu ao tra­ta­men­to com­ple­men­tar pa­ra fa­ci­li­tar a re­cu­pe­ra­ção: a mi­cro­fi­si­o­te­ra­pia, que con­sis­te nu­ma téc­ni­ca de fi­si­o­te­ra­pia, que uti­li­za um prin­cí­pio bá­si­co das ci­ên­ci­as bi­o­mé­di­cas e que é cha­ma­da mi­cro­fi­si­o­te­ra­pia ou te­ra­pia do to­que, uma vez que pri­vi­le­gia a te­ra­pia ma­nu­al pa­ra iden­ti­fi­car a cau­sa do pro­ble­ma e pa­ra es­ti­mu­lar o cor­po a en­con­trar a pró­pria cu­ra.

União de tra­ta­men­tos aju­da a ace­le­rar a re­cu­pe­ra­ção

CUI­DA­DO COM­PLE­MEN­TAR Pa­ra o in­fec­to­lo­gis­ta e con­sul­tor dos la­bo­ra­tó­ri­os Sa­bin Clau­dil­son Bas­tos, du­ran­te o qua­dro de neutropenia fe­bril, é fun­da­men­tal se­guir o pro­to­co­lo re­co­men­da­do e re­a­li­zar o in­ter­na­men­to ime­di­a­ta­men­te pa­ra evi­tar o agra­va­men­to do qua­dro clí­ni­co do pa­ci­en­te, no en­tan­to, pas­sa­da a fa­se mais crí­ti­ca, é vá­li­do ali­ar os tra­ta­men­tos con­ven­ci­o­nais com te­ra­pi­as que aju­dem a re­cu­pe­rar a saú­de e o bem-es­tar. “No en­tan­to, va­le res­sal­tar que qual­quer téc­ni­ca com­ple­men­tar – co­mo a acu­pun­tu­ra, mi­cro­fi­si­o­te­ra­pia ou qual­quer ou­tra – não subs­ti­tui o tra­ta­men­to for­mal e pre­ci­sa ser fei­to com um pro­fis­si­o­nal de saú­de ha­bi­li­ta­do”, re­for­ça.

O mé­di­co lem­bra ain­da que du­ran­te a neutropenia, co­mo há mui­ta sen­si­bi­li­da­de do pa­ci­en­te, é im­por­tan­te que o pa­ci­en­te em tra­ta­men­to evi­te va­ci­nas, li­mi­te o con­ta­to com ou­tras pes­so­as, cui­de da ali­men­ta­ção e da hi­dra­ta­ção. “Qu­em vi­si­ta ou cui­da de um

Liz Pas­sos co­me­mo­ra a vi­tó­ria so­bre o cân­cer e pre­ten­de con­tar sua ex­pe­ri­ên­cia de lu­ta em li­vro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.